[vc_tta_tabs][vc_tta_section i_icon_fontawesome=”fa fa-line-chart” add_icon=”true” title=”Ratings” tab_id=”1465571624475-01e55dfc-58e2″]
GoalPoint-Spain-England-Nations-League-2018-Ratings
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][vc_tta_section i_position=”right” i_icon_fontawesome=”fa fa-trophy” add_icon=”true” title=”MVP” tab_id=”1465571693503-4a0f9bf6-e654″]
GoalPoint-Spain-England-Nations-League-2018-MVP
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][vc_tta_section i_icon_fontawesome=”fa fa-futbol-o” add_icon=”true” title=”Stats” tab_id=”1465571672809-6f7d6717-7b04″]
GoalPoint-Spain-England-Nations-League-2018-90m
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][/vc_tta_tabs]

A Espanha nunca sofreu três golos em casa em jogos oficiais. Correcção: a “La Roja” sofreu três golos em casa em partidas oficiais pela primeira vez na História. A autora da proeza foi a Inglaterra, que arrumou “nuestros hermanos” por 3-2, com os tentos britânicos a serem marcados todos na primeira parte. O Grupo 4 tem ainda Espanha no primeiro lugar, com seis pontos em três embates (ganhou 2-1 em Inglaterra, na primeira jornada), e os ingleses no segundo com dois pontos no mesmo número de compromissos.

A grande figura da partida foi o ponta-de-lança Harry Kane. Não pelos golos que (não) marcou, mas pelo que construiu e pela eficácia das suas acções. No total fez dois passes para finalização e ambos foram assistências para golos. O GoalPoint Rating de 7.2 é reflexo também dos quatro duelos aéreos ofensivos ganhos, nos únicos quatro em que participou. E ainda completou um drible. Quanto aos golos, os três de Inglaterra foram apontados antes do intervalo, por Raheem Sterling (16′ e 38′) e Marcus Rashford (29′), isto contra a corrente de jogo. Na verdade, Espanha registou 72% de posse de bola nesta fase, dez remates contra cinco de Inglaterra, sendo que a diferença esteve na eficácia (2-3 enquadrados) que os rápidos contra-ataques britânicos proporcionaram.

No segundo tempo registou-se uma reacção dos da casa, que reduziram para a margem mínima, por Paco Alcácel (58′) e Sergio Ramos (97′). Os espanhóis terminaram com impressionantes 73% de posse de bola, 24 remates contra cinco (os ingleses não tentaram qualquer disparo na etapa complementar), mas a superioridade não foi acompanhada pela eficácia ofensiva.

Como curiosidade o facto de Sterling ter bisado pela primeira vez por Inglaterra e Kane ter feito duas assistências também pela primeira vez pela sua selecção.