Ivan Cavaleiro | Este “lobo” quer ir à Sibéria 🐺

-

Em recente entrevista ao MaisFutebol, Fernando Santos afirmou que um dos campeonatos que está a ser mais observado pelo seu staff é a Segunda Liga Inglesa, vulgo Championship. Convenhamos que faz todo o sentido. Poucas competições hoje em dia têm tantos jogadores portugueses (16, mais especificamente) como este campeonato, sendo que muitos deles são jovens a tentar lançar (ou relançar) as suas carreiras. As recentes chamadas de Rúben Neves e Nélson Oliveira confirmam que o Engenheiro não estava a fazer bluff, e isso parece estar a motivar o restante contingente.

O Wolverhampton, de Nuno Espírito Santo, conta com seis elementos desse pelotão, quase todos eles habituais titulares. Ao já falado Rúben Neves, há a juntar Diogo Jota, Roderick Miranda, Hélder Costa, Rúben Vinagre e… Ivan Cavaleiro. É sobre este último que temos que falar.

Apesar de Diogo Jota até ter mais minutos e golos (sete), tem sido a recente forma do ex-jogador do Benfica a espantar os ingleses, sobretudo tendo em conta o seu desempenho intermitente da época passada [GPR: 5.55], quando era Hélder Costa 6.14 o mais brilhante dos extremos do plantel.

Ivan até nem começou a época como titular, mas a partir do momento em que, à sétima jornada, teve uma oportunidade no “onze”, não mais a largou. Desde aí, tem vindo a subir acentuadamente de forma ao ponto de ser, neste momento, o quarto jogador com melhor GoalPoint Rating do Championship, 6.44.

GoalPoint-Ivan-Cavaleiro-grafico-forma-infog
A forma de Ivan Cavaleiro no Championship 17/18

 

A actuar sobretudo a partir do flanco direito, o extremo de 24 anos já soma quatro golos e cinco assistências (todos de bola corrida) em 928 minutos de utilização. Está, portanto, envolvido directamente numa acção de golo a cada 103 minutos.

Comparando os seus números em 2017/18 com os da temporada passada, nota-se uma evolução muito interessante do jogador português, a vários níveis. Como referência, juntámos também as estatísticas do seu colega de equipa, Diogo Jota, que alinha no flanco oposto e está, também ele, a fazer uma época acima da média 6.14.

[vc_table vc_table_theme=”simple”][bg#000000;c#ffffff],[bg#000000;c#ffffff;align-center]Cavaleiro%0A17%2F18,[bg#000000;c#ffffff;align-center]Cavaleiro%0A16%2F17,[bg#000000;c#ffffff;align-center]Diogo%20Jota%0A17%2F18|Minutos%20%2F%20Golo,[align-center]232,[align-center]326,[align-center;b]191|Remates%20(%C3%A1rea),[align-center]1%2C3,[align-center]1%2C4,[align-center;b]1%2C9|        %25%20enquadrados,[align-center;b]54%25,[align-center]40%25,[align-center]42%25|Remates%20(fora%20da%20%C3%A1rea),[align-center;b]0%2C9,[align-center]0%2C6,[align-center;b]1%2C0|        %25%20enquadrados,[align-center]22%25,[align-center;b]30%25,[align-center]18%25|Minutos%20%2F%20Assist%C3%AAncia,[align-center;b]186,[align-center;b]326,[align-center]511|Passes%20para%20finaliza%C3%A7%C3%A3o,[align-center;b]2%2C6,[align-center]2%2C0,[align-center]1%2C5|%25%20Cruzamentos%20eficazes,[align-center;b]27%25,[align-center]17%25,[align-center;b]24%25|%25%20Passes%20certos%20(%C3%BAlt%201%2F3),[align-center;b]75%25,[align-center;b]72%25,[align-center]68%25|Tentativas%20drible,[align-center]3%2C4,[align-center]3%2C9,[align-center;b]4%2C6|        %25%20eficazes,[align-center;b]66%25,[align-center]43%25,[align-center;b]58%25|Tentativas%20drible%20(%C3%BAlt.%201%2F3),[align-center]1%2C8,[align-center;b]2%2C4,[align-center;b]2%2C4|        %25%20eficazes,[align-center;b]68%25,[align-center]48%25,[align-center]49%25|Faltas%20sofridas%20(%C3%BAlt.%201%2F3),[align-center;b]0%2C7,[align-center]0%2C6,[align-center]0%2C5|Ac%C3%A7%C3%B5es%20defensivas%20completas,[align-center;b]2%2C2,[align-center;b]2%2C4,[align-center]1%2C5[/vc_table]

Médias por cada 90 minutos jogados
Fonte: GoalPoint / Opta

Seja para onde for que se olhe, é muito fácil verificar o crescimento que Ivan Cavaleiro teve com NES. O português está mais eficaz a rematar, cruzar e driblar, assiste com muito mais frequência, e a sua performance a nível defensivo está em linha com a da época passada, quando o Wolves era uma equipa com muito menos tempo de posse de bola.

Na comparação com Diogo Jota, verifica-se que o ex-FCP remata mais, sobretudo dentro da área, mas não necessariamente melhor, e que é menos eficaz no drible, sobretudo em zonas mais adiantadas. Também a nível defensivo, Jota oferece menos mas, ainda assim, qualquer um deles está com um desempenho bastante interessante.

É certo que Portugal conta com muitas opções para as alas, mas se Ivan mantiver este momento até ao Verão, pode e deve ser uma opção a considerar. O facto de também já ter actuado algumas vezes numa dupla de avançados – até ver, o sistema preferido de Fernando Santos -, confere-lhe uma versatilidade que pode ser mais um trunfo a seu favor. Para já, são apenas boas promessas, mas se há actualmente jogador português no Championship que merece ser observado atentamente, pela Federação e não só, o seu nome é Ivan Cavaleiro.

Hernâni Ribeiro
Hernâni Ribeiro
Formado em estatística e gestão de informação, e Data Scientist profissional. É Head of Analytics na GoalPoint e responsável pela GoalPointPro