Do Gegenpressing à Circulação Progressiva

-

N uma altura em que se assiste à massificação da quantificação de (quase) tudo o que acontece durante um jogo de futebol, e à qual se junta a cada vez maior facilidade do acesso a esses dados, o desafio está, cada vez mais, na capacidade de transformar o que já existe em informação mais qualitativa.

Os expected goals (xG) – que de certa forma ajudámos a trazer para o léxico do comentário futebolístico em Portugal – são um excelente exemplo disso mesmo. Há muito tempo que se media a quantidade de remates que uma equipa faz em cada jogo, e até de onde são feitos, mas até que existisse uma forma de qualificar cada um desses remates num grau de perigo que nos contasse mais acerca da real qualidade dessa ocasião, a quantificação do volume de disparos podia ser algo desinteressante e até enganadora.

É certo que sem remates não há golos, e que quem mais remata terá sempre maior probabilidade de fazer abanar as redes, mas vejamos a diferença de correlação entre os dois gráficos.

O Portimonense, que até à paragem ocupava um dos dois lugares de descida, é até a sétima equipa que mais remata no campeonato, algo que para além de não ter correspondência com a classificação, também não tem com os golos marcados (apenas 16, pior registo da Liga NOS). No entanto, se olharmos aos expected goals, o registo dos algarvios já está muito mais em linha com a realidade, assim como os do Rio Ave, outro caso curioso no sentido inverso. Globalmente, enquanto os xG explicam 85% da variância no número de golos marcados, os remates explicam apenas 57%.

Serve isto para reforçar o que escrevia no início deste texto: mais do que quantificar, importa qualificar, e da mesma forma que os expected goals nos vieram ajudar a qualificar a capacidade de uma equipa para criar ocasiões, o caminho para “pôr os números a contar” mais e melhores histórias, passa por encontrar métricas que reflictam aquilo que, combinando os dados que estão disponíveis, meçam mais acertadamente aquilo que se passa no jogo.

Do gegenpressing

Com o sucesso de equipas como o Liverpool de Jürgen Klopp, o Getafe de Bordalás, ou os clubes do “universo Red Bull”, muito se tem falado do chamado gegenpressing, um comportamento colectivo que passa por uma forte reacção à perda da bola no sentido de a recuperar rapidamente, de preferência em zonas altas. Algumas métricas têm surgido no sentido de medir com efectividade esses comportamentos, nomeadamente uma denominada de PPDA (passes per defensive action).

O cálculo é simples e eficaz. Quantos passes certos são permitidos ao adversário até a realização de uma acção defensiva. Por acção defensiva entende-se normalmente qualquer desarme, intercepção ou falta cometida, sendo que para este exercício irei também incluir passes bloqueados e alívios, para além de excluir as faltas. A exclusão das faltas visa sobretudo expurgar as assimetrias entre os vários campeonatos. Se nos outros parâmetros a variância é relativamente baixa, no caso das faltas cometidas há uma variância de 13%, com a Liga Portuguesa a ter mais 10 faltas por jogo do que a inglesa, por exemplo. Isto faz com que o peso das mesmas nas acções defensivas seja de 23% em Portugal e de 16% em Inglaterra, o que iria dar uma noção algo irreal de gegenpressing na Liga NOS, pois o volume de passes certos, também em resultado disso, é menor.

Feitas as contas, e considerando para além da Liga NOS as Ligas Top 5 europeias, estas são as equipas com melhor PPDA da Europa, até à paragem das competições:

#1 Porto 🇵🇹: 4.55
#2 B. Leverkusen 🇩🇪: 4.62
#3 Leicester 🏴󠁧󠁢󠁥󠁮󠁧󠁿: 4.80
#4 Southampton 🏴󠁧󠁢󠁥󠁮󠁧󠁿: 5.02
#5 Braga 🇵🇹: 5.05
——————————————–
#73 Tondela 🇵🇹: 6.36
——————————————–
#112 Valencia 🇪🇸: 7.73
#113 Newcastle 🏴󠁧󠁢󠁥󠁮󠁧󠁿: 7.79
#114 Lecce 🇮🇹: 7.99
#115 Brescia 🇮🇹: 8.04
#116 Angers 🇫🇷: 8.81

Ainda que tirando as faltas da equação, Portugal continua a ser o campeonato com mais baixo PPDA, e o FC Porto é a equipa que lidera o ranking nestes seis campeonatos europeus. É certo que a falta de qualidade em posse da maioria das equipas da Liga NOS ajuda, mas ninguém pode negar que a agressividade e forte capacidade de reacção à perda são características privilegiadas por Sérgio Conceição no seu modelo de jogo.

