GoalPoint-Benfica-Sporting-Supertaca-2019-Ratings
Clique para ampliar

O Benfica conquistou a sua oitava Supertaça portuguesa, e de forma categórica. Ante o Sporting, no Estádio Algarve, os campeões nacionais bateram os detentores da Taça de Portugal por concludentes 5-0. Após uma primeira parte em que o “leão” até foi mais perigoso e Vlachodimos foi o melhor em campo, as “águias” foram implacáveis na etapa complementar, com quatro golos, oito remates enquadrados em dez. Pizzi e Rafa Silva foram os grandes responsáveis pelo resultado gordo, num jogo em que cinco jogadores benfiquistas registaram um rating superior a 7.0.

Resumo 📺

O jogo explicado em números 📊

  • O Benfica pereceu logo querer mandar no jogo, mas a primeira ocasião pertenceu ao Sporting – que apresentou-se com três centrais. Aos três minutos, Wendel fugiu pela esquerda, cruzou e, na tentativa de corte, Ferro quase fez autogolo, valendo ao Benfica o guardião Vlachodimos, com uma grande defesa.

  • Jogo animado no primeiro quarto-de-hora, com dois remates para cada equipa – todos de fora da área, demonstrativo de dificuldades de penetração -, bem como um enquadrado, e equilíbrio em termos de posse de bola. E até nos cantos (2 para cada) o equilíbrio era a norma.
  • Com três defesas à passagem da meia-hora – uma ao ângulo superior -, Odysseas Vlachodimos ia-se destacando, com um rating de 6.4. O guardião do Benfica ia mantendo a sua baliza inviolada, isto apesar de os “encarnados” serem a equipa com um posicionamento médio mais avançado no terreno, em busca de lances ofensivos, e os “leões” mostrarem-se mais na expectativa.

  • Aos 38 minutos, mais uma vez Vlachodimos a negar o golo ao Sporting, e a Bruno Fernandes, com uma defesa de grande qualidade aos pés do médio leonino. Mas apesar de a formação de Alvalade ser a mais perigosa, o golo acabou por surgir do outro lado.
  • Em cima do minuto 40, Pizzi arrancou um cruzamento da direita e Rafa Silva surgiu de rompante ao segundo poste, a encostar para o 1-0. Um tento que surgiu ao quinto disparo benfiquista na partida, terceiro enquadrado.

  • Intervalo Vantagem benfiquista ao descanso, num jogo em que tentou empurrar o “leão”, mas raramente conseguiu controlar as diagonais de Bruno Fernandes e Wendel, a surgirem nas alas sempre que os laterais “encarnados” subiam. Assim, Vlachodimos foi o melhor em campo no primeiro tempo, com um GoalPoint Rating de 6.5, fruto de quatro defesas, uma a remate ao ângulo, algumas de grande nível de dificuldade. O Sporting rematou mais, mas enquadrou menos, pelo que a “águia” aproveitou um dos lances de ataque para marcar por Rafa Silva.

  • Em desvantagem, o Sporting reentrou afoito, com mais lances de ataque e remates, mas o Benfica ampliou em cima da hora de jogo. Mathieu quis sair com a bola controlada, Rafa roubou-lhe a bola e serviu Pizzi que, na grande área, só teve de encostar para o 2-0. Um golo ao nono remate “encarnado”, quinto enquadrado (4-2 na segunda parte).
  • O Benfica estava a viver o seu melhor momento e, aos 64 minutos, chegou ao 3-0, por Álex Grimaldo, ao converter de forma superior um livre directo. O Sporting via-se perante uma desvantagem complicada e a dar mostras de desorientação.

  • Excelente segunda parte do Benfica que, aos 70 minutos, registava 51% de posse de bola, seis remates, quatro deles enquadrados desde o intervalo. Por volta dos 80, os sete jogadores com melhor rating eram benfiquistas, com o melhor “leão”, Thierry Correia, a não passar dos 5.5.
  • Até final, mais uma contrariedade para o Sporting, com Doumbia a ver o segundo cartão amarelo aos 89 minutos, por falta sobre o irrequieto Rafa. E logo a seguir o 5-0. Seferovic desperdiçou a sua quarta ocasião flagrante, mas a bola sobrou para o recém-entrado Chiquinho que, em esforço, atirou a contar.

  • Uma goleada das antigas, num jogo em que o Sporting até criou bons lances de futebol, mas não resistiu a um ataque avassalador do Benfica, em especial no segundo tempo, como mostram os 11 remates enquadrados (oito na segunda parte) em 19 tentativas.

O melhor em campo GoalPoint👑

Vários jogadores do Benfica poderiam ter levado para casa a distinção de melhor em campo, em especial dois, Rafa Silva e Pizzi, mas foi este último a registar o melhor GoalPoint Rating, um relevante 7.9. O médio foi extremamente influente em todo o futebol “encarnado”, mas foi na frente que brilhou. Em três remates marcou dois golos (em dois disparos enquadrados) e ainda fez uma assistência, para além de ter completado duas de três tentativas de drible. A sua nota final foi afectada por uma ocasião flagrante desperdiçada.

Jogadores em foco 🔺🔻

  • Rafa Silva 7.8 – Jogo de grande qualidade de Rafa. O extremo fez o 1-0 numa altura em que era o Sporting a equipa mais perigosa. E acabou por registar números de uma eficácia à prova de crítica: um golo no único remate que realizou, quatro ocasiões flagrantes em quatro passes para finalização, duas assistências e ainda sete recuperações de posse.
  • Raúl de Tomás 7.4 – O espanhol não marcou, mas mostrou pormenores de classe. Em dois passes para finalização criou duas ocasiões flagrantes, completou quatro dribles em cinco tentativas e ganhou ainda dois de três duelos aéreos ofensivos. Faltou-lhe remate (apenas dois, um enquadrado).
  • Álex Grimaldo 7.2 – O lateral espanhol deixou a sua marca na partida a defender e a atacar. De livre directo fez um belo golo, num de dois remates que fez (ambos enquadrados), criou uma ocasião flagrante e, na retaguarda, recuperou nove vezes a posse de bola e somou 11 acções defensivas, cinco delas desarmes.
  • Vlachodimos 7.2 – O Sporting esteve muito perto de marcar na primeira parte, por diversas vezes, e nessa altura foi o guarda-redes grego a segurar o nulo até aos 40 minutos. No final os registos mostram sete defesas, dois deles a remates na sua área, um a um disparo ao ângulo.
  • Bruno Fernandes 5.9 – O melhor do Sporting foi o suspeito do costume, embora desta feita não tenha conseguido resolver para o seu lado. Ainda assim terminou como o mais rematador, com nove disparos, cinco deles enquadrados (o Sporting acertou seis vezes com a baliza), e ainda fez quatro passes para finalização.
  • Marcos Acuña 5.5 – O argentino fez toda a ala esquerda do Sporting, que se apresentou com três centrais. Com somente quatro desarmes para mostrar em termos de serviço defensivo, Acuña registou dois remates (desenquadrados), três passes para finalização e fez seis cruzamentos (um eficaz).