O mês de Março chegou ao fim e, com ele, ficou a sensação de autêntico “dilúvio” no topo da tabela – não, não estamos a falar na muita chuva que caiu em Portugal. Logo na primeira jornada do mês, a 25ª, o FC Porto bateu o Sporting por 2-1 no Dragão e complicou as contas do “leão” na luta pelo título. Na ronda seguinte o FC Porto perdeu por 1-0 na visita ao Paços de Ferreira, deixando os seus concorrentes directos aproximarem-se. Na 28ª, a última, Porto e Sporting perderam, os “azuis-e-brancos” no Restelo, os de Alvalade em Braga, deixando o Benfica assumir a liderança do campeonato, com um ponto de vantagem sobre os portistas e seis sobre os sportinguistas.

Este foi o cenário de um mês quente. O peso que Março terá no que resta da competição dependerá dos próximos resultados, naturalmente. Mas para a História fica um período muito positivo para o Benfica, que reforçou as aspirações de alcançar o “penta”. Um dos principais obreiros deste período “encarnado” é Jonas, o brasileiro goleador que, no seu último dia com 33 anos, chegou aos 33 golos nesta Liga. Uma curiosidade apenas, mas o facto é que o “Pistolas” foi o Jogador do Mês de Março, com base no desempenho nestas quarto jornadas (da 25ª à 28ª), expresso no nosso GoalPoint Ratings.

A concorrência foi, no entanto, apertada. Jonas registou um assinalável 7.23, um pouco acima dos 7.00 de Ricardo Horta, o segundo jogador com melhor desempenho em Março, formando os dois os únicos jogadores com um desempenho igual ou superior a 7. A fechar o pódio ficou Tozé, do Moreirense, com 6.75. O benfiquista é, assim, o sucessor de Sérgio Oliveira como jogador do mês, após o médio do FC Porto ter brilhado em Fevereiro e repete um “título” que já havia arrecadado em Setembro de 2017, para nos cingirmos à época em curso.

Como sempre, convidámos os nossos leitores a prever quem iria liderar os ratings do mês findo. À hora de redacção deste artigo, o veredicto dava vantagem a Ricardo Horta. O bracarense não andou longe, mas Jonas esteve ligeiramente melhor, no somatório dos muitos factores que concorrem para o desempenho e o nosso rating destacou isso mesmo.

QUEM FOI O MELHOR DE MARÇO? 🏅Antes de revelarmos quem foi o "craque" com melhor desempenho GoalPoint Ratings de Março…

Publiée par GoalPoint.pt sur mardi 3 avril 2018

Desbloqueador de problemas

Por mais que tentemos olhar para as virtudes do momento que o Benfica atravessa, é impossível deixarmos de lado a influência que Jonas tem tido. No mês de Março o Benfica marcou 11 golos nos quatro triunfos que conseguiu, com seis assistências entre todos os seus jogadores e Jonas registou quase metade destas acções, com seis tentos. E nestes quatro compromissos, a formação “encarnada” contou com o sangue frio do “Pistolas” para desbloquear jogos, uns bem cedo, outros que teimavam em não ver o marcador funcionar.

Na 25ª jornada, na goleada por 5-0 sobre o Marítimo, Jonas abriu o activo aos 16 minutos e depois marcou o terceiro e o quarto tentos. Na 26ª, perante um Desportivo das Aves aguerrido (2-0), teve de ser o brasileiro a resolver o problema, inaugurando o marcador aos 71 minutos. Jonas ficou em branco na ronda seguinte, em Santa Maria da Feira, apesar dos seis remates que somou (todos desenquadrados), mas criou duas ocasiões flagrantes. Na última jornada de Março, o ponta-de-lança marcou os dois golos do Benfica frente ao V. Guimarães. O peso de Jonas no futebol do Benfica e na subida na tabela foi assim incontornável. Neste período somou seis passes para finalização e criou duas ocasiões flagrantes, pelo que não se limita a marcar golos, mesmo que nem sempre as suas “ofertas” sejam aproveitadas pelos colegas.

Uma presença pró-activa

Essa constatação não surge por mera observação, mas pelos números que apresenta em diversas variáveis. Apesar de ser um ponta-de-lança, Jonas não se esconde do jogo e o futebol do Benfica passa muito pelos seis pés. Ao ponto de, neste mês de Março, o brasileiro ter registado uma média de 43,4 acções com bola a cada 90 minutos.

No que toca a acções ofensivas puras, o “Pistolas” não abranda, com um impressionante registo de 4,8 remates a cada 90 minutos nos quatro jogos do mês de Março, dos quais enquadrou uma média de 2,0. Trata-se de uma eficácia de remate de 42% e uma taxa de conversão em golo de quase 32%. Valores elevados em especial para um jogador que tenta o remate como poucos, num volume de acções ofensivas que, para outros, seria o suficiente para baixar bastante as percentagens de eficácia dos vários momentos em que participam.

GoalPoint-Jogador-mes-Marco-2018-Jonas-Benfica-Liga-NOS-201718-infog
Clique para ampliar

O melhor jogo de Jonas neste período foi logo o primeiro, no arranque do mês. O Benfica goleou o Marítimo por 5-0 e Jonas fez um “hat-trick”, registando um GoalPoint Rating de 8.0 – só não mais elevado porque, para além dos três golos em cinco remates, o “Pistolas” pouco mais fez em termos de passes para finalização, dribles ou outras acções ofensivas relevantes.

Ainda assim, o brasileiro não foi o melhor em campo nesse jogo, reservando para outros dois a distinção de MVP, graças ao 7.3 em casa do D. Aves e o 7.4 ante os vimaranenses. O rating de 5.9 na casa do Feirense foi o único que destoou num mês de grande regularidade e exuberância, mas que, ainda assim, permitiu a Jonas ficar umas décimas acima de Ricardo Horta, um dos jogadores na base da grande temporada do Sp. Braga – com cinco golos e três assistências durante o mês de Março.

O campeonato nacional está a entrar na sua recta final, com seis jornadas a faltar para o término da prova. E o Benfica, agora líder, vai precisar de um Jonas nesta forma até final, se quiser alimentar o sonho do “penta”.

Parabéns, Jonas!

Descubra neste link todos os Jogadores do Mês GoalPoint da Liga NOS, da época em curso e anteriores.

Não perca amanhã o anúncio dos restantes dez magníficos que acompanham Jonas no “onze” GoalPoint Ratings de Março de 2018.