Curiosamente, ou não, o Porto já defrontou duas vezes Leverkusen e Braga, duas equipas que também constam do Top 5 no que diz respeito à capacidade de impedir que o adversário jogue, e… não se deu bem. Os “dragões” perderam estes quatro jogos, tendo sido estas as únicas derrotas nas últimas 27 partidas, o que deixa a entender que os “azuis-e-brancos” têm dificuldades contra adversários igualmente intensos sem bola.

No gráfico seguinte, podemos perceber que a nível interno o Porto é a equipa que melhor recupera a bola em todos os terços do campo. Como os valores de PPDA variam bastante consoante os terços, os números apresentados são diferenças percentuais em relação à média do campeonato por cada uma das zonas.

Clique para ampliar

Ainda assim, é no último terço que a pressão do Porto se destaca muito em relação aos demais. Os “dragões” têm um PPDA 40% acima da média da Liga NOS, e muito se deve a um jogador muitas vezes “mal-amado”.

Clique para ampliar

O brasileiro Otávio é mesmo o jogador em toda a Europa com a mais alta média de acções defensivas dentro do último terço, e é responsável por 23% do total do FC Porto nessa zona. São números muito acima da média, sobretudo se tivermos em conta que o “camisola 25” ainda lhe junta 3,48 acções defensivas por jogo no terço intermédio, o 11º melhor registo a nível europeu entre 1345 jogadores. No Top 10 desse ranking, em oitavo lugar, aparece João Palhinha (3,56), que também ajuda a explicar o facto de o Braga ter o segundo melhor PPDA da Liga nessa zona.


O Porto já marcou três golos na Liga NOS 19/20 após recuperações altas de Otávio

Um dos casos mais curiosos é o do Sporting. A equipa apresenta(va) números muito altos se olharmos apenas ao último terço ofensivo, comportamentos que já vinham desde o tempo de Marcel Keizer. Mas se jogadores como Bruno Fernandes, Raphinha e Vietto contribuíam positivamente para essa capacidade de pressão alta, no terço intermédio faltam homens à altura dos da primeira linha. Doumbia é o “leão” com mais acções defensivas nessa zona (2,22 p/ 90m), mas esse é um registo que o coloca apenas na 162ª posição a nível europeu. Já Wendel, o outro habitual titular no corredor central, regista apenas 1,26 acções defensivas por jogo no terço intermédio e 3,21 no total, um dos piores registos da Europa entre jogadores da sua posição.

Particularizando um pouco mais, nos dois encontros frente ao Rio Ave, o Sporting permitiu um total de 414 passes certos ao adversário, só dentro do terço intermédio, para apenas 19 acções nessa mesma zona, um PPDA de 21.7 que está acima do dobro da média da Liga NOS (10.5) nesse terço do terreno.

…à circulação progressiva

O exemplo do conseguido pelo Rio Ave contra o Sporting é notável pela raridade. Esses dois jogos têm, no terço intermédio, os PPDA’s mais altos desta temporada conseguidos contra os tradicionais “grandes”. Para além disso, os homens de Carlos Carvalhal têm também os melhores registos conseguidos contra Porto (17.9) e Benfica (11.9).

Inverter o PPDA é uma boa forma de avaliar a qualidade de circulação de bola de uma equipa. Afinal de contas, se a mesma consegue trocar a bola sem que o adversário interrompa essa circulação, isso será sinónimo de alguma qualidade nos processos de organização ofensiva. Problema: essa circulação pode ser consentida.

Será que deveríamos colocar passes lateralizados em zonas recuadas “no mesmo saco” de passes verticais que fazem a equipa progredir no terreno? Provavelmente não. E foi daí que me surgiu a ideia de uma nova métrica: VPPDA (vertical progression per defensive action). Aqui, ao invés de usar como numerador o volume de passes certos, irei considerar os metros de progressão vertical conseguidos através dos mesmos. Quanto mais alto for o valor, maior a qualidade de circulação progressiva de uma equipa. Vejamos como fica ordenado o ranking a nível europeu.

