A Qualificação da Hungria

AHungria foi a única equipa a qualificar-se para o Europeu vencendo menos de metade dos jogos que disputou. Quatro vitórias, quatro empates e duas derrotas, bastaram para garantir o terceiro lugar e o consequente acesso ao play-off.

Aí encontrou a Noruega, batendo os nórdicos em casa e fora, garantido uma inesperada vaga no Euro 2016.

No entanto, a fraca imagem deixada na fase de grupos, onde não conseguiu vencer um único jogo aos dois primeiros do grupo (Irlanda do Norte e Roménia), não augura um futuro auspicioso.

O Historial no Euro

Os húngaros apresentam um historial curioso em Europeus. Qualificaram-se apenas por duas vezes, em 1964 e 1972, tendo em ambas as ocasiões disputado as meias-finais da prova. Este seria um currículo fantástico caso não tivéssemos em conta que nessa altura as fases finais eram disputadas apenas por… quatro equipas.

Desde então a Hungria foi somando fracassos e mesmo se tomarmos em conta as qualificações para os Mundiais, são 30 anos de ausência das fases finais de grandes provas.

Neste regresso os húngaros tentarão estar à altura de uma História tão longa quão respeitável (uma “lenda” do tempo de Puskas e Kocsis) mas a tarefa não será fácil, como já se percebeu.

Euro 2016 Preview | Hungria
Clique para ampliar

A Equipa

O treinador alemão Bernd Stock assumiu o cargo de seleccionador no Verão de 2015, tendo perdido apenas um dos seis jogos oficiais que disputou até agora. Stock era anteriormente seleccionador da equipa de sub-20, que conduziu com sucesso ao mundial da categoria.

Na caminhada húngara foram utilizados 37 jogadores, o número mais elevado entre todas as selecções apuradas, deixando uma ideia de fartura que está longe de corresponder à verdade. Entre os que acabaram por ficar de fora está Daniel Tözsér, experiente médio do QPR (Championship) que fez grande parte da sua carreira em Itália.

Destaque para a presença do guarda-redes Gábor Király, que aos 40 anos é o jogador mais velho entre todos os presentes em França.

Euro 2016 Preview | Hungria
Clique para ampliar

A Figura: Balázs Dzsudzsák

Está quase tudo dito quando a figura da equipa joga no Bursaspor, 11º classificado do campeonato turco. Mas pela importância que teve na qualificação, Dzsudzsák merece umas palavras.

O capitão da selecção turca é um médio-ala esquerdino de 29 anos que foi por várias vezes associado a clubes portugueses. O auge da sua carreira ocorreu no futebol russo, onde chegou para o Anzhi proveniente do PSV a troco de 14 milhões de Euros, valorizando-se ainda ao ponto de ser comprado seis meses depois pelo Dínamo de Moscovo por 19 milhões.

Esta época chegou à Turquia já em “ocaso” aparente marcando apenas três golos no campeonato, mas o seu ponto forte sempre foi a “oferta” de golos aos colegas, nomeadamente através de cruzamentos teleguiados.

Na liga turca registou uma eficácia de cruzamento de 34%, algo que fez dele o melhor do campeonato neste parâmetro, mas Dzsudzsák destaca-se ainda pela facilidade com que cria perigo através de lances de bola parada. Se quiser sonhar com uns pontinhos, a Hungria vai precisar dele no seu melhor.

Aposta GoalPoint: Tamás Kádár

Tamás Kádár
Tamás Kádár, Hungria

Kadar deu nas vistas ainda em adolescente, o que lhe valeu uma transferência para o Newcastle no longínquo ano de 2008. Lá passou quatro anos e meio, quase sempre na equipa de reservas, acabando por sair do clube com apenas 18 jogos feitos na equipa principal.

Kadar é um lateral-esquerdo alto e que, por isso, também pode actuar como defesa-central. O húngaro-se destaca particularmente pela sua eficácia nos duelos, tanto aéreos como pelo solo. Na fase de qualificação saiu vencedor em 65% dos duelos que disputou e registou uma média de 9.5 acções defensivas por jogo, sobretudo através de alívios.

Tendo em conta que a Hungria vai passar a maioria dos seus jogos em posição defensiva, Kádár pode ser uma ajuda preciosa no centro da defesa e é aí que tenderá a dar nas vistas, já que ofensivamente é quase nulo o que pode oferecer.

Confessamos: Kádár é, entre todas as apostas GoalPoint, a que menos nos entusiasma mas, inscrito num elenco no qual a qualidade não abunda, o húngaro pode sobressaír, na medida do possível.

DataJogoHoraCanalEstádio
Ter. 14 JunHUNGRIA vs Austria17h00Sport TVStade de Bordeaux, Bordéus
Sáb. 18 JunHUNGRIA vs Islândia17h00Sport TVStade Vélodrome, Marselha
Qua. 22 JunHUNGRIA vs Portugal17h00RTP 1Parc Olympique Lyonnais. Lyon

Em condições normais, a única esperança da Hungria estará no embate com a Islândia, o qual, conseguindo vencer, poderá chegar para garantir uma vaga entre os melhores terceiros.

No entanto, realisticamente falando, é provavelmente a mais fraca selecção deste Europeu, e Portugal num dia inspirado poderá ter condições para aplicar uma das maiores goleadas da competição.