a

selecção portuguesa garantiu o apuramento como um dos melhores terceiros, após empatar a três frente à Hungria, primeira classificada. Sim, é verdade. Se lesse esta entrada de texto há duas semanas diria que estávamos loucos mas foi isso que aconteceu.

Desnorte 

Todos prometiam a vitória mas Portugal não só entrou a perder como passou todo o jogo (o mais emotivo do torneio até agora) a recuperar o prejuízo imposto pela Hungria.

Aos 19 minutos, já os húngaros venciam no primeiro remate enquadrado (por Gera) que fizeram à baliza de Patrício. Nani empataria aos 42′ (a passe de Ronaldo) e a Selecção seguia para o balneário a acreditar que a partir daí o jogo seria seu, com 12 remates a quatro. Puro engano.

Fernando Santos deixaria João Moutinho no balneário ao intervalo lançando Renato Sanches. A alteração traria outra dinâmica ao miolo “luso”, embora se deva referir que Moutinho somou os seus melhores números neste Euro: cinco passes para ocasião e três cruzamentos eficazes. Estes são exemplos de variáveis nas quais nenhum outro colega “pontuou” mais alto.

Defesa tira folga

Ainda pouco tempo passava do recomeço e já Dzsudzak repunha a vantagem húngara (47′). Ronaldo apareceria aos 50′ (a passe de João Mário) a fazer o que há muito se esperava mas num lance muito consentido. Cinco minutos depois, Dzsudzak voltaria a fulminar Patrício, definindo o peso exacto do castigo imposto a uma defesa muito permissiva esta tarde (Ex. Pepe entregou 15 vezes a posse ao adversário, números de… extremo).

Ronaldo marcaria o terceiro aos 62′, a passe de Quaresma, empate que não mais se alteraria. As equipas acabariam o jogo a trocar bola de forma calma, após uma tarde frenética, visivelmente satisfeitas com a sua sorte.

Fez-lhe bem atirar o microfone

Destaques para Nani, João Mário e sobretudo Cristiano. Finalmente o “capitão” apareceu mesmo que ainda longe do que sabe fazer quando… as pernas deixam.

Ronaldo voltou a somar dez remates (apenas três enquadrados) e até abriu a sua conta com uma assistência. Os golos (fundamentais) viriam a seguir. Tudo isto (e mais algumas variáveis analisadas) valeram-lhe um GoalPoint Rating de 8.9.

Do lado húngaro uma palavra para Dzsudzak: foi o melhor “magiar” em campo e até lhe perdoamos as duas dores de cabeça pois… no final do jogo deixou um like na nossa infografia no Instagram.

Factos Estatísticos GoalPoint:

  • Ao marcar dois golos em três jogos neste Euro Nani quebrou um enguiço de longa duração: em oito jogos no Euro (’08 e ’12) nunca tinha marcado.
  • Cristiano Ronaldo passou a ser o segundo melhor marcador da História do Euro (oito golos) atrás de Platini.
  • Portugal é a primeira equipa a apurar-se na fase de grupos de um Europeu sem somar qualquer vitória.

A Hungria aguarda ainda a definição do seu adversário nos oitavos. Portugal irá defrontar a “sensacional” Croácia a 25 de Julho, sábado, pelas 20 horas.

GoalPoint | Hungria vs Portugal | Ratings | Euro 2016
Clique para ampliar
GoalPoint | Hungria vs Portugal | 1 Parte | Euro 2016
Clique para ampliar
GoalPoint | Hungria vs Portugal | 2 Parte | Euro 2016
Clique para ampliar
GoalPoint | Hungria vs Portugal | MVP | Euro 2016
Clique para ampliar