Brasil 🆚 Suíça | “Canarinha” acorda tarde demais 😴

-

[vc_tta_tabs][vc_tta_section i_icon_fontawesome=”fa fa-line-chart” add_icon=”true” title=”Ratings” tab_id=”1465571624475-01e55dfc-58e2″]
GoalPoint-Brazil-Suíça-WC2018-Ratings
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][vc_tta_section i_position=”right” i_icon_fontawesome=”fa fa-trophy” add_icon=”true” title=”MVP” tab_id=”1465571693503-4a0f9bf6-e654″]
GoalPoint-Brazil-Suíça-WC2018-MVP
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][vc_tta_section i_icon_fontawesome=”fa fa-futbol-o” add_icon=”true” title=”Stats” tab_id=”1465571672809-6f7d6717-7b04″]
GoalPoint-Brazil-Suíça-WC2018-90m
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][/vc_tta_tabs]

O Brasil entrou no Mundial 2018 com um empate que não estaria nos seus planos. No arranque do Grupo E, a “canarinha” não foi além de um 1-1 frente à Suíça, apesar de ter marcado primeiro e sido a melhor equipa na primeira parte. Porém, os brasileiros descansaram à sombra da vantagem e, quando sofreram a igualdade, já não tiveram poder de reacção para colocar intensidade no seu jogo, pelo que não conseguiram chegar à vitória. Neymar acordou tarde demais para deixar uma marca mais vincada no jogo.

O Jogo explicado em Números 📊

  • Jogo repartido em termos de posse de bola, apesar de o Brasil surgir sempre mais perigoso. A primeira grande situação de perigo surgiu aos 11 minutos, com Paulinho como protagonista. Nesta fase, a formação “canarinha” começava a assentar o seu jogo e já registava 58% de posse, 86% de eficácia de passe, mas apenas um remate. Curioso o facto de os dois primeiros disparos do encontro, por Dzemaili (3′) e Paulinho (11′) terem sido ocasiões flagrantes desperdiçadas.
  • A ameaça estava feita e acabou concretizada aos 20 minutos, no 1-0. A defesa da Suíça afastou mal uma bola, esta foi parar aos pés de Philippe Coutinho à entrada da área, descaído para a esquerda, e o jogador do Barcelona não foi de “modas”: um remate em arco, com a bola a fazer uma curva pronunciada, sem hipóteses para Yann Sommer.

  • Belíssimo jogo de Coutinho na primeira meia-hora. Por esta altura, o criativo tinha um golo em apenas um remate, 23 passes certos em… 23 e a única tentativa de drible completa. O Brasil, por seu turno, perdera um pouco de posse, mas não deixava os helvéticos aproximarem-se da baliza de Alisson e registava 88% de eficácia de passe.
  • Marcelo e Neymar eram dois dos jogadores mais chamados a intervir, pelo flanco esquerdo, somando, em conjunto, cerca de 80 acções com bola por volta dos 40 minutos. Isto porque cerca de 45% dos ataques da “canarinha” eram canalizadas pelo lado canhoto. Mas as coisas não estavam a correr bem à grande figura do “escrete”.

  • Intervalo Jogo morno em Rostov, que valeu sobretudo pelo espectacular golo de Coutinho. A partir desse momento, a formação brasileira como que deu um pouco da iniciativa aos suíços, tapando-lhes o caminho para a baliza de Alisson, na tentativa de lançar rápidos contra-ataques. Mas não resultou como pretendido. Ao descanso a posse de bola era repartida, e o Brasil tinha mais remates (5-2) e o único enquadrado, que deu em golo. Ambas as equipas registavam uma ocasião flagrante desperdiçada e boa eficácia de passe (88%-83%). O melhor no primeiro tempo foi o autor do golo, Coutinho, com um GoalPoint Rating de 6.8.

  • O Brasil descansou cedo demais à sombra da vantagem, pelo que acabou por permitir o empate à Suíça, logo no arranque do primeiro tempo, aos 50 minutos. Canto da direita apontado por Xherdan Shaqiri e Steven Zuber saltou mais alto que todos para cabecear com êxito para o 1-1. Um tento que surgiu ao quarto remate helvético, apenas o primeiro enquadrado.
  • Após este golo, o Brasil viu-se obrigado a voltar a pegar no jogo, registando 60% de posse nos primeiros 15 minutos do segundo tempo, para além de três remates, mas todos sem a melhor direcção. Estava difícil à “canarinha” entrar na área helvética.

  • Jogo discreto de Neymar até então. Por volta dos 70 minutos, o brasileiro registava dois remates, ambos desenquadrados, três passes para finalização e somente três dribles eficazes em oito tentativas, não passando de um rating de 5.8. E só “acordou” a partir daqui.
  • O craque foi melhorando ao longo do jogo, mas o Brasil continuava pouco intenso na construção ofensiva, sendo presa fácil para uma organizada equipa da Suíça. Os 62% de posse de bola da “canarinha” no segundo tempo, e os 16 remates que realizou, foram insuficientes para garantir uma entrada positiva para um dos favoritos à vitória final. É que rematar um total de 21 vezes e só enquadrar cinco, complica a vida para qualquer selecção.

O Homem do Jogo 👑

Ora aí está uma bela reviravolta. Escrevemos, ao longo do texto, que Neymar estava apagado, andando sempre com ratings abaixo dos 6.0. Porém, o jogador do PSG sentiu necessidade de começar a correr a partir dos 70 minutos, e mostrou alguns pormenores da sua melhor versão. Quatro remates, dois enquadrados, uma ocasião flagrante criada em quatro passes para finalização, cinco dribles eficazes em 11 tentativas e dez faltas sofridas garantiram a Neymar o título de melhor em campo, com um GoalPoint Rating de 7.7. Ainda assim, insuficiente para dar o triunfo à sua equipa.

Jogadores em foco 🔺🔻 

  • Philippe Coutinho 7.1 – O jogador do Barça liderou os ratings quase todo o jogo, sendo ultrapassado por Neymar já no fim. Coutinho marcou o único golo do Brasil, e que golo, nos quatro remates que realizou, e terminou com uma eficácia de passe de 90%.
  • Marcelo 6.5 – O lateral brasileiro mantém sempre um nível elevado. Apesar da má prestação colectiva, o jogador do Real Madrid foi o terceiro melhor em campo, graças aos três passes para finalização, às 15 recuperações de posse, três dribles e ao número máximo de acções com bola, 108.
  • Valon Behrami 6.1 – Uma autêntica “carraça”, que foi um pesadelo para Neymar. Apesar de ter saído com queixas, aos 67 minutos, foi, ainda assim, o melhor da Suíça, com 93% de eficácia de passe, 11 recuperações de posse e seis desarmes.
  • Xherdan Shaqiri 6.0 – O extremo é sempre um jogador irrequieto e voltou a estar em bom plano frente ao Brasil. No total realizou três passes para finalização, dos quais dois para ocasião flagrante, e foi sua a assistência para o empate helvético.
  • Miranda 5.9 – O Brasil nem teve muito trabalho defensivo, mas quando foi chamado a intervir, Miranda esteve sempre muito certo. O defesa-central do Inter ganhou dois de três duelos aéreos defensivos, recuperou sete vezes a posse de bola e realizou seis acções defensivas.

GPR-contest-World-Cup-2018-leaderboard-1

GoalPoint
GoalPoint
O GoalPoint.pt é um site produzido pela GoalPoint Partners, uma start-up especializada em análise estatística de futebol, que oferece serviços dirigidos a profissionais, media, patrocinadores/anunciantes e adeptos.