Football Manager, o videojogo, tem um lugar importante na vida de muitos fãs do futebol. Há quem vista fato para finais importantes. Outros provocam incêndios caseiros tentando simular a pirotecnia turca num jogo europeu. O GoalPointer Francisco Gomes da Sliva relata, nesta série de textos, as suas aventuras ao comando do Whitehawk FC. Se ainda não conferiu não perca o 1º e 2º episódios. Iniciemos então o modo “narrativo.

Francisco Gomes da Silva em entrevista exclusiva ao GoalPoint afirmou o seguinte:

“Estamos focados no campeonato. Temos um conjunto muito forte, experiente e com jovens com espaço e tempo para evoluírem e mostrarem todo o seu potencial. Somos certamente uma das equipas mais fortes do campeonato mas temos que demonstrar a nossa qualidade dentro de campo para que possamos festejar a subida no fim. É esse o nosso objectivo. Lutar até ao fim para garantir a promoção. Sei que vamos conseguir!”.

A época começou da melhor maneira, com uma vitória em casa sobre o Staines. Estádio cheio com os adeptos da equipa local ansiosos por verem o Whitehawk em acção em jogos oficiais.

O conjunto orientado pelo jovem português não desilidiu e conquistou os primeiros pontos da época.

De forma a colmatar algumas lacunas que Gomes da Silva identificou no plantel, o Whitehawk recorreu ao mercado, contratando jogadores experientes que poderiam ser necessários em momentos cruciais da temporada.

Transferências_  Histórico de Transferências

Depois de um arranque promissor, seguiu-se um período de grande estabilidade e controlo emocional. A equipa praticava um futebol sólido, visando sempre a baliza adversária. Francisco seguiu a velha máxima do futebol de que o importante é marcar mais golos do que a equipa contrária.

O Whitehawk chegava à segunda fase de qualificação da FA Cup depois de uma série de jogos sem conhecer o sabor da derrota. Pela frente teria o Ebbsfleet, um dos candidatos à subida. A vitória por 4-2 para o campeonato tranquilizou os adeptos e a equipa técnica.

O técnico português decidiu dar uma oportunidade a jogadores menos utilizados e o resultado não foi satisfatório. A equipa saiu derrotada por 3-0 e foi incapaz de criar situações de perigo, perante um adversário superior. Francisco reconheceu isso no final do jogo e prometeu uma atitude diferente nos jogos para a Liga. A equipa do Sul de Inglaterra venceu a seguir o Maidenhead em casa por uns categóricos 3-1.  Um dos favoritos à conquista do campeonato caiu perante o domínio do “Falcão Branco”.

Quando tudo parecia bem encaminhado, uma série de lesões assombrou a equipa inglesa. Com um plantel curto, teve de recorrer a alguns jogadores das reservas que, apesar de terem deixado boas indicações, foram incapazes de mudar o rumo dos acontecimentos. De forma desesperante, o Whitehawk percorreu uma travesia no deserto onde em cinco jogos não conheceu o sabor da vitória.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: TIRAR A EQUIPA DA “LAMA”