Espanha 🆚 Suécia | Muro amarelo trava “fúria espanhola”

-

Balde de água gelada na fúria espanhola. A Espanha nunca conseguiu suplantar o “muro” sueco que se ergueu à frente da baliza de Olsen e não foi além de um empate a zero no jogo de estreia neste Grupo E do EURO 2020. Foram inúmeras as ocasiões criadas e desperdiçadas pela “La Roja” – quatro oportunidades flagrantes desperdiçadas, 17 remates e 85% da posse. Já a Suécia atacou pouco, mas esteve perto de marcar, quando Isak atirou e a bola acabou num poste, e Berg ainda deve estar a pensar naquilo que falhou à passagem do minuto 61…

GoalPoint-Spain-Sweden-EURO-2020-Ratings
Clique para ampliar

Um “calcanhar de Aquiles” chamado finalização

Com a receita do costume – muita posse (84% e houve alturas em que teve 90%, 419 passes feitos – eficácia de 92% -, face aos 57 – 63% dos suecos), pressão alta e intensidade na recuperação pós-perda –, os comandados de Luis Enrique apenas pecaram na forma como desperdiçaram três ocasiões flagrantes de golo no primeiro tempo e não souberam materializar os nove remates que fizeram (somaram 20 acções com a bola na área adversária). Matreiros, os suecos viram, aos 41 minutos, Isak atirar o esférico contra um espanhol, com a bola a desviar para o ferro.

Na etapa complementar, Berg (61′) desperdiçou aquilo que parecia um golo certo, foi uma espécie de alerta para os espanhóis despertarem e voltarem a assumir as rédeas do encontro. Melhoraram de produção com as mexidas promovidas, mas voltaram a claudicar naquele que é o seu principal “calcanhar de Aquiles”, a finalização.

[ O posicionamento médio explica o que foi o jogo ]

GoalPoint-Spain-Sweden-EURO-2020-pass-network
Clique para ampliar

O MVP GoalPoint👑

Exibição assombrosa de Olsen. Desde cedo que o guardião foi chamado a intervir e sempre disse presente. Ao todo foi autor de cinco defesas, em três deteve remates que foram feitos na área sueca, e foi adiando o que parecia ser a festa espanhola. Na retina fica a forma como parou o cabeceamento de Gerard Moreno já no período de descontos. Com sangue no gelo, foi o principal responsável pelo nulo que se registou no marcador e terminou com um GoalPoint Rating de 7.2.

 

Outros GoalPoint Ratings 🔺🔻

Destaques da Espanha:

Jordi Alba 6.8 – Uma autêntica locomotiva que realizou 11 passes ofensivos valiosos, fez oito cruzamentos, quatro passes para finalização, nove passes aproximativos, criou uma ocasião flagrante, tendo registado ao todo 147 acções com a bola (marca que mais ninguém atingiu).

Dani Olmo 6.5 – Estava a ser um dos melhores da Espanha quando saiu aos 70 minutos. Até lá, rematou em cinco ocasiões (máximo no jogo), teve seis acções na área sueca e sofreu duas faltas.

Pedri 5.8 – Aos 18 anos, seis meses e 20 dias, fez história e tornou-se no jogador mais jovem de sempre a actuar pela selecção espanhola num Europeu. A realçar 11 passes ofensivos valiosos, um passe de ruptura e 112 acções com o esférico.

Destaques da Suécia:

Danielson 6.4 – Muito concentrado, foi importante a conter as constantes aproximações do adversário e coleccionou quatro intercepções e dez alívios.

Lindelöf 5.9 – Três recuperações da posse, nove alívios e dois passes/cruzamentos foram as acções mais marcantes do central dos “red devils”, que terminou exausto.

Isak 5.6 – No único remate que fez, a bola acabou no poste. Na segunda metade, ofereceu o golo que Berg desperdiçou. Estava a ser o mais esclarecido e perigoso dos suecos quando saiu aos 66 minutos.

Leonel Gomes
Leonel Gomes
Amante das letras, já escreveu nos jornais A Bola, Público e o O Jogo, dedicando-se também ao Social Media Management desde 2014. Tornou-se GoalPointer na "janela de mercado" do verão de 2019.