[vc_tta_tabs][vc_tta_section i_icon_fontawesome=”fa fa-line-chart” add_icon=”true” title=”Ratings” tab_id=”1465571624475-01e55dfc-58e2″]
BET-PT-Braga-Porto-Portuguese-Cup-201819-Ratings
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][vc_tta_section i_position=”right” i_icon_fontawesome=”fa fa-trophy” add_icon=”true” title=”MVP” tab_id=”1465571693503-4a0f9bf6-e654″]
BET-PT-Braga-Porto-Portuguese-Cup-201819-MVP
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][vc_tta_section i_icon_fontawesome=”fa fa-futbol-o” add_icon=”true” title=”Stats” tab_id=”1465571672809-6f7d6717-7b04″]
BET-PT-Braga-Porto-Portuguese-Cup-90m
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][vc_tta_section i_icon_fontawesome=”fa fa-play-circle-o” add_icon=”true” title=”Live” tab_id=”1554238100734-47affadd-dde9″]

Este jogo foi acompanhado em tempo real, via widgets GoalPoint.
Confere aqui como foi e fica atento ao Sporting-Benfica desta quarta-feira, que também terá tratamento especial!

[/vc_tta_section][/vc_tta_tabs]

O FC Porto é o primeiro finalista da Taça de Portugal 2018/19. Na segunda-mão das meias-finais, e após um triunfo claro por 3-0 na primeira mão, no Estádio do Dragão, os “azuis-e-brancos” tiveram de lidar com a pressão do Sporting de Braga que, perante o seu público, chegou a estar em vantagem e criou situações para marcar mais golos. Porém, e apesar de os “dragões” pouco terem atacado no segundo tempo, foi precisamente nesta fase do jogo que empataram a partida, terminando o encontro com uma igualdade 1-1 e com 4-1 no conjunto das duas mãos. Esta quarta-feira, Sporting e Benfica decidem qual o outro finalista, num jogo que terá acompanhamento que só o GoalPoint lhe dá.

Resumo💻

O Jogo explicado em Números 📊

  • Arranque prometedor do Braga, que esteve perto de marcar logo aos três minutos, através de um remate de Wilson Eduardo na grande área que ainda raspou a barra da baliza portista. A pressão dos homens da casa era grande e Felipe fez autogolo aos 14 minutos, mas o lance foi invalidado por fora-de-jogo de Ricardo Horta.
  • O primeiro quarto-de-hora da partida mostrava uma formação minhota a dominar ligeiramente em termos de posse de bola (54%) e com superioridade no passe – 71% de eficácia contra pobres 58% dos “dragões” -, mas o Porto conseguia ter mais um remate (3), com ambos os ataques a registarem um enquadrado.

  • A meia-hora chegou com um jogo mais equilibrado e os portistas a controlarem as operações. Nesta fase, Jesús Corona destacava-se já com três passes para finalização, ou seja, o mexicano criara todas as situações de remate dos visitantes até esta fase.

  • Contudo, nos últimos cinco minutos do primeiro tempo, o Braga voltou a agarrar no jogo, com lances em profundidade pelos flancos a causarem calafrios à defesa portista, e aos 41 minutos, o golo surgiu mesmo. Paulinho fugiu pela esquerda, sem marcação, e à saída de Fabiano, colocou a bola por cima do guardião brasileiro. Um golo ao sétimo remate “arsenalista”, segundo enquadrado.
  • Intervalo Vantagem minhota na primeira parte, reflexo de uma superioridade que a espaços foi clara, apesar de os “dragões” terem controlado as operações durante grande parte do tempo. Ainda assim, os homens da casa marcaram, por Paulinho, e foram superiores estatisticamente em quase todos os principais momentos do encontro, com especial destaque para os remates. O melhor ao intervalo era o lateral-direito bracarense, Marcelo Goiano, com um GoalPoint Rating de 6.0, ele que somou quatro desarmes e dois bloqueios de passe, sendo o principal travão ao ataque visitante.

  • O Braga voltou a entrar bem e Maxi Pereira negou a Murilo Souza o 2-0, num corte providencial quando Fabiano já não se encontrava na baliza. Aliás, no primeiro quarto-de-hora da etapa complementar apenas os minhotos remataram, e por cinco vezes, três delas de forma enquadrada, enquanto os “azuis-e-brancos” não registavam qualquer acção com bola na área de Marafona. Adivinhava-se o segundo tento dos homens da casa.

  • Apesar do equilíbrio quase total em termos de posse de bola, só o Braga conseguia atacar, chegando o jogo aos 70 minutos sem qualquer remate do Porto no segundo tempo. O trabalho de João Palhinha estava a ser fundamental para esse facto, com o médio-defensivo a registar um rating de 6.9, fruto de oito duelos aéreos ganhos em… oito, nove recuperações de posse e três desarmes. E ainda três remates, dois enquadrados.

  • Só que, aos 74 minutos, o Porto decidiu a eliminatória. Canto da esquerda apontado por Corona e Danilo Pereira, mais alto que todos, cabeceou para o empate, ao primeiro remate portista no segundo tempo.
  • O Braga sentiu que pouco ou nada havia a fazer quanto ao apuramento, pelo que o jogo arrastou-se até final, embora os homens da casa tenham continuado a atacar. Porém, sem a clarividência e a motivação anteriores.

O Homem do Jogo 👑

O FC Porto fez um remate apenas na segunda parte, apesar de ter tentado sempre chegar perto da baliza bracarense. A organização defensiva dos homens da casa estava a funcionar em pleno, com destaque para um dos elementos mais recuados do meio-campo. João Palhinha foi o MVP desta segunda-mão, com um GoalPoint Rating de 6.9. O jogador, emprestado pelo Sporting, foi o mais rematador deste embate, com quatro disparos, dois deles enquadrados, mas foi a destruir o jogo contrário que esteve em destaque, com oito duelos aéreos defensivos ganhos em nove, 13 recuperações de posse e quatro desarmes. E ainda mostrou destreza no drible, com dois completos em quatro tentativas.

Jogadores em foco 🔺🔻 

  • Danilo Pereira 6.3 – O médio-defensivo contrário foi também ele o melhor da sua equipa. Danilo fez o golo que fechou em definitivo as contas da eliminatória, no único remate que fez, recuperou seis vezes a posse de bola e somou quatro acções defensivas, uma delas um corte decisivo.
  • Nuno Sequeira 6.3 – Tal como tinha feito no embate anterior entre as duas equipas para o campeonato, o lateral-esquerdo voltou a estar em bom plano. Esta terça-feira arrancou quatro cruzamentos (nenhum eficaz), e na retaguarda atingiu o máximo de desarmes e intercepções no jogo (cinco cada).
  • Wilson Eduardo 6.2 – A cair muito ao lado direito do ataque, Wilson acertou na barra logo aos três minutos, deixando os “dragões” em sentido. O atacante foi sempre dos mais perigosos, com um registo final de três remates – embora nenhum enquadrado -, quatro passes para finalização e cinco cruzamentos.
  • Paulinho 6.1 – Com Dyego Sousa no banco, Paulinho foi o ponta-de-lança de serviço e não deslustrou. Para além do golo que marcou – num belo toque na bola a colocá-la por cima de Fabiano -, o avançado português fez três passes para finalização, todos de bola corrida.
  • Fabiano 5.9 – O guarda-redes brasileiro demorou a tranquilizar-se na baliza, mas acabou por ser fundamental para o empate. Ao todo registou quatro defesas, algumas de grau elevado de dificuldade, três a remates na sua grande área.