Táctica: Como jogam os Estados Unidos da América

Portugal enfrenta na segunda jornada da fase de grupos uma selecção que não lhe traz boas recordações. Apresentamos a nossa análise sobre a ideia de jogo norte-americana.

Apesar do excesso de oferta desportiva atractiva (futebol americano, basebol, basquetebol e hóquei no gelo dominam audiências), os norte-americanos demonstram cada vez mais interesse no futebol (soccer). Prova disso é a recente aposta forte de clubes como o Toronto (emblema canadiano que, contudo, joga na MLS, a Major League Soccer norte-americana – contratou Dempsey, Júlio César, Jermain Defoe por exemplo), ou de outros como o LA Galaxy. Os Estados Unidos são cada vez mais um país a ter em conta nesta modalidade e parece estar a dar os primeiros passos certos para, dentro de alguns anos, ter uma Liga competitiva e uma selecção forte.

OS CONVOCADOS

Revisitamos os convocados de Jurgen Klinsmann, com destaque para a polémica ausência de Landon Donovan, que havia estado em evidência no Mundial de 2010:

Guarda-redesT.Howard (Everton); B.Guzan (Aston Villa); N.Romando (R.Salt Lake)
DefesasD.Yedlin (S.Sounders), O.González (LA Galaxy), M.Besler (Sporting KC), J.Brooks (Hertha BSC), G.Cameron (Stoke City), T.Chandler (FC Nurnberg), F.Johnson (TSG 1899 Hoffenheim)
MédiosM.Bradley (Toronto FC), D.Beasley (Puebla), C.Dempsey (S.Sounders), M.Diskerud (Rosenborg), A.Bedoya (Nantes), J.Jones (Besiktas), B.Davis (H.Dynamo), K.Beckerman (R.Salt Lake), G.Zusi (Sporting KC)
AvançadosA.Jóhannsson (AZ Alkmaar), J.Green (B. Munique), J.Altidore (Sunderland), C.Wondolowski (SJ Earthwakes)

O CONTEXTO ACTUAL

Na selecção dos Estados Unidos desde 2011, Jurgen Klinsmann procurou fazer a junção de novos valores emergentes (exemplo da chamada de Julian Green do B. Munique) com a experiência de outros jogadores como D.Beasley ou mesmo K.Beckerman.

Os EUA vêm de uma série recente de quatro vitórias seguidas que, portanto, lhes dá uma enorme confiança para o desafio que se avizinha com Portugal.

CARACTERIZAÇÃO GERAL 

Os “Yanks” de Klinsmann apresentam-se num 1-4-4-2 clássico constituído por: GR-1-T.Howard; DD-23-F.Johnson; DC-20-G.Cameron; DC-5-M.Besler; DE-7-D.Beasley;MC-K.Beckerman; MCE-13-J.Jones; MCD-11-A.Bedoya; MC-4-M.Bradley; PL-8-C.Dempsey; PL-9-A.Jóhannsson.

O 4-4-2 norte-americano (figura 1)
O 4-4-2 norte-americano (figura 1)