Com a reabertura do mercado de transferências, chega também a nossa habitual análise aos emprestados que cada clube da Liga NOS tem espalhados por esse mundo fora.

O facto de, cada vez mais, assistirmos a empréstimos de jogadores para clubes com algum poder económico, acaba por ser um pau de dois bicos. Se, por um lado, aumenta a probabilidade de o clube de origem garantir um bom encaixe financeiro, acaba também por proporcionar, chegados a esta altura, que os melhores talentos já tenham a sua aquisição definitiva sinalizada, através das opções de compra.

Assim aconteceu na temporada passada com Quintero, Luka Jovic, Raúl Jiménez ou Merih Demiral, alguns dos jogadores destacados por nós com o “sinal verde”, e o mesmo se repete na presente temporada. Mas vamos aos casos concretos, clube a clube.

SL Benfica

Se em 18/19 os “encarnados” tinham emprestados alguns grandes nomes que iam cumprindo ou superando expectativas (Raúl Jiménez, Luka Jovic, André Carrillo), o mesmo não se pode dizer desta temporada. Facundo Ferreyra e Filip Krovinović seriam talvez aqueles a gerar maior expectativa, mas a verdade é que nenhum deles tem mostrado argumentos suficientes para “voltar à base” ou gerar um bom negócio.

Clique para ampliar

O arranque do ponta-de-lança argentino até prometeu, com seis golos em cinco jogos nas pré-eliminatórias da Liga Europa, mas tal não se pode dissociar do nível dos adversários encarados nesta fase da prova. Na Liga espanhola as coisas foram bem diferentes e Ferreyra foi titular apenas cinco vezes, marcando um único golo no clube que, curiosamente, investiu agora em Raúl de Tomás, o que diz tudo sobre o interesse do clube catalão em manter o ponta-de-lança.

Quanto a Krovinović, que antes de uma lesão grave chegou a deslumbrar as bancadas da Luz, pode dizer-se que também se esperava mais do croata. O West Bromwich está em lugar de subida na segunda divisão inglesa e a concorrência nas posições ofensivas é forte (que o diga Willock que ainda não tem minutos), mas o certo é que o criativo não tem impressionado. Em 26 jogos começou 15 sentado no banco, e nos 1123 minutos a que teve direito conta apenas um golo e uma assistência.

Há, no entanto, uma boa notícia no Championship. Pedro Pereira tem tido alguns minutos no Bristol City e vem mostrando que ainda é cedo para se desistir dele. O lateral-direito alentejano tem apenas 21 anos e esta não é uma posição particularmente abastada nos quadros “encarnados”.

Keaton Parks demorou a pegar na MLS, mas mostrou bons desempenhos nas oportunidades que teve. O New York City FC já manifestou o desejo de ficar com o médio americano em definitivo e essa deverá ser uma realidade oficializada em breve (entretanto, esse negócio foi confirmado esta quarta-feira pelo próprio Benfica). Também pela América, mas do Sul, Cristian Lema continua a mostrar-se um central goleador. Entre Peñarol e Newell’s foram sete os golos apontados no último ano.

Clique para ampliar

Golos é que o tem faltado a Jhonder Cádiz para começar a dar ainda mais nas vistas. O venezuelano superou a lesão com que iniciou a época e parece ter ganho em definitivo a titularidade no Dijon, após ser uma das figuras na surpreendente vitória contra o Paris Saint-Germain. A partir daí, não mais saiu da equipa e tem números interessantes, como os 55% de duelos aéreos ofensivos ganhos ou os 2,1 dribles completos por jogo. A grande lacuna continua a ser a capacidade de ligação de jogo, como mostra a eficácia de passe de 57%.

Em Portugal há um nome a justificar atenção na segunda volta: Diogo Gonçalves. O jovem ganhou a titularidade a Rúben Lameiras e até já apareceu num “onze” da jornada” como… lateral-direito. O mesmo não se pode dizer de Zé Gomes, que no Portimonense teve direito a apenas 39 minutos.

Clique para ampliar

Na próxima página: Pouco fogo nos “dragões” emprestados