#1 Barcelona 🇪🇸: 54.4
#2 Paris SG 🇫🇷: 53.9
#3 Juventus 🇮🇹: 51.8
#4 Bayern M. 🇩🇪: 51.2
#5 Real Madrid 🇪🇸: 50.8
#6 Rio Ave 🇵🇹: 48.7
——————————————–
#112 Southampton 🏴󠁧󠁢󠁥󠁮󠁧󠁿: 29.7
#113 Newcastle 🏴󠁧󠁢󠁥󠁮󠁧󠁿: 28.8
#114 Burnley 🏴󠁧󠁢󠁥󠁮󠁧󠁿: 27.3
#115 Aves 🇵🇹: 27.0
#116 Getafe 🇪🇸: 26.8

O facto de os quatro primeiros liderarem os seus campeonatos não deixa de ser animador, mas o caso mais curioso volta a ser a presença do Rio Ave entre “gigantes”. A equipa de Carvalhal “fura” por completo o Top 10, e é o único clube, a par do Nice de Patrick Vieira (48.5), que aparece no topo deste ranking sem ser um tradicional candidato ao título.

Entre as grandes desilusões destacam-se o Tottenham (33.2) que baixou para 32.6 na era Mourinho, e o Atléti de Simeone (34.5), que apesar das promessas feitas no início da época está longe de ter melhorado este aspecto do seu jogo.

Apliquei também a mesma fórmula à parte defensiva, ou seja, os metros de progressão vertical permitidos por cada acção defensiva, e assim ficaram distribuídos os 116 clubes em análise.

Clique para ampliar

Sendo certo que a identidade de uma equipa vai para além do que é aqui medido, também o é que as equipas que melhor combinam ambos os parâmetros (zona verde) estavam, salvo raras excepções, a ter épocas muito bem conseguidas.

Em Portugal, o Porto é quem mais se aproxima da “margem”. Apesar da competência na circulação progressiva ser apenas mediana, o facto de estar entre as melhores da Europa no momento de impedir a construção faz com que os “dragões” pareçam mesmo a equipa mais consistente da Liga NOS.

No pólo oposto aparece o Desportivo das Aves, mas não deixa de ser curioso que neste gráfico se situe muito próximo do bem sucedido Getafe. Acontece que, se partirmos o VPPDA pelas duas metades do campo, vemos que os espanhóis são das melhores equipas na Europa (13º) a impedir a circulação vertical no meio-campo do adversário, e o Aves é apenas 86º. Ou seja, enquanto a equipa de Bordalás é forte a recuperar a bola em zonas altas e dá bastante espaço quando os adversário ultrapassam as primeiras linhas de pressão, o Aves escolhe quase sempre recuar e esperar pelo adversário dentro do seu meio-campo.

Serve também isto para mostrar que é sempre possível ir mais fundo na análise e que não há limites num processo que, apesar de matemático, é também largamente criativo e orgânico. Não deixa o momento que estamos a viver de ser uma oportunidade para isso mesmo, apesar de querermos, todos nós, que ele passe o mais rápido possível.

O campeonato “fechou” com um fantástico Porto – Rio Ave que, na altura, deixou “água na boca” para as dez jornadas que faltam disputar. A equipa mais competente a construir foi ao Dragão defrontar a mais competente a “destruir”, num jogo que deu empate e terá sido um dos mais interessantes do campeonato. Resta-nos esperar que o futebol volte o mais depressa possível mas, até lá, vamos utilizando a estatística para exaltar quem melhor o promove. Os números, quando bem utilizados, servem também para isso.

Contacte-nos para [email protected], ou passe nesta página, para saber mais sobre os serviços que podemos oferecer no segmento do futebol profissional.

Hernâni Ribeiro
Hernâni Ribeiro
Formado em estatística e gestão de informação, e Data Scientist profissional. É Head of Analytics na GoalPoint e responsável pela GoalPointPro
GoalPoint

GRÁTIS
BAIXAR