FIFA: Mundial representa aumento de 66% das receitas

Apenas 14,4% das receitas são distribuídas pelas selecções e programas associados directamente ao Campeonato do Mundo.

Uma leitura do texto em que oportunamente apresentámos os prémios que a FIFA distribui pelas selecções participantes no Campeonato do Mundo (425 milhões de euros no total) pode dar a perceber uma aparente generosidade do órgão máximo do futebol mundial, até porque, como referido, os prémios aumentaram 37% face ao Mundial da África do Sul de 2010. Aparente é, no entanto, o termo certo pois o Mundial do Brasil está longe de ser um mero negócio de break-even para a federação presidida por Sepp Blatter.

A FIFA irá lucrar cerca de 2,95 mil milhões de euros com o Mundial do Brasil o que representa um aumento de aproximadamente 66% face às receitas arrecadadas no Campeonato do Mundo de 2010.

Eis a decomposição das receitas da FIFA, a esmagadora maioria recolhidas antes mesmo do pontapé de saída do Brasil – Croácia de 12 de Junho:

RubricaValor (em euros)Descrição
Total2,95 mil milhões+ 66% do que a receita do Mundial 2010.
Direitos Televisivos1,26 mil milhõesVenda de direitos de transmissão a broadcasters
nacionais (Sport TV, BBC, ESPN, etc)
Sponsorship1,03 mil milhõesAdidas, Coca-Cola, Emirates, Visa, Sony entre outros
patrocinadores segmentados por investimento/regalias.
Merchandising e Vendas664,7 milhõesOutros tipos de licenciamento (ex. EA Sports),
bilheteira, vendas, extensão de marca.

Os dados permitem perceber que 42,5% das receitas advêm da venda dos direitos televisivos, com o sponsorship a representar 35% do encaixe (razão suficiente para Sep Blatter se preocupar seriamente com a pressão que os patrocinadores começam a colocar sobre a FIFA no que concerne à transparência, tema a que regressaremos em breve). A receita de merchandizing, na qual se inscreve, entre outras rúbricas, a venda de bilhetes do evento, é a fatia menor, com 22,5% de peso no total registado.

Estes números significam que os inicialmente impressionantes 425 milhões de euros distribuídos pela FIFA representam afinal apenas 14,4% do total de receita gerada pelo Mundial. Os restantes 2,5 mil milhões ficam nos cofres da FIFA, com parte significativa a ser aplicada no continuo (e controverso) Football Development Programme.

Como analisa este crescimento de receitas? Considera que a fatia a distribuir pelos participantes directos no evento devia ser maior ou mais reduzida? Que outras aplicações deveria a FIFA fazer das suas receitas numa lógica de desenvolvimento do futebol? Deixe-nos a sua opinião.