AIslândia bateu hoje a Inglaterra por 2-1 num dos jogos mais emocionantes deste Euro 2016. Os ingleses começaram na frente mas os islandeses viraram a partida em apenas 15 minutos e deram “show” de garra até ao final.Hetjulegur!” (heróico!) gritar-se-á na Islândia, a esta hora e durante muito tempo.

Louco início de jogo 

Os ingleses estava longe de prever um início tão auspicioso, quando aos quatro minutos, uma imprudência do “keeper” Halldorsson sobre Raheem Sterling, permitiu a Wayne Rooney marcar o seu 53º golo pela Inglaterra (é recordista), de grande penalidade.

Mas ninguém avisou os ex-membros da União Europeia que a vingança se fria…e rápida, para os lados da Islândia: passados apenas dois minutos, Ragnar Sigurdsson empatava a partida deixando os “pupilos de sua majestade” incrédulos.

O jogo estava ao “rubro”  e melhor ficaria quando aos 19 minutos Joe Hart contribuiu activamente (defesa incompleta) para o golo islandês de Kolbeinn Sigthorsson após assistência de Jón Bödvarsson.

Estava feita a bombástica reviravolta no marcador, numa representação cabal da enorme entrega e eficácia nórdica (dois golos em apenas quatro remates na primeira parte).

Islandeses não foram em “autocarros”

Mesmo a vencer (nesta altura com surpresa apenas para quem não assistia ao jogo) a Islândia não se limitou a fechar-se na defesa e conseguiu até fazer o mesmo número de remates da primeira parte (quatro) e somar mais algumas oportunidades para aumentar a vantagem.

A Inglaterra… conseguiu, de forma essa sim surpreendente, piorar os índices da primeira parte:

  • Menos remates (de dez para oito “tiros”)
  • Menos cantos (quatro para três)
  • Menos posse de bola (de 69% para 68%)
  • Menor eficácia de passe (de 89% para 83%).

A exibição da selecção dos “três leões” no segundo tempo foi… deprimente. Com tantos remates enquadrados como a selecção do pequeno ilhéu, foi uma questão de tempo até estar consumada a segunda saída da Inglaterra da Europa numa semana (repare que não usámos o termo “Brexit” como irá ler por todo o lado). Feriado nacional na Islândia?

Numa equipa que já faz parte da história do seu país, foi hoje Ragnar Sigurdsson a assumir o papel de expoente máximo GoalPoint Ratings  com 7.4. Marcou o segundo golo em dois remates ao alvo, fez três desarmes, dez alívios de bola e ganhou dez duelos em doze (!).

Factos Estatísticos GoalPoint:

  • A Inglaterra tinha empatado os últimos quatro jogos em fases a eliminar do Europeu, ganhando apenas uma e perdendo três nas grandes penalidades, duas delas contra Portugal. Agora perdeu nos 90 minutos.
  • Desde a vitória frente ao Equador no Mundial de 2006 que a Inglaterra não vence um jogo no tempo regulamentar de uma fase a eliminar.
  • O penálti que a Inglaterra dispôs aos quatro minutos foi o seu primeiro em fases finais de um Europeu desde o Euro 2004.
  • Rooney tornou-se o quarto jogador inglês a marcar em três torneios consecutivos. Este foi o seu sexto em fases finais de um Euro. Apenas Alan Shearer tem mais (sete).
  • Três golos em apenas dezanove minutos de um jogo é um recorde em campeonatos europeus.

Com esta vitória está carimbado o (brilhante) bilhete para os quartos-de-final para a Islândia. Os heróis nórdicos irão agora defrontar a França, domingo às 20 horas.

GoalPoint | Inglaterra vs Islândia | Ratings | Euro 2016
Clique para ampliar

GoalPoint | Inglaterra vs Islândia | MVP | Euro 2016
Clique para ampliar

GoalPoint | Inglaterra vs Islândia | 1 Parte | Euro 2016
Clique para ampliar
GoalPoint | Inglaterra vs Islândia | 2 Parte | Euro 2016
Clique para ampliar