[vc_tta_tabs][vc_tta_section i_icon_fontawesome=”fa fa-line-chart” add_icon=”true” title=”Ratings” tab_id=”1465571624475-01e55dfc-58e2″]
GoalPoint-Dinamarca-France-WC2018-Ratings
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][vc_tta_section i_position=”right” i_icon_fontawesome=”fa fa-trophy” add_icon=”true” title=”MVP” tab_id=”1465571693503-4a0f9bf6-e654″]
GoalPoint-Dinamarca-France-WC2018-MVP
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][vc_tta_section i_icon_fontawesome=”fa fa-futbol-o” add_icon=”true” title=”Stats” tab_id=”1465571672809-6f7d6717-7b04″]
GoalPoint-Dinamarca-France-WC2018-90m
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][/vc_tta_tabs]

França e Dinamarca são as selecções apuradas no Grupo C, em primeiro e segundo lugar, respectivamente. Isto após registar-se num nulo entre as duas formações, naquele que, arriscamos dizer, terá sido o pior jogo no Rússia 2018 até ao momento.

Numa partida em que os gauleses já estavam apurados e a Dinamarca até poderia perder, caso a Austrália não batesse o Peru, assistiu-se a um encontro de domínio francês no primeiro tempo, assente em 72% de posse e cinco remates contra um. No entanto, a inspiração era quase nula, sendo que apenas se registou um remate enquadrado, e para França. Steven N’Zonzi, uma das muitas novidades apresentadas por Didier Deschamps, era o melhor ao intervalo, com um rating de 5.7.

O segundo tempo não melhorou. Continuou a ver-se pouco futebol, nenhuma emoção ou ocasião de golo, sempre com a França a ter mais bola e remates (o dobro, diga-se). Mas com pouca inspiração, velocidade, qualidade individual. Assim o jogo chegou ao fim sem golos, naquele que é o primeiro nulo deste Mundial. Nulo no resultado e no futebol apresentado.

O melhor em campo foi Djibril Sidibé. O lateral-direito terminou com um GoalPoint Rating de 6.7, fruto de três passes para finalização, seis cruzamentos (um eficaz), 112 acções com bola e três desarmes.

GPR-contest-World-Cup-2018-leaderboard-1