O Verão 2019 entreteu-nos com várias provas, desde o Mundial Sub-20 à Copa América, passando pela Gold Cup e pela CAN, realizada pela primeira vez durante a pré-temporada europeia.

Nesta última, o GoalPoint acompanhou todos os jogos, com estatística e GoalPoint Ratings de todos os jogadores, desde o apito inicial do primeiro jogo.

Com o alargamento para 24 equipas, várias foram as selecções que ao Egipto levaram jogadores ainda desconhecidos do grande público e, tal como em 2017, fizemos uma selecção de cinco nomes ainda bem jovens com condições para evoluir e serem mais valias no futebol europeu. Aqui ficam eles.

Jonathan Nahimana (Burundi 🇧🇮)
KMC FC (Tanzânia), 19 anos

O guarda-redes africano continua tendencialmente a ser olhado com desconfiança, mas a CAN 2019 ofereceu-nos excelentes exibições por parte dos guardiões, lançando alguns valores para a ribalta. O mais proeminente terá sido Jonathan Nahimana, que aos 19 anos já soma 20 internacionalizações entre os postes do Burundi, tendo feito a estreia aos 17.

Na CAN 2019, Jonathan mostrou toda a sua agilidade em algumas estiradas de arregalar o olho, e apesar de ainda poder melhor nas saídas da baliza, pelo menos mostrou-se destemido a controlar a profundidade. Destacou-se ainda pelo forte pontapé, com 5,3 passes por jogo direccionados ao último terço, com eficácia de 25%, algo que lhe valeu um passe para finalização.

Meschack Elia (RD Congo 🇨🇩)
TP Mazembe (RD Congo), 21 anos

A República Democrática do Congo terá sido talvez uma das desilusões da CAN, mas Meschack Elia foi um dos que se mostrou à altura do evento. Apesar de só ter sido titular num dos jogos, foi um autêntico “diabo à solta” nas três ocasiões em que foi chamado a entrar, com particular destaque no jogo dos oitavos-de-final, contra Madagáscar, em que assistiu num dos golos e fez mais cinco passes para finalização, para além de ter completado sete dribles em dez tentativas.

Dono de uma aceleração invejável, Meschack é daqueles jogadores que quando melhorar a tomada de decisão tem condições para criar imensos desequilíbrios dentro de qualquer realidade em que jogue, pois remata, passa, cruza e dribla com qualidade. Para já convenceu Vincent Kompany, que ao que tudo indica o vai levar para a sua primeira experiência como treinador, no Anderlecht.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: UM “DJURTU”