A Liga NOS está a meio. À oitava jornada do campeonato, publicámos o último barómetro da competição, onde medimos o pulso a todas as equipas em prova, incluindo os altos e baixos estatísticos de cada formação, tendo em conta cinco variáveis fundamentais. Na altura detectámos já um FC Porto pragmático no momento de atacar, com processos simples até chegar aos momentos de finalização, mas também muito forte na retaguarda.

Ao mesmo tempo, o Sporting demonstrava uma eficácia de concretização muito elevada, enquanto o Benfica, a atravessar, talvez, o seu pior período da temporada, revelava alguns números preocupantes, em especial no aproveitamento das ocasiões flagrantes criadas – variável na qual outros emblemas apresentavam uma eficácia surpreendente.

Nove jornadas passaram e os comandados de Sérgio Conceição lideram o campeonato. Pouco mudou no topo da classificação, mas assistiram-se a variações de desempenho que importa agora analisar, não só dos “três grandes”, como de todas as equipas em prova. Acompanhe-nos na “radiografia” mais aprofundada que pode encontrar à Liga NOS 2017/18.

Quanto chutam até marcar um golo?

GoalPoint-Barometro-Liga-NOS-Jornada-17-remates-por-golo-marcado-infog
Clique para ampliar

A ordem com que apresentamos os clubes nestas infografias obedece à ordem da classificação da Liga. E ao olharmos para o gráfico sobre o número médio de remates que as equipas realizaram nestas 17 jornadas por cada golo que conseguem obter, percebemos a importância que esta variável assume. A eficácia dos remates tem um peso grande na classificação, como se nota pela tendência do gráfico – as equipas melhor classificadas precisam de menos disparos para fazerem abanar as redes.

  • Facto também relevante é a melhoria significativa do Benfica, que à oitava jornada necessitava de 9,1 remates por cada golo e, agora, reduziu drasticamente para 7,1, melhor ainda que os 7,4 que o Porto apresentada no último barómetro.
  • Quanto aos restantes emblemas, há duas realidades bem distintas. Se, por um lado, é de realçar os 7,0 remates por golo do Sporting de Braga (melhor que as “águias”), que ajudam a explicar a boa temporada dos minhotos, no outro extremo constatamos um dos problemas do último classificado da Liga, o Estoril Praia, que para abanar as redes precisa de rematar 17,5 vezes.

Na próxima página, que equipas criam e aproveitam melhor as ocasiões flagrantes