Numa época na qual a palavra “crise” lhe é facilmente associada, o Benfica tem-se mantido na disputa no campeonato, enquanto foi escorregando das outras competições. Uma vitória frente aos rivais esta semana, colocaria os “encarnados” a par dos “leões” em pontos e no máximo a três da liderança e do FC Porto, enquanto o triunfo leonino deixaria os rivais em maus lençóis na Liga NOS. Vamos tentar perceber como poderão “águias” e “leões” abordar o dérbi em termos tácticos. A começar pelos anfitriões.

Estes são alguns dados colectivos dos últimos cinco jogos de cada equipa, mas não deixe de passar por aqui se quiser conhecer os dados acumulados das primeiras 15 jornadas.

GoalPoint-Preview-Jornada16-Benfica-Sporting-LIGA-NOS-201718-infog
Clique para ampliar

Desde a impactante mudança para o 4-3-3, agora a ser utilizado por Rui Vitória, o Benfica só fez cinco partidas no campeonato – uma delas frente ao FC Porto, que será porventura o desafio cujas características mais se assemelham às do jogo de quarta-feira. Desde a alteração táctica, os homens da Luz aumentaram o seu potencial ofensivo, com menos remates, mas com mais qualidade – mais ocasiões flagrantes e uma percentagem de finalização muito maior das mesmas. Consequências de colocar aquele que será um dos melhores finalizadores do campeonato mais perto da baliza adversária: Jonas.

[vc_table vc_table_theme=”simple”][c#ffffff;bg#000000],[align-center;c#ffffff;bg#000000]Benfica%20(4-4-2),[align-center;c#ffffff;bg#000000]Benfica%20(4-3-3)|Posse%20de%20bola,[align-center]62%2C9%25,[align-center]61%2C8%25|Ocasi%C3%B5es%20flagrantes,[align-center]2%2C7,[align-center]2%2C8|%25%20Ocasi%C3%B5es%20flagrantes%20convertidas,[align-center]33%25,[align-center]64%25|Remates%20(%C3%A1rea),[align-center]12%2C0,[align-center]9%2C0|Cruzamentos,[align-center]14%2C8,[align-center]13%2C2|%25%20Passes%20eficazes,[align-center]81%2C5%25,[align-center]81%2C2%25|Desarmes,[align-center]17%2C7,[align-center]22%2C2|Remates%20permitidos,[align-center]8%2C0,[align-center]9%2C5[/vc_table]

Jonas sim, Jonas não

No Dragão, a equipa de Rui Vitória acabou a partida com menos de metade dos remates do adversário, mas fez cinco dos seus sete dentro da área adversária – destacando-se a capacidade dos médios, principalmente de Krovinovic, para entrar em zonas de finalização. O Sporting é o “grande” que menos foras-de-jogo provoca ao adversário, mostrando que joga com linhas um pouco mais recuadas sem bola. Este factor, combinado com o facto de o Benfica jogar no seu reduto, deverá permitir aos “encarnados” um jogo onde se possam assumir mais em posse que no Dragão e onde podem encorajar Krovinovic, Pizzi (o centro nevrálgico da “águia”) e até Salvio a apoiar o ponta-de-lança na zona central do último terço.

Os “encarnados” têm ainda um factor a explorar que por aqui já foi mencionado por diversas vezes. Apesar de ser muito boa em posse, a defesa do Sporting deixa algo a desejar no que toca a duelos aéreos. Tendo uma qualidade técnica excelente, Jonas não é o melhor ponta-de-lança pelo ar e haverá aqui um possível argumento sobre uma potencial inclusão de Jiménez como o ponta-de-lança titular. O mexicano, após a saída de Mitroglou, tornou-se na melhor opção do clube para este tipo de jogo.

Ainda com a ideia de explorar a mesma situação, importa mencionar que Cervi e Zivkovic são os dois jogadores do Benfica que cruzam com mais frequência e os dois extremos com melhor eficácia de cruzamento. Olhando a partir de uma perspectiva estatística, Zivkovic é nitidamente o melhor extremo do clube da Luz – faz quase tudo como maior eficácia que os outros concorrentes para a posição – e uma possível entrada no “onze” beneficiaria a exploração de cruzamentos com pouco impacto negativo em qualquer área.

