O ano de 2019 ainda agora chegou e já temos grande animação na Liga NOS. Este sábado, pelas 15h30, o Estádio José Alvalade recebe o primeiro grande “clássico” desde a viragem do ano, entre Sporting e FC Porto. O jogo assume importância vital na luta pelo título, em especial para o emblema leonino, que tem nesta uma das últimas oportunidades de, dependendo de si próprio, encurtar a distância em relação aos “azuis-e-brancos”, campeões e líderes. Quanto ao Porto, a liderança isolada, com seis pontos à maior sobre o Sporting de Braga, garante-lhe o primeiro lugar isolado no final da primeira volta, seja qual for o resultado deste embate. Emoção não falta e muitos serão os detalhes a ter em conta.

Confira a antevisão ao Sporting vs Porto (link)

Se os detalhes colectivos foram já esmiuçados na antevisão à partida (que pode consultar clicando no link indicado), os aspectos individuais não são menos importantes. As duas formações possuem jogadores com a qualidade suficiente para fazerem a diferença e decidirem o “clássico”, e é precisamente para os artistas em campo que vamos olhar agora, em cinco duelos por posição, com atenção ao desempenho que cada um deles tem apresentado até agora na Liga.

Os últimos redutos

GoalPoint-Renan_Ribeiro_2018_vs_Iker_Casillas_2018-infog
Clique para ampliar
  • Após dar nas vistas no Estoril, Renan Ribeiro aproveitou a lesão de Romain Salin para tomar conta da baliza do “leão” e, apesar do contexto diferente do de Iker Casillas, seu adversário neste sábado, o brasileiro tem dado boa conta de si, registando mesmo um rating superior, embora tal se deva ao facto de ter mais trabalho que o espanhol, com 2,3 defesas a cada 90 minutos conta 1,7.
  • Isto porque o brasileiro enfrentou 6,0 remates enquadrados na área por jogo até ao momento, contra os 4,7 de Iker, mas apresenta, uma percentagem de disparos defendidos menor (65% contra os 73% do portista), tendo já sofrido 12 golos em 857 minutos, contra apenas dez em 1440 minutos do “dragão”. Não espanta que Renan tenha mantido a sua baliza inviolada em apenas uma partida, contra as nove de Iker.
  • Contudo, há um aspecto em que Renan bate Casillas até ao momento, nas saídas pelo ar, com uma eficácia perfeita, ao contrário do portista, que não passa dos 57%. Também nas defesas aos ângulos o brasileiro tem uma superioridade marginal, com 46% contra as 44% do espanhol, facto que ganha mais relevo relembrando que o brasileiro tem tido mais trabalho que o espanhol, resguardado pelo melhor eixo defensivo da Liga.
  • Casillas mostra outra qualidade num detalhe que o tem acompanhado quase toda a carreira, os reflexos a remates a curta distância. O espanhol travou até agora 66% dos remates enquadrados realizados na sua grande área, contra os 62 do “leão”.

As duas torres

GoalPoint-Sebastián_Coates_2018_vs_Éder_Militão_2018-infog
Clique para ampliar
  • As defesas estão na ordem do dia, muito por culpa do verdadeiro fenómeno que constitui actualmente a consistência do quarteto defensivo do FC Porto, nomeadamente os seus dois centrais. Recentemente olhámos para as duplas de centrais dos sete primeiros classificados da Liga NOS e comparámo-las tendo por base os GoalPoint Ratings médios (link). Se a dos “dragões” reúne unanimidade quanto à sua qualidade, a do “leão” surge logo atrás, em segundo lugar, com os ratings mais elevados.
  • Olhando para Sebastián Coates, o esteio da defesa leonina, e Éder Militão, a coqueluche “azul-e-branca” de que todos falam, notam-se alguns pontos de aproximação. Ambos são verdadeiras “fortalezas voadoras”, com eficácias muito relevantes nos duelos aéreos defensivos (Coates, com 79%, fica apenas atrás dos 85% do portista Felipe).
  • Não espanta que, nos alívios, os dois jogadores apresentem números também elevados e não muito diferentes, sendo que o uruguaio é mais forte nos desarmes e o brasileiro mostra maior competência nas intercepções e na capacidade de antecipação.
  • De notar que, apesar de Coates ser bem mais activo no ataque, com 0,6 remates de cabeça contra 0,2 de Militão, ambos somam um golo, com o portista a registar igualmente uma assistência. Dois jogadores que poderão ser decisivos no “clássico”, nos diversos momentos do jogo.

Na próxima página: servir e finalizar