A fase de grupos da Liga dos Campeões terminou, com sortes bem diferentes para as duas equipas portuguesas em prova. O Benfica ficou pelo caminho, vergado ao poder de um Bayern que foi bem mais consistente na caminhada europeia do que tem sido internamente, mas sobretudo perante uma talentosa equipa do Ajax que ainda promete dar que falar nas próximas fases. Já o FC Porto teve uma fase de grupos histórica e quase irrepreensível. Após o empate da primeira jornada em Gelsenkirchen, arrancou para cinco vitórias consecutivas, registando 16 pontos, o máximo entre todas as equipas em prova. Muitos são os que afirmam que o grupo não era difícil (nenhum dos adversários ocupa o “top 4” da sua Liga neste momento), mas os “dragões” tornaram-no mais fácil. Como? Com uma eficácia quase “sobrenatural”.

Para o verificar recorremos aos expected goals (xG), uma variável estatística que nos dá a probabilidade de cada remate ser convertido em golo. Na realidade, o Porto marcou 15 golos na prova – o terceiro melhor registo atrás de Paris SG (17) e Manchester City (16) – mas no ranking de xG os “dragões” aparecem no 14º lugar, com 10,3 xG. Esta diferença positiva de 4,7 golos convertidos em relação ao esperado foi, de longe, a melhor entre todas as equipas em prova. Só o Barcelona, com +3,4 xG, se aproxima minimamente, muito por culpa de Messi, que marcou seis golos em apenas 2,2 xG.

GoalPoint-Expected-Goals-UCL-Group-Stage-201819-infog
Clique para ampliar

Se, por um lado, isto é motivo de regalo para os adeptos portistas, é também sinal de que nem tudo foi tão bom quanto pareceu, sobretudo se olharmos para a eficácia dos adversários. O Galatasaray, por exemplo, terminou a prova com uma diferença de -4,9, mas Lokomotiv Moscovo (-3,2) e Schalke (-2.8) aparecem entre as sete equipas com pior eficácia ofensiva da prova. O Porto termina a fase de grupos com 10,6 xG contra (os golos que deveria ter sofrido), o que dá uma diferença positiva de 4,6 em relação aos seis golos que efectivamente concedeu. Um registo de ineficácia dos adversários que só foi batido pelo Valência (seis golos sofridos em 11,3 xG contra).

Nada disto apaga o brilhantismo da campanha do FC Porto, claro, mas são motivos de alerta para o que aí vem. A equipa de Sérgio Conceição concedeu um volume de ocasiões bastante atípico para uma equipa que chega aos oitavos-de-final – só Lyon (10,9) e Valencia (11,3) tiveram mais – e vai ser difícil confiar em tanta incompetência ofensiva por parte dos adversários que aí vêm. A juntar a isso, já se viu que o Porto criou relativamente pouco, sobretudo se pensarmos que mais de 20% dos seus 10,3 xG a favor resultaram das três grandes penalidades de que beneficiou.

Muito se falou da eficácia de Marega, mas o principal responsável pela pontaria dos “dragões” foi um nome bem mais improvável: Jesús Corona. O mexicano marcou três golos nesta fase de grupos, resultantes de um volume de apenas 0,8 xG. Só três jogadores em toda a prova tiveram melhor diferença: Messi (+3,8), Kramaric (+2,6) e Dzeko (+2,5).

Quanto ao Benfica, não há muito a dizer. É difícil encontrar outra equipa que, tanto nos golos marcados como sofridos, esteja tão em linha com aquilo que criou e permitiu criar. Marcou seis golos resultantes de 6,4 xG, e sofreu 11 resultantes de 11,0 xG contra.

Outras curiosidades:

  • A Juventus foi a equipa mais ineficaz da fase de grupos, marcando apenas nove golos em 14,5 xG. Os principais responsáveis foram Sami Khedira (-1,3 xG) e Cristiano Ronaldo (-1,2 xG).
  • O Bayern terminou a fase de grupos com 14,7 xG a favor, o melhor registo entre as 32 equipas. Robert Lewandowski foi, simultaneamente, o melhor marcador (oito golos) e o jogador com mais xG (6,8).
  • Entre os apurados para os oitavos-de-final, o Atlético de Madrid foi de longe a equipa com menos xG (6,2), tendo sido mesmo o quinto pior registo da fase de grupos.
  • O melhor registo entre equipas eliminadas foi do Hoffenheim (11,2 xG), que nem sequer vai jogar a Liga Europa.
  • O jogador mais ineficaz foi, claramente, Sadio Mané. Com 4,7 xG, o senegalês só ficou atrás de Robert Lewandowski, mas marcou apenas um golo
  • O melhor registo num jogo foi do Paris SG (5,7 xG), contra o Estrela Vermelha. Curiosamente o pior foi de uma das equipas com melhor somatório, o Liverpool, mas que em Nápoles contabilizou apenas 0,1 xG.