[vc_table vc_table_theme=”simple”][bg#000000;c#ffffff],[align-center;bg#000000;c#ffffff]Salvio,[align-center;bg#000000;c#ffffff]Cervi,[align-center;bg#000000;c#ffffff]Zivkovic|GoalPoint%20Rating,[align-center]6.39,[align-center]6.24,[align-center]7.19|Remates,[align-center]3%2C2,[align-center]1%2C7,[align-center]2%2C2|%25%20Remates%20enquadrados,[align-center]58%25,[align-center]25%25,[align-center]50%25|Passes%20para%20finaliza%C3%A7%C3%A3o%20(bola%20corrida),[align-center]1%2C3,[align-center]2%2C0,[align-center]3%2C6|Cruzamentos,[align-center]1%2C1,[align-center]3%2C1,[align-center]6%2C7|%25%20Cruzamentos%20eficazes,[align-center]17%25,[align-center]21%25,[align-center]29%25|%25%20Passes%20certos%20(%C3%BAltimo%20ter%C3%A7o),[align-center]69%25,[align-center]67%25,[align-center]74%25|Tentativas%20de%20drible,[align-center]5%2C3,[align-center]2%2C7,[align-center]3%2C4|%25%20Dribles%20eficazes,[align-center]29%25,[align-center]39%25,[align-center]58%25|Faltas%20sofridas,[align-center]1%2C9,[align-center]2%2C6,[align-center]1%2C7[/vc_table]

Html code here! Replace this with any non empty text and that's it.

Confiar na direita, questionar a esquerda

Ao contrário do Sporting, os problemas do Benfica a defender cruzamentos não vêm da sua linha defensiva, mas sim do seu guarda-redes. Os donos da baliza das “águias” têm problemas visíveis na sua saída a cruzamentos e é natural que o jogador com mais golos de cabeça na Europa em 2017 – Dost, com 12 – tente aproveitar esse facto.

Para tal, o ideal é mesmo que – sempre que possível – os cruzamentos não consigam se quer entrar na área. Os dois defesas-laterais titulares do Benfica, André Almeida (0,6 / 90m) e Grimaldo (0,5 /90m), encontram-se no “top 3” no que toca a jogadores dos “três grandes” que mais tentativas de cruzamento bloqueiam por jogo. Boas notícias para os “encarnados”, já que Acuña é o segundo jogador que mais municia Dost e vai, assim, encontrar Almeida a criar-lhe dificuldades.

Já o outro lado poderá dar mais problemas: Gelson tem movimentos mais difíceis de acompanhar e, sendo o melhor driblador dos “leões”, vai apanhar pela frente Grimaldo e Cervi – dois dos jogadores do Benfica que mais vezes são ultrapassados desta forma (1,3 e 1,6 vezes por jogo, respectivamente).

Passando das alas para o meio, Bruno Fernandes será – tal como mencionamos na versão leonina deste artigo – uma das peças-chave na criação de perigo pelo corredor central. Com responsabilidade de controlo pelo internacional português estará o sempre fiável Fejsa, pelo menos se este jogar como o homem mais próximo de Dost. Mas, ainda pelo centro, há algo de interesse a mencionar.

Controlar a profundidade

O Sporting já mostrou dar-se bem em jogos no qual o controlo pertence à outra equipa – como aqui já disse que poderá acontecer –, explorando a velocidade dos seus homens na frente, trocas de posições constantes entre os extremos e, possivelmente, até com Doumbia a atacar a profundidade.

Revertendo o prisma, os homens de Rui Vitória já demonstraram múltiplas vezes dificuldades no que toca ao controlo da profundidade. Com Grimaldo em foco pela negativa com um posicionamento frequentemente menos bom, e Jardel em queda a todos os níveis – a confirmar-se o retorno de Luisão, parece mesmo que o ex-Olhanense seguirá para o banco. Lisandro é muitas vezes questionado pelo seu posicionamento, mas a sua capacidade física para recuperar espaço combinada com o impacto que poderá ter em bolas paradas ofensivas poderá dar-lhe o lugar.

É difícil para qualquer equipa causar perigo sem se deixar exposta – o segredo está no equilíbrio, pelo menos para uma partida como esta. Iniciar o jogo com Zivkovic e Jiménez, somados aos habituais, traria tal equilíbrio: tanto ofensivo, atingindo o adversário de forma mais inteligente, como defensivo, já que não força a imposição de uma linha tão alta.

Na próxima página: que “leão” na Luz?