TotoRating Banner

GoalPoint-Benfica-Zenit-Champions-League-201920-Ratings
Clique para ampliar

O Benfica garantiu o apuramento para a Liga Europa. A formação “encarnada” precisava de um enquadramento especial de resultados e tal acabou por acontecer. O Lyon empatou em casa com o Leipzig, enquanto a formação portuguesa derrotou o Zenit no Estádio da Luz por 3-0, terminando assim no terceiro lugar do Grupo G. Os golos, esses, só surgiram no segundo tempo, altura em que as “águias” conseguiram superiorizar-se completamente aos forasteiros. Franco Cervi abriu o activo, Pizzi ampliou de penálti e Sardar Azmoun fez autogolo. Os russos estão fora das provas europeias.

O jogo explicado em números 📊

  • O primeiro quarto-de-hora chegou com a notícia positiva para o Benfica de que o Leipzig ganhava em França ao Lyon. Mas na Luz o jogo estava repartido, com ligeiro ascendente das “águias” (52% de posse de bola) e os dois únicos remates, embora desenquadrados. Os homens da casa imprimiam alguma intensidade, mas trocavam a bola sem precipitações (84% de eficácia de passe).

  • À meia-hora o jogo entrara já numa toada mais morna, com o Benfica a tentar encontrar espaços que os russos não concediam. Ainda assim, os “encarnados” registavam nesta fase cinco remates (um enquadrado), todos realizados por jogadores diferentes, e não haviam permitido qualquer disparo aos visitantes.

  • Taarabt era um dos mais intervenientes na partida nesta altura, já com um drible eficaz, quatro recuperações de posse e outras tantas acções defensivas, que lhe iam valendo o melhor rating, ainda assim um modesto 5.7.
  • O Zenit aproximou-se mais da grande área benfiquista nos últimos minutos do primeiro tempo. Ao mesmo tempo que lidava com os muitos cruzamentos do Benfica à procura da cabeça de Vinícius, os forasteiros lançavam muitos contra-ataques, conduzidos na maioria das vezes por Artem Dzyuba, conseguindo importunar Vlachodimos por duas vezes.

  • Intervalo Jogo curto do Benfica para aquilo que precisava, que era marcar. Com o Leipzig a vencer por 2-0 em Lyon ao intervalo, aos “encarnados” bastava vencer, mas na primeira parte, apesar do domínio expresso em 57% de posse de bola, as ocasiões de golo escasseavam, com somente um remate enquadrado em cinco tentativas. As “águias” apostavam tudo nos cruzamentos (16 até ao descanso) para Vinícius, mas este não era o único jogador alto na grande área contrária e nenhum dos lances teve eficácia. O melhor em campo nesta fase era Adel Taarabt, com um GoalPoint Rating de 5.9, fruto de um drible eficaz e seis recuperações de posse.

  • O arranque da segunda parte começou da melhor maneira para o Benfica. Aos 47 minutos, Vinícius trabalhou bem, lançou Pizzi na direita e este cruzou rasteiro para conclusão fácil de Franco Cervi. No primeiro remate do segundo tempo, o marcador mexia e, nesta altura, os “encarnados” garantiam a Liga Europa.

  • Melhor ainda. Aos 56 minutos, penálti para o Benfica por mão de Douglas Santos na grande área. Castigo máximo e segundo amarelo para o brasileiro, que deixava assim o Zenit reduzido a dez elementos. Pizzi (58′) não vacilou da marca dos 11 metros e fez o seu 16º golo da época.
  • A hora de jogo chegou com tudo a favor das “águias”: vantagem de dois golos, vantagem no número de jogadores, Lyon a perder em casa, mas já com um golo marcado. Nesta fase os “encarnados” registavam 65% de posse de bola, quatro remates, três enquadrados no segundo tempo, bem como 91% de eficácia de passe.

  • O jogo parecia controlado pelos “encarnados”, já que o domínio era uma certeza. Aos 70 minutos os da casa registavam sete remates no segundo tempo, quatro enquadrados, e haviam permitido apenas uma acção com bola do Zenit na área de Vlachodimos. Pizzi era já o protagonista do encontro, com 7.0 nesta fase, fruto de um golo e uma assistência e muita inteligência nas decisões.
  • Aos 78 minutos, Sardar Azmoun obrigou Vlachodimos a defesa espectacular, naquele que foi o primeiro remate russo no segundo tempo e primeiro enquadrado. Mas o golo de Azmoun acabaria mesmo por surgir, só que na outra baliza. Aos 79 minutos, Grimaldo cobrou um canto da esquerda e o iraniano fez autogolo.

  • Entretanto o Lyon empatou, deixando o Zenit em risco de afastamento das provas europeias, mas também o Benfica, caso sofresse golo nesta partida, lançando minutos finais tensos. Porém, a superioridade “encarnada” era total e os russos não conseguiram sequer importunar a baliza da formação lusa até final.

O melhor em campo GoalPoint👑

O médio está em grande forma. Acusado de não render na Liga dos Campeões como o faz nas provas nacionais, o benfiquista respondeu com golos e assistências, e terminou esta fase de grupos com uma exibição de grande nível. Para além do golo que marcou de penálti, Pizzi fez uma assistência, criou duas ocasiões flagrantes em quatro passes para finalização, acertou 71 de 78 passes e somou 99 acções com bola, atingindo um GoalPoint Rating de 7.9.

Jogadores em foco 🔺🔻

  • Álex Grimaldo 7.0 – A Champions é um palco onde o espanhol se sente bem e voltou a demonstrá-lo esta terça-feira. Para além de dois remates, ambos enquadrados, o lateral fez dois passes para finalização, cruzou sete vezes (sem eficácia), registou 93% de eficácia de passe e sete recuperações de posse. Saiu dos seus pés o canto que acabou no autogolo de Azmoun.
  • Adel Taarabt 6.9 – Já na primeira parte estava a mostrar ser um dos melhores e cimentou essa ideia no segundo tempo. O marroquino esteve bem no transporte de jogo para o ataque e terminou com 85% de eficácia de passe, 107 acções com bola (máximo do encontro), dois dribles eficazes (ambos no último terço) e nove recuperações. Mostrou detalhes de classe.
  • Ferro 6.9 – Perante algumas das “torres” do Zenit, o central benfiquista esteve muito bem, tendo ganho quatro dos sete duelos aéreos defensivos em que participou. E ainda somou 12 acções defensivas, com destaque para cinco desarmes.
  • Gabriel 6.8 – Desta feita, as variações de flanco e os passes longos do brasileiro surtiram efeito, tendo tido sucesso em 11 dos 16 que tentou, e ainda somou 12 passes progressivos eficazes. No ataque fez um passe para finalização.
  • Franco Cervi 5.5 – Bom jogo do argentino, coroado com um golo, o primeiro da partida. Porém, num dos diversos lances de ataque em que participou, desperdiçou uma ocasião flagrante, facto que lhe prejudica a nota final.
  • Mikhail Kerzhakov 5.8 – O guarda-redes foi o melhor elemento do Zenit na partida. Com muito trabalho, em especial no segundo tempo – altura em que o Benfica rematou 11 vezes, cinco delas enquadradas -, Kerzhakov fez quatro defesas, uma a remate na sua grande área e uma a disparo a um dos ângulos superiores da baliza.