O Campeonato da Europa Sub-19 começou no dia a seguir à final do EURO 2016. Foi como que um “desmame” das quatro semanas de futebol de alto nível a que assistimos em França e que culminou com a glória máxima para Portugal.

Os mais jovens assumiram essa ideia na plenitude e assistiu-se a uma competição, realizada na Alemanha, que nos presenteou com muitos golos, jogos emocionantes, equipas de alto nível e com um andamento surpreendente para a idade… e jovens jogadores que prometem carreiras fulgurantes.

A França salta à vista, não só por ter conquistado a prova de forma arrebatadora, mostrando estar um nível acima das demais selecções, mas porque nas suas fileiras estão alguns atletas de grande qualidade. Portugal chegou às meias-finais, mas sucumbiu perante os gauleses. O GoalPoint acompanhou atentamente o EURO Sub-19 e destaca aqui cinco das mais cintilantes promessas, entre elas um português.

Jean-Kévin Augustin (França)

O “quebra-cabeças” com magia haitiana
19 anos | Avançado | Paris Saint-Germain
Valor de mercado: aprox. 1,5 milhões de euros

Augustin tem 19 anos e joga nos franceses do PSG, clube onde na época passada repartiu os seus minutos entre equipa de juniores e principal. É um avançado muito rápido, capaz de explodir com a bola nos pés e deixar para trás qualquer defesa.

Pode jogar num sistema de dois avançados, sozinho na frente, numa dinâmica de ataque rápido, ou até como avançado interior numa ala, uma vez que a sua mobilidade e inteligência de movimentos garantem-lhe uma versatilidade incomum para a idade.

Dominic Solanke (Inglaterra)

O “matador” de raízes nigerianas
18 anos | Avançado | Chelsea
Valor de mercado: aprox. 2 milhões de euros

Solanke é ainda um “miúdo” de apenas 18 anos e que conta já com uma passagem pelo Vitesse, da Holanda, onde esteve emprestado na época passada pelo Chelsea. Foi um dos valores a aparecer neste torneio ao serviço da Inglaterra, dinamizando bastante a frente de ataque.

Dominic é um ponta-de-lança de excelente qualidade, consegue ganhar bastantes bolas aos defesas com a sua agressividade e força física, tem uma recepção e controlo de bola acima da média e com o esférico nos pés tem uma capacidade de decisão que, em conjunto com a sua técnica, fazem dele um “matador” na área adversária.

Na próxima página: Do “motor” germânico à “âncora” lusitana