O Benfica é de novo líder isolado da Liga NOS, graças ao triunfo tranquilo no Estádio da Luz sobre o “lanterna-vermelha” Tondela, por 4-1. A formação da casa nem precisou de carregar muito no acelerador e chegou mesmo aos 2-0 sem que os números expressassem uma superioridade avassaladora sobre o seu adversário – 5-3 em remates, 2-1 enquadrados. Mas as estatísticas finais mostram que dificilmente poderia haver outro vencedor nesta partida, em especial pelas facilidades da “águia” em entrar na grande área a adversária. Esteve aqui grande parte do sucesso e eficácia benfiquistas.

Liga NOS 2015/16 - Jornada 26 - Benfica vs Tondela
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Este é um dado claro no jogo. O Benfica, com as suas movimentações, conseguiu entrar com facilidade na grande área contrária, zona do terreno onde disferiu 12 dos 18 remates que registou na partida (11 deles no segundo tempo, apesar de ter regressado do intervalo algo adormecido). O Tondela, por seu turno, conseguiu apreciáveis nove disparos, mas apenas dois aconteceram de dentro da grande área “encarnada”. Não espanta, portanto, que o Benfica tenha acabado o jogo com oito remates enquadrados contra dois. A facilidade com que o líder da Liga entrou no último reduto visitante fica também patente nos poucos cruzamentos realizados, oito, em comparação com a média de 17 até esta partida. Uma jogada muitas vezes usada para ultrapassar defesas impermeáveis, o que não foi o caso.

Jonas sempre fiável

Com 28 golos na Liga, Jonas voltou ao comando da corrida pela Bota de Ouro, com mais um tento que Cristiano Ronaldo. O brasileiro marcou dois golos em outros tantos remates enquadrados (três no total) e ganhou metade dos dez duelos que disputou. Mostrou sempre entrega, bom posicionamento e uma técnica acima da média, coroada com uma eficácia elevada frente à baliza. Os 6.9 no GoalPoint Ratings destacam-no como o mais valioso jogador em campo, mas não foi o único a brilhar. Jardel, por exemplo, registou 6.7, graças a um jogo muito bem conseguido, no qual fez um golo, uma assistência e ainda um passe para ocasião, para além dos seis alívios.

Uma palavra ainda para Kostas Mitroglou, autor de um golo que lhe valeu 6.0. Porém, o destaque não é tanto pelo seu rating, mas sim por um recorde que igualou. Em seis remates, o grego enquadrou cinco, igualando o recorde da presente Liga que pertencia ao bracarense Rui Fonte, desde o Braga-Marítimo. Do lado do Tondela, o melhor foi Luís Alberto, apesar de apenas ter entrado em jogo aos 74 minutos. Tempo suficiente, no entanto, para somar 6.1, fruto de uma assistência, um passe para ocasião e quatro duelos ganhos em cinco.

Nota: Os GoalPoint Ratings resultam de um algoritmo proprietário desenvolvido pela GoalPoint que pondera exclusivamente o desempenho estatístico dos jogadores ao longo da partida, sem intervenção humana. Clique para saber mais.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: O JOGO COMO O VIMOS