O SC Braga garantiu a passagem aos quartos-de-final da Taça de Portugal, ao vencer o Sporting CP por 4-3, num jogo épico resolvido apenas no prolongamento – na reedição da final da época passada. Emoção, futebol de ataque, intensidade, alternâncias constantes no marcador foram a marca de um dos melhores jogos dos últimos anos disputados nas provas internas em Portugal. No final foi mais forte a equipa que, aparentemente, terminou em melhores condições físicas, mas o resultado poderia ter caído para qualquer um dos lados.

Entrada de “leão”, reacção “guerreira”

O jogo começou em bom ritmo, repartido, com ligeira ascendente leonino, assente num 4-2-3-1 sólido perante um 4-4-2 ambicioso da equipa de Paulo Fonseca. A intensidade era palavra de ordem dos dois lados. Bryan Ruiz, logo aos dez minutos, rematou em zona frontal para o 1-0, um golo que empurrou o Braga para uma reacção quase obrigatória, antes que o jogo lhe fugisse das mãos. Os minhotos eram rápidos nas transições e aproveitaram bem a velocidade do ex-“leão” Wilson Eduardo para empatarem, aos 42 minutos, numa altura em que o Sporting já tinha mais bola (terminou a primeira parte com 57% de posse). Ao intervalo os lisboetas tinham quatro remates, três enquadrados com a baliza, contra os cinco disparos minhotos e três no alvo. Assim não espanta a igualdade ao intervalo.

Taça de Portugal 2015/16 - Braga vs Sporting
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Competência no remate

No segundo tempo o Sporting continuou a ter mais bola – terminou os 90 minutos regulamentares com 55% e a ser certeiro no remate, pois dos oito conseguidos, sete tiveram boa direcção. Mas Matheus, que terminou com quatro defesas, foi fundamental para travar os intentos leoninos. Aos 54 minutos, Alan colocou o Braga na frente, com um remate à entrada da área, e logo a seguir Slimani cabeceou para o 2-2. William Carvalho, aos 67 minutos, rematou em jeito e de longe para o 3-2 leonino, mas aos 83, Marcelo Goiano coroou uma excelente exibição com o 3-3, na sequência de um remate potente.

Taça de Portugal 2015/16 - Braga vs Sporting
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Vai ou racha premeia “guerreiros”

O prolongamento chegou, com menos clarividência, futebol partido, mas ainda intensidade e luta, e Rui Fonte (111′), acabado de entrar, fez de cabeça o 4-3 a centro de Baiano da direita. Estava fixado o marcador num jogo verdadeiramente louco, empolgante que terá deixado todos satisfeitos, incluindo o Sporting, detentor da Taça, mas que fica pelo caminho num jogo para recordar.

Certamente que a competência das duas equipas no ataque ajudou a este resultado: Braga 12 remates, oito enquadrados; Sporting 10 disparos, 7 no alvo. Esclarecedor.

Taça de Portugal 2015/16 - Braga vs Sporting
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Goiano, um lateral moderno

Slimani voltou a estar em destaque, pelo golo que marcou, pelo que fez jogar a equipa leonina. Adrien Silva foi o pulmão, a classe, a criatividade e inteligência no “miolo” do Sporting. Bryan Ruiz voltou a mostrar veia goleadora e pormenores de nível, em especial quando descaído para o centro do terreno. No Braga, Rafa Silva fez a assistência para o 1-1 e para o 3-3, golos fundamentais na partida, e Matheus realizou quatro defesas importantes. Mas um nome ecoou mais alto na Pedreira. Marcelo Giano, defesa-esquerdo brasileiro, defendeu, atacou, serviu Alan para o 2-1 e marcou um golo estupendo, o 3-3, que levou o jogo para o decisivo prolongamento. Foi o jogador mais influente no jogo, o melhor em campo para o GoalPoint.

Nota: Nesta partida não apresentamos GoalPoint Ratings e dados individuais pela competição não ser coberta com o mesmo grau de profundidade pela Opta. Os GoalPoint Ratings regressam já na próxima jornada da Liga, bem como futuramente nas competições europeias e internacionais.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: O JOGO COMO O VIMOS