GoalPoint-Estoril-Porto-LIGA-NOS-201718-Ratings
Clique para ampliar
GoalPoint-Estoril-Porto-LIGA-NOS-201718-MVP
Clique para ampliar
GoalPoint-Estoril-Porto-LIGA-NOS-201718-1-90m
Clique para ampliar

O jogo da 18ª jornada da Liga NOS entre Estoril e FC Porto, que começou a 15 de Janeiro e foi interrompido por motivos de segurança, terminou finalmente, esta quarta-feira. O Estoril foi para o “descanso” a vencer por 1-0, mas um Porto com muitas alterações e, acima de tudo, uma atitude completamente diferente, entrou na segunda parte de forma arrasadora e deu rapidamente a volta ao marcador, acabando por vencer por 3-1, graças a um bis de Tiquinho Soares.

Resumo💻

O Jogo explicado em Números 📊

  • Primeiros 15 minutos do primeiro tempo com pouca acção e sem que nenhuma equipa conseguisse impor o seu futebol. O único sinal de perigo durante este período teve origem num momento de inspiração do portista Marega, que rematou para as mãos de Renan após deixar dois adversários para trás.
  • E foi então que, contra a corrente do jogo, surgiu o golo do Estoril, num livre directo cobrado de forma exímia por Eduardo, após uma falta sobre Victor Andrade. Primeiro golo da época para o médio brasileiro, no primeiro remate à baliza da equipa “canarinha”.

  • A partida chegou à meia-hora com o FC Porto em clara superioridade em diversas vertentes: remates (4-3), posse de bola (58%-42%), eficácia de passe (78%-72%), mas sem conseguir criar perigo junto da área estorilista. O principal “artilheiro” dos portistas era mesmo Marega, já com três disparos, embora apenas um deles à baliza.
  • Um dos grandes problemas da equipa azul-e-branca residia nas dificuldades sentidas para distribuir a bola. À entrada para os derradeiros cinco minutos da primeira parte, Felipe era o portista com mais passes no meio-campo adversário, 12, sendo que apenas quatro deles haviam sido eficazes.

  • Intervalo Vantagem do Estoril no primeiro tempo, justificada pelo tento de Eduardo, que aproveitou para fazer um grande golo num dos cinco remates do Estoril na primeira parte, dois enquadrados, exactamente os mesmos do Porto. “Dragões” que sentiram muitas dificuldades perante a ausência de Brahimi, apesar da maior posse de bola (58%). O melhor em campo nesta fase era mesmo o autor do golo, Eduardo, com um GoalPoint Rating de 6.3.

  • A segunda parte, como é do conhecimento geral, começou às 18h00 desta quarta-feira, dia 21 de Fevereiro. O Porto arrancou a todo o gás, à procura de anular a desvantagem, e, aos 49 minutos, Renan Ribeiro realizou uma estupenda defesa, a remate de Herrera no coração da área. Do lance resultou o terceiro canto portista em apenas quatro minutos,
  • Ameaçava a formação “azul-e-branca”, que acabou por marcar aos 53 minutos. Alex Telles na conversão de um livre na direita, vários jogadores do Porto fizeram-se ao lance, ao contrário da defesa estorilista, mas ninguém tocou na bola, pelo que o 1-1 foi atribuído ao lateral brasileiro.

  • Mas o “dragão” estava imparável e chegou ao 2-1 aos 59 minutos, com Soares a encostar facilmente ao segundo poste, após um primeiro remate de Herrera, enrolado, não afastado pela defensiva “canarinha”.
  • Era um Porto completamente transfigurado em relação ao da primeira parte, de 15 de Janeiro. Pressão, intensidade, vontade de vencer e, nos primeiros 15 minutos deste segundo tempo, 62% de posse, seis remates, quatro enquadrados e duas ocasiões flagrantes.
  • E aos 67 minutos, o 3-1, novamente por Soares, a finalizar fácil após defesa incompleta de Renan, na pequena área.

  • O domínio portista nunca esteve em causa neste segundo tempo, chegando perto dos 80 minutos com uma posse de bola de 57%, incríveis 13 remates só nestes 45 minutos finais (11 dentro da grande área estorilista), dez deles enquadrados.

O Homem do Jogo 👑

Num jogo especial, com muitas alterações devido ao contexto com que se disputou esta segunda parte, o melhor em campo foi Tiquinho Soares. O ponta-de-lança brasileiro fez sete golos nos últimos cinco jogos, e na Amoreira bisou, em sete remates, quatro deles enquadrados – na sequência de um arranque avassalador do Porto neste reatamento. Soares criou ainda uma ocasião flagrante em dois passes para finalização e terminou com um relevante GoalPoint Rating de 7.9.

Jogadores em foco 🔺🔻 

  • Renan Ribeiro 7.9 – O guarda-redes do Estoril não levou a distinção de melhor em campo por uma milésima. O brasileiro bateu mesmo o recorde de defesas nesta Liga NOS, que era de nove, e agora cifra-se em dez. E todas de remates disferidos no interior sua grande área.
  • Alex Telles 7.0 – O azarado do jogo, embora fundamental. Saiu dos seus pés a bola que ninguém tocou e entrou na baliza do Estoril, e que deu início à reviravolta, mas saiu lesionado aos 57 minutos. Ainda assim, registou dois passes para finalização, nove bolas colocadas na área contrária e quatro desarmes.
  • H. Herrera 6.6 – O mexicano é cada vez mais uma pedra basilar deste Porto. Tentou duas vezes o remate, uma enquadrada, fez dois passes para finalização, registou sete acções defensivas e dez recuperações de bola.
  • Eduardo 6.0 – O brasileiro fez o golo do Estoril a 15 de Janeiro e ainda tentou dar algum ímpeto à sua equipa, com um passe para finalização e nove vezes a bola colocada na área portista. Mas pouco mais.
  • Antunes (o nosso) 9.0 – Só não é MVP porque não nos deixaram inscrevê-lo na ficha de jogo, uma injustiça como a que fizeram ao “tratador de relva” dos Gatos Fedorentos. Mas a complexidade do jogo, com jogadores diferentes dos que começaram a primeira parte há 37 dias, deixou mossa e obrigou a muitas alterações nos nossos processos de trabalho. O Antunes teve uma trombose e os nossos “headquarters” da Damaia estão a arder porque o “software” não estava preparado para jogos com 15 substituições ou lá quantas foram. Dêem-lhe valor!

GoalPoint-T-shirts-2017-banner