O SL Benfica dá-se bem como os ares de Moreira de Cónegos. Após a goleada por 6-1 conseguida a meio da semana a contar para a Taça da Liga, os campeões nacionais regressaram a casa do Moreirense e voltaram a vencer por números gordos, 4-1. Desta feita os números finais no ataque foram mais equilibrados e os comandados de Rui Vitória podem gabar-se de uma extrema eficácia de concretização ofensiva, que não deu hipóteses de reacção aos homens da casa. E pelo meio os suspeitos do costume – de um e de outro lado – voltaram a evidenciar-se.

Liga NOS 2015/16 - Jornada 20 - Moreirense vs Benfica
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

A vitória do Benfica não pode ser questionada, não só pelo resultado final desnívelado, mas pelos números finais, apesar de mostrar claramente que o Moreirense não foi tão fácil de bater como três dias antes. Defensivamente os minhotos continuaram a mostrar grandes lacunas, mas melhoraram no ataque. Já na primeira parte se notava um certo equilíbrio nos remates, e no final esse facto consumou-se em dez disparos para cada lado. A diferença esteve na concretização. Enquanto o Moreirense enquadrou quatro remates e marcou um golo, o Benfica acertou cinco vezes na baliza e fez quatro. Em relação ao domínio de jogo, os 63% de posse de bola reflecte quem mandou no jogo.

Jonas marcou cedo, aos 16 minutos, após assistências de Pizzi, e Mitrouglou ampliou perto do intervalo. Jonas e Gaitán, a meio do segundo tempo, colocaram o resultado em 4-0, mostrando que os nomes geralmente decisivos voltavam a estar em evidência. Tal como no Moreirense, com Iuri Medeiros a marcar, tal como tinha feito na Taça da Liga, nos descontos.

“Pistolas” com mira afinada

No final e cada jogo do Benfica começa a ser norma falar de Jonas. O “Pistolas” bisou e leva já 21 golos na Liga NOS, sendo o melhor marcador destacado. E pela oitava vez (ou seja, 40% dos jogos do Benfica), o avançado brasileiro foi o homem do jogo, ao somar 7.9 no GoalPoint Ratings. Para além do bis, conseguidos em dois remates (ambos enquadrados), Jonas fez ainda dois passes para ocasião, uma assistência e ganhou três de quatro duelos aéreos.

Palavra também para Pizzi, que somou 7.1 no GoalPoint Ratings. O médio desta vez não marcou, mas rematou três vezes, fez três passes para ocasião e duas assistências para golo. Cada vez mais influente na manobra benfiquista.

Do lado do Moreirense, João Palhinha continua a dar cartas, como tem feito, aliás, ao longo da temporada. O médio emprestado pelo Sporting somou três intercepções, fez um passe para ocasião, acertou 80% de 25 passes e ganhou 64,3% de 14 duelos individuais. Exibição que lhe valeu 5.6 no GoalPoint Ratings.

Nota: Os GoalPoint Ratings resultam de um algoritmo proprietário desenvolvido pela GoalPoint que pondera exclusivamente o desempenho estatístico dos jogadores ao longo da partida, sem intervenção humana. Clique para saber mais.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: O JOGO COMO O VIMOS