Julen Lopetegui já era e a candidatura à sucessão está o rubro com palpites e desejos, mais e menos reais, a surgirem um pouco por todo o lado. Mas entre os principais candidatos à cadeira que, para alguns já foi de sonho, e para outros assim o seria, quem será o mais habilitado? Cá na GoalPoint também temos os nossos palpites, mas pusemos o melhor simulador de futebol do mundo a decidir por nós, o Football Manager 2016.

Na impossibilidade técnica de recriar o cenário a partir do momento actual, colocámos sete candidatos a começar a época 15/16 no FC Porto e fomos ver qual se sairia melhor. Os resultados podem surpreender os menos preparados…

Castro: A solução interna

Um dos cenários que tem sido aventado é a hipótese de Luís Castro assumir de novo o comando dos Dragões até final da época. Mas será que o homem que até lidera o nosso RTG teria “mãozinhas” para assumir o cargo desde o início da época? Num 4-3-3 semelhante ao de Lopetegui, Luís Castro não teve que se socorrer de reforços, e dada a sua tendência para lançar jovens, surpreendeu com uma aposta segura em Sérgio Oliveira para o meio-campo.

André André foi adaptado a médio-defensivo, e acabou eleito como jogador do ano na Liga NOS. No final das contas o balanço não foi mau de todo: segundo classificado com 86 pontos, uma pontuação que em muitas épocas daria para ser campeão, e a vitória na Taça de Portugal frente ao Estoril, após grandes penalidades. A falta de experiência europeia foi mesmo o calcanhar de Aquiles, e Luís Castro ficou em último lugar no seu grupo da Champions League, não se apurando sequer para a Liga Europa.

Mourinho & AVL: Nunca regresses onde já foste feliz

Os próximos a ir a teste foram provavelmente aqueles que nenhum portista enjeitaria: André Villas-Boas e José Mourinho. O actual técnico do Zenit começou a época muito contente por voltar a casa, mas não conseguiu repetir as conquistas de 10/11. Num 4-2-3-1 com Danilo e Imbula no meio, sofreram André André e Herrera que praticamente não jogaram ao longo da época, e o destaque foi para a aposta recorrente em Silvestre Varela, jogador que tão bem conhece. Na “hora H” o título escapou por 1 ponto, numa época louca em que o Sporting perdeu o título na última jornada para o Benfica (Ai Jasus…), mas os 80 pontos conseguidos foram o mínimo entre os sete treinadores a teste.

Quem deve treinar o Porto segundo o ... Football Manager
Impróprio para cardíacos

Na Liga dos Campeões o FCP chegou aos quartos-de-final, sendo eliminado pelo Bayern apenas pela regra dos golos fora, e a Taça de Portugal contra o Sporting foi a única conquista de AVB, graças a um golo de Alberto Bueno no prolongamento.

O espanto maior foi mesmo com José Mourinho. O special one não conquistou nenhum troféu, e terminou o campeonato em segundo, a seis pontos do campeão Sporting. A isso não terá sido alheia a instabilidade na defesa. Mourinho nunca atinou com a dupla de centrais, e teve que ir ao Brasil buscar Manoel ao Cruzeiro de Belo Horizonte, mas o maior problema esteve na baliza, com Casillas a ser o pior entre os titulares, algo que não terá sido certamente por acaso… A final da Taça perdida, igualmente para Jesus, e a eliminação nos Oitavos da Champions frente ao Borussia M’Gladbach também não caíram bem, e Mourinho acabou a época a ser muito contestado pelos adeptos.

Marco e Leonardo: Os “clausulados” de Bruno

Há quem diga que são missão impossível devido às supostas cláusulas que ligam o seu regresso a Portugal a uma compensação ao Sporting, mas decidimos ignorar o “clausulado” e testámos também Leonardo Jardim e Marco Silva. Os resultados em ambos os casos foram bons, ao ponto de justificarem uma ida a tribunal. Ambos foram campeões nacionais, apesar de Marco Silva o ter conseguido com mais pontos e maior avanço sobre o segundo. O jovem técnico até falhou nas duas principais contratações que fez (Lautaro Acosta e Schennikov), mas com o que tinha em casa levou a água ao seu moinho num 4-2-3-1 com Bueno no apoio a Aboubakar, e com Martins Indi num regresso bem sucedido à posição de lateral-esquerdo. Na Champions a besta negra foi o Arsenal e o maior choque foi ter caído na Taça contra o Paços de Ferreira.

Leonardo Jardim atacou muito bem o mercado percebendo desde cedo as necessidades da equipa, e trouxe do Ajax o defesa-central Veltman por 6 milhões de euros. O internacional holandês depressa agarrou a titularidade e foi o patrão de um sector a que Jardim dá muita importância, acabando a época a valer mais do dobro do que tinha custado.

Quem deve treinar o Porto segundo o ... Football Manager
Jardim foi buscar à Holanda o patrão da sua defesa

O madeirense trouxe ainda o ex-benfiquista Rodrigo Mora que foi um suplente muito útil, mas o grande destaque foi para a utilização de Dani Osvaldo no apoio a Aboubakar, uma pareceria que rendeu um total de 44 golos ao longo da época.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: APOSTA NOS DESEMPREGADOS?