O Sporting CP não aproveitou o deslize do FC Porto na sexta-feira e também empatou, 0-0 na visita ao Boavista FC. Os “leões” foram donos e senhores do jogo em termos territoriais, mas faltou-lhes ideias e clarividência no ataque para desmontar a estratégia contrária. O SL Benfica ganhou e está a dois pontos e distância.

Liga NOS 2015/16: Boavista vs Sporting, Jornada 6 - Onzes
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Jorge Jesus promoveu duas alterações à equipa leonina para a visita ao Bessa. João Pereira assumiu a lateral-direita, enquanto na frente, o momento de menor brilho de Teo Gutiérrez abriu caminho a Fredy Montero (tal como previmos e explicámos), que fez dupla com Islam Slimani. De resto, a mesma ideia de jogo.

O Sporting dominou, teve muita posse, perante um 4x4x2 do Boavista bem vincado, mas muito recuado, a dar a iniciativa aos visitantes. Os espaços para jogar nunca foram muitos, nem mesmo nas alas, onde se desenrolou a maior parte do futebol da noite no Porto. O Sporting, porém, voltou a mostrar alguma falta de ideias no último terço do campo, e não fosse Slimani e as oportunidades seriam, certamente, mais escassas.

ATAQUE SEM IDEIAS

A formação leonina foi dona e senhora do jogo nos primeiros 45 minutos, com quase 77% de posse de bola, 12 cruzamentos de bola corrida (o Benfica fez 13 em 90 minutos, na outra partida deste sábado) e cinco remates. Contudo, o “leão” apenas conseguiu enquadrar um dos seus disparos e o Boavista precisou de muito menos para atirar à baliza de Rui Patrício o mesmo número de vezes (embora todas para fora).

Liga NOS 2015/16: Boavista vs Sporting, Jornada 6 - 1 Parte
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Os comandados de Petit deram literalmente o jogo ao Sporting na primeira metade e os sofríveis 47,5% de passes certos explicam em parte por que motivo os boavisteiros nunca conseguiram ter muito tempo a propriedade do esférico. A qualidade na entrega não foi boa, tal como não foi do lado leonino no último terço do terreno, onde a equipa voltou a mostrar falta de ideias e onde o último passe nunca saiu em condições. Salvou-se nesta zona do terreno a combatividade de Slimani, que acertou a totalidade das 12 entregas, ainda rematou duas vezes (uma enquadrada) e viu um golo anulado. No “miolo”, destacou-se João Mário, com 94% de passes certos dos 33 que realizou antes do intervalo, e ainda duas entregas para ocasião.

>> NA PRÓXIMA PÁGINA: UM MURO AXADREZADO