[vc_tta_tabs][vc_tta_section i_icon_fontawesome=”fa fa-line-chart” add_icon=”true” title=”Ratings” tab_id=”1465571624475-01e55dfc-58e2″]
GoalPoint-Brazil-Panama-Internationals-201819-Ratings
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][vc_tta_section i_position=”right” i_icon_fontawesome=”fa fa-trophy” add_icon=”true” title=”MVP” tab_id=”1465571693503-4a0f9bf6-e654″]
GoalPoint-Brazil-Panama-Internationals-201819-MVP
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][vc_tta_section i_icon_fontawesome=”fa fa-futbol-o” add_icon=”true” title=”Stats” tab_id=”1465571672809-6f7d6717-7b04″]
GoalPoint-Brazil-Panama-Internationals-201819-90m
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][/vc_tta_tabs]

O Brasil defrontou o Panamá no Estádio do Dragão, no Porto, e não foi além de um empate 1-1. Um resultado histórico para os panamianos, que nunca tinham marcado um golo sequer à “canarinha”, mas que desta feita conseguiram mesmo um empate, apesar da clara superioridade brasileira. O “escrete” marcou primeiro, mas deixou-se empatar, denotando problemas no momento da finalização.

A primeira metade foi completamente dominada pelo Brasil, ao ponto de registar perto de 85% de posse de bola a dado momento. A superioridade foi quase total, também em remates, eficácia de passe e duelos, mas o que conta mesmo, a eficácia nos momentos da finalização, não esteve de mãos dadas com a “canarinha”. Ao todo, o Brasil fez seis remates, mas só enquadrou um, tantos quanto o Panamá em quatro disparos.

Lucas Paquetá abriu o activo aos 32 minutos, ao concluir de primeira, ao segundo poste, um cruzamento de Casemiro da direita. Parecia que este seria apenas o primeiro passo para um triunfo fácil para o Brasil, mas na sequência de um livre a meio-campo, aos 36 minutos, Adolfo Machado antecipou-se à defesa brasileira e cabeceou para o empate.

Na segunda parte a superioridade brasileira intensificou-se, com muitas jogadas de ataque a empurrar o Panamá para a sua grande área. Richarlison era dos mais perigosos, mas foi Casemiro a estar perto do golo, aos 70 minutos, com um cabeceamento que foi à barra. As dificuldades da “canarinha” mantinham-se, com muitos remates, posse de bola, uma ligeira melhoria na eficácia de disparo, mas sem capacidade de concretização, perante uma defesa do Panamá muito fechada.

Esta não foi uma estreia feliz para Alex Telles, no primeiro jogo que fez pela selecção brasileira. Mas só pelo resultado. O jogador do FC Porto estreou-se precisamente no estádio do seu clube e fê-lo de forma bem positiva. O lateral-esquerdo registou o quarto melhor rating da noite, um 6.5, com alguns números muito interessantes, com destaque para três passes para finalização, três cruzamentos eficazes em sete, 92% passes certos e três duelos aéreos defensivos ganhos em cinco. O colega portista, Éder Militão, esteve mais discreto, destacando-se apenas na precisão de passe.

O melhor em campo foi mesmo Casemiro, que regressou a um estádio que bem conhece. O antigo jogador do Porto fez a assistência para o golo de Paquetá, num total de dois passes para finalização, ganhou impressionantes 12 duelos aéreos defensivos em 16 e recuperou nove vezes a posse de bola, registando um GoalPoint Rating de 6.6.