Bruno Fernandes, uma das figuras principais da Liga NOS desde a época passada, continua a dar cartas e a mostrar uma qualidade digna de registo (a nossa especialidade). Mesmo não estando o Sporting a viver uma das suas melhores temporadas no campeonato português, o médio mantém um desempenho global acima da média, sendo um jogador indiscutivelmente fundamental nos “leões”. Podemos afirmar que o internacional luso carregou muitas vezes a formação de Alvalade para a vitória, algo que se vislumbra nas exibições, mas também nos números que apresenta até agora.

Se, na época passada, Bas Dost foi o grande foco da produção ofensiva leonina, com 27 golos e duas assistências, equivalentes a 49% dos tentos do Sporting na Liga, desta feita o homem que mais tem sustentado as esperanças dos adeptos tem sido Bruno Fernandes.

[vc_table][c#ffffff;b;bg#000000]Bruno%20Fernandes,[c#ffffff;b;bg#000000;align-center]2017%2F18,[c#ffffff;b;bg#000000;align-center]2018%2F19*|Golos,[align-center]11,[align-center]11|Assist%C3%AAncias,[align-center;b]8,[align-center]7|Golos%20%2B%20Assists,[align-center;b]19,[align-center]18|Golos%20SCP,[align-center]63,[align-center]44|Peso%20ofensivo,[align-center]30%25,[align-center;b;bg#eeee00]41%25[/vc_table]

Fonte: GoalPoint/Opta
*Dados à 22ª jornada da Liga NOS 18/19

O médio soma, em 2018/19, 11 golos em 21 jogos na Liga, o mesmo número que na temporada passada, mais sete assistências, menos uma que em 2017/18, pelo está a apenas uma acção para golo de igualar os números conseguidos nas 33 partidas da época passada. Tal corresponde a uma influência ofensiva de 41% sobre todos os tentos que o “leão” marcou na Liga até ao momento, o que diz bem da boa forma que o jogador tem patenteado, apesar de algumas criticas iniciais que nós, em momento oportuno, tentámos validar.

Perante as várias mudanças de conjuntura no seio leonino, em especial no comando técnico, é mais do que natural que a missão de Bruno Fernandes em campo e os terrenos que pisa sejam algo diferentes. O médio tem ocupado, esta época zonas menos adiantadas do que na anterior, na qual se juntava bastante a Bas Dost no ataque. Esse facto poderia apontar para números de remate e finalização mais baixos mas não é esse o caso.

GoalPoint-Bruno-Fernandes-J22-Liga-NOS-18-19-infog
Clique para ampliar

De pontaria mais afinada

O primeiro dado que salta à vista – e que se reflecte no tal peso que o jogador tem nos golos sportinguistas – é a maior eficácia de Bruno no momento do remate. O comparativo de desempenho do jogador nas duas épocas em Alvalade, na infografia acima, mostra precisamente isso. Apesar de registar sensivelmente o mesmo número médio de remates de bola corrida, o médio enquadra mais os seus disparos e, naturalmente, converte-os em maior número (16%).

Este é um dado importante, que se confirma no total de remates incluindo as bolas paradas (2,9 em 17/18, 3,3 em 18/19). A variação no número de disparos dentro (1,0-1,1) e fora da área (1,6-1,8) em relação à época passada não é relevante, o que melhorou foi a pontaria do jogador, que enquadra agora 65% dos remates na área contrária (52% em 17/18) e coloca-os muito melhor (69%, contra 54% na temporada transacta) – o que complica sobremaneira a tarefa dos guarda-redes para travar as suas “bombas”.

Melhorar no passe

O detalhe em que Bruno Fernandes não apresenta melhorias é no capítulo do passe. Bruno Fernandes leva já sete assistências, é certo, regista 3,0 passes para finalização a cada 90 minutos e apresenta uma eficácia de cruzamento melhorada (21%-11%), mas no passe simples, o acerto mantém-se ao nível de 2017/18. Para além de realizar bem menos passes curtos para desmarcação (2,1-1,0, que se pode explicar pelo futebol menos apoiado dos “leões” em 2018/19, sobretudo na primeira metade da época), Bruno continua a não passar dos 76% de eficácia nas entregas, contra 75% da época anterior.

Os 88% de passes certos no seu próprio meio-campo são uma percentagem elevada, mas esta continua baixa no meio-campo contrário (70%) e no último terço (67%), mantendo uma cadência e competência semelhantes nas variações de flanco (0,6, com 77% de êxito), passes para a frente (57%), para os lados (80%) e para trás (94%). Sendo um médio de boa visão de jogo e técnica apurada, poderia ser de esperar outro acerto ao nível do passe, mas os elevados riscos que toma explicam os números menos extraordinários.

Menos trabalho defensivo

Curioso é o facto de, numa altura em que se fala  tanto nas exigências de Keizer para o momento de reacção à perda de bola, os números defensivos de Bruno Fernandes estarem mais baixos (4,7-3,9), sobretudo em zonas adiantadas. O português tem registos semelhantes de acções defensivas no primeiro terço do terreno (1,6-1,7) mas mais à frente só se nota maior capacidade de trabalho nas faltas que comete (1,0-2,1), mais do dobro em relação à temporada passada. Uma questão de abordagem, mais individual e menos posicional.

Também no um-para-um, mas desta feita ofensivo, se nota um decréscimo. Bruno Fernandes tenta esta época sensivelmente menos um drible a cada 90 minutos do que em 17/18, em linha com a média da equipa, que passou de 21,4 para 14,6 a cada jogo. Uma diferença significativa, que mostra um Sporting com menos “rasgo” individual e mais apostado em chegar à frente de forma apoiada.

Ainda assim, com o peso ofensivo que tem neste momento no Sporting, não será com surpresa que, no final da época, Bruno Fernandes seja considerado a grande figura do “leão” em 2018/19.

Leia também: Bruno Fernandes destacado na equipa da semana de FIFA 19