A Qualificação da Rússia

Depois de uma presença desastrosa no Mundial de 2014, onde não conseguiu obter uma única vitória, à selecção comandada por Fabio Capello pedia-se uma prestação bem superior na campanha qualificação para o Euro 2016.

Contudo, o arranque russo foi bem conturbado, com apenas duas vitórias em seis jogos. Ocupando o terceiro lugar no Grupo G, “os alarmes soaram” depois da derrota caseira frente à Áustria (0-1) e nem o facto do italiano ter contrato até 2018 (ano em que a Rússia organiza o Mundial) impediu a Federação Russa de o despedir.

Pagos os mais de 20 milhões de euros de indemnização a Capello, Leonid Slutsky foi escolhido como sucessor, mantendo o cargo de treinador do CSKA de Moscovo.

Com o seu estilo “militar” único, impulsivo e sempre agitado no banco, Slutsky venceu os últimos quatros jogos da campanha garantindo assim o apuramento directo, a oito pontos da líder Áustria mas com dois de vantagem sobre a Suécia (21/5 em golos).

Euro 2016 Preview | Rússia
Clique para ampliar

O Historial no Euro

O melhor que a Rússia fez em fases finais aconteceu em 1960, quando venceu a competição ainda como União Soviética.

Já como Rússia, os ex-soviéticos marcaram presença em 1994, 2004 (no grupo de Portugal) e mais recentemente em 2012, não logrando passar da fase de grupos

Somente no Euro 2008, com o holandês Guus Hiddink ao comando, os russos conseguiram chegar aos quartos-de-final onde eliminaram a poderosa Holanda por 3-1 no prolongamento, com uma fantástica exibição e um grande golo de Andrei Arshavin.

Seriam contudo eliminados nas “meias” por uma Espanha poderosa que mais tarde levaria o troféu para casa.

A Equipa

Não foram apenas os resultados que mudaram na equipa da Rússia com Leonid Slutski como selecionador. O futebol praticado tornou-se muito mais criativo e a sua defesa bem mais coesa, com Slutski a aplicar as fórmulas que o levaram ao sucesso em mais de sete anos ao serviço do CSKA de Moscovo.

Curioso é o facto de Leonid Sluski ter sido um guarda-redes promissor até aos 19 anos, quando a sua carreira terminou abruptamente ao cair de uma árvore quando tentava salvar um gato de um vizinho(!), lesionando de forma irreversível o seu joelho.

A uma equipa envelhecida (9 dos 23 convocados têm 30 ou mais anos), juntam-se as lesões impeditivas de Alan Dzagoev (CSKA Moscovo), Denis Cheryshev (Valência) e mais recentemente Igor Denisov (Zenit) como principais fragilidades.

Destaque ainda para a chamada de dois recém-naturalizados – o guarda-redes brasileiro Guilherme e o médio alemão Roman Neustädter.

Nota final para o facto de apenas um jogador, dos 23 convocados, actuar fora do campeonato russo – o já referido Neustädter, que alinha no Schalke 04 da Alemanha.

Euro 2016 Preview | Rússia
Clique para ampliar

A Figura: Artem Dzyuba

Não há uma figura que se destaque sobremaneira das demais nesta selecção, mas até fisicamente falando, Artem Dzyuba é ainda assim a maior de todas.

São quase dois metros de ponta-de-lança a servir de mira, mira essa que funcionou na perfeição durante a qualificação onde marcou oito golos em oito jogos.

Assim arranje espaço para isso, Dzyuba apresenta uma eficácia de remate impressionante, precisando de menos de quatro remates até marcar um golo, tanto na selecção como no clube. Guardem-no bem, ou vai fazer estragos. Fica o aviso.

Aposta GoalPoint: Fedor Smolov

Fedor Smolov
Fedor Smolov, Rússia

Melhor marcador do campeonato russo com 20 golos (13 deles nos últimos oito jogos!), é improvável que tire o lugar o Artem Dzyuba, mas pode forçar Leonid Slutski a uma alteração de sistema ou até mesmo actuar a partir do flanco esquerdo.

Ao serviço do surpreendente Krasnodar, venceu vários rankings estatísticos do campeonato para além do dos golos, como por exemplo o de remates enquadrados p/ 90m, com 2,1 remates à baliza a cada jogo, 53% de todos os disparos que tentou.

A sua boa capacidade técnica apesar dos 1,87m, valida a opção de o utilizar a partir do flanco esquerdo, como mostra a média de 1,5 dribles eficazes por jogo. Pode não querer dizer nada, mas até a camisola 10 foi para ele. Smolov, o palco é teu!

DataJogoHoraCanalEstádio
Sáb. 11 JunRÚSSIA vs Inglaterra20h00RTP 1Stade Vélodrome, Marselha
Qua. 15 JunRÚSSIA vs Eslováquia14h00RTP 1Stade Pierre-Mauroy, Lille
Seg. 20 JunRÚSSIA vs P. Gales20h00RTP 1Stade de Toulouse

Depois do desastre que foram as prestações no Europeu de 2012 e no Mundial 2014, as expectativas não são altas para a Rússia. O Euro 2016 servirá mais de antecâmara para preparar uma equipa a fim de disputar o Mundial de 2018 em “casa”.

A performance no primeiro jogo, deste Grupo B, frente à Inglaterra, será deveras importante para auscultar as reais capacidades dos russos na prova.

Mesmo com um resultado negativo, uma boa exibição frente aos ingleses pode ser a “alavanca” necessária para assumir o favoritismo para as partidas seguintes frente a País de Gales e Eslováquia.