Rio Ave 🆚 Benfica: Arcos no caminho da decisão

A caminhada do Benfica nesta segunda volta tem sido quase imaculada, mas desta feita as “águias” terão um obstáculo complicado pela frente, numa deslocação tradicionalmente difícil. A equipa de Bruno Lage tem alternado o brilhantismo com momentos de apagamento, tendo confiado na capacidade de reacção dos seus jogadores para ir somando pontos e goleadas.

GoalPoint-Preview-Jornada33-Rio-Ave-Benfica-LIGA-NOS-201819-1-infog
Clique para ampliar

Em termos estatísticos não há muito que equipare as duas equipas, quando falamos dos principais momentos do jogo. O Benfica marca muitos mais golos (já leva 96 na Liga),  faz muitos mais remates, coloca mais do dobro das bolas na área adversária, soma mais cantos, tem mais posse de bola e permite bem menos remates aos seus adversários.

Olhando para a estatística pura, e em especial para os expected goals conseguidos e concedidos por ambos os conjuntos, é de antever uma noite complicada para os vila-condenses. Mas o futebol é tudo menos previsível, pelo que emoção e oportunidades para as suas equipas são esperadas no Estádio dos Arcos.

Factos e curiosidades

  • O Rio Ave procura a primeira vitória frente ao Benfica na Liga desde Março de 2015 (2-1), não tendo conseguido ganhar nenhum dos últimos sete encontros ante as “águias” na prova – um empate e seis derrotas.
  • O Benfica sofreu apenas uma derrota nos últimos 23 encontros frente ao Rio Ave na competição, com 11 triunfos nos últimos 13 embates – um empate e um desaire pelo meio.
  • A última vez que o Rio Ave não sofreu qualquer golo frente ao Benfica na Liga data de Abril de 2005, quando a equipa de Vila do Conde ganhou 1-0 em casa. Entretanto, os vila-condenses permitiram 55 golos em 23 jogos na prova contra o Benfica, uma média de 2,4 tentos por partida.
  • Desde o início de 2014/15, o Benfica ganhou dois dos quatro jogos fora frente ao Rio Ave, com um empate e um desaire pelo meio. Um sucesso de 50% que só tem registo mais baixo frente a Porto e Sporting (40% em ambos os caso), no que toca a jogos fora neste período.
  • O Rio Ave ganhou os primeiros quatro jogos que fez em casa esta época na Liga, mas venceu apenas um dos últimos 12 no Estádio dos Arcos desde então – seis empates e cinco derrotas.
  • O Benfica soma 96 golos na Primeira Liga esta época, o máximo desde que o Sporting atingiu esse número em 1973/74. A última equipa a marcar mais golos numa só época foi o Benfica, em 1972-73 (101 tentos).
  • Nenhuma equipa tem menos golos de bola parada (10), ou uma percentagem mais baixa de tentos a partir destes lances, do que o Rio Ave esta época no campeonato luso. Em rigor, 78% dos golos da equipa surgiram de lances de bola corrida (35/45), o valor mais alto da prova em 2018/19.
  • As duas parelhas de jogadores com mais assistências/golos esta época na prova são do Benfica: Pizzi para João Félix e André Almeida para Haris Seferovic.
  • Apenas Yacine Brahimi (82), do Porto, completou mais dribles que o extremo do Rio Ave Wenderson Galeno (65) na competição. O brasileiro, emprestado pelos “dragões”, completou mais do dobro do jogador seguinte do Rio Ave (Nadjack, 30).
  • O médio do Benfica Pizzi fez mais assistências do que qualquer outro jogador esta época na Liga, nada menos que 18, dez delas de futebol corrido. Os últimos jogadores a realizarem mais assistências desta forma numa época na Liga foram os benfiquistas Jonas (12) e Nicolás Gaitán (11), em 2015-16.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]