De certa forma começa a ser repetitivo destacar alguns nomes da Liga NOS como crónicos Jogadores do mês GoalPoint, um pouco como aconteceu na época passada. Agora, em 2015/16, a tendência parece manter-se com os que não foram transferidos e continuam a espalhar a sua qualidade nos relvados portugueses.

O melhor exemplo disso mesmo é, talvez, Nicolás Gaitán. Esteve “vendido” várias vezes neste defeso (aliás como nas épocas anteriores), mas vai ficando pelas bandas do Estádio da Luz.  Aparentemente Nico não se acomodou ou deixou afectar pelas constantes notícias de uma transferência milionária e manteve uma extraordinária produção individual, fiável como um relógio suíço, sempre em prol da equipa, como mostram os números deste arranque de temporada. A sua influência no conjunto orientado por Rui Vitória é indiscutível e, se mantiver a regularidade, arrisca-se a pulverizar os valores de temporadas idas – que já então o tinham transformado, talvez, no melhor jogador a actuar em Portugal.

Jogador do mês 2015/16 - Nicolás Gaitán - Agosto 2015
Clique na infografia para ampliar (foto: J. Trindade infografia: GoalPoint)

Gaitán não fez por menos. Em três jogos já leva quatro assistências, uma média de 1,3 por cada 90 minutos, um arranque muito acima das (já impressionantes) 0,63 conseguidas na temporada transacta. Mas o argentino não se fica por aqui. Nestas três jornadas, e certamente tendo por causa o estilo de jogo da equipa, este ano sob o comando de Rui Vitória, mais directo e menos trabalhado na fase ofensiva, Gaitán já realizou uma média de 9,7 cruzamentos a cada 90 minutos, três vezes mais do que em 2014/15 e com 38% de eficácia, contra os 33% anteriores.

A sua importância nota-se também nos passes para ocasião, que já vão em 19, cerca de seis a cada 90 minutos. Como comparativo, os jogadores logo a seguir com mais passes para ocasião são o companheiro de equipa Jonas e o sportinguista Jefferson com… oito. A influência* de 57% de Gaitán em todo o futebol ofensivo dos “encarnados” tem disfarçado os problemas que a equipa tem encontrado neste arranque de época – , apesar de ainda não ter marcado golos ou sequer enquadrado um remate (claramente o seu ponto fraco e não é de agora) -, pelo que foi, certamente, um alívio para Rui Vitória e para os adeptos benfiquistas que Gaitán não tenha rumado a outras paragens.

UM JOGADOR “BENCHMARK”

Aproveitamos o anúncio de Gaitán como primeiro jogador do mês da época 2015/16 para partilharmos uma inovação: os Benchmarks GoalPoint, nos quais comparamos jogadores com as médias de desempenho (da Liga e “três grandes”) para a sua posição. E nesse capítulo Gaitán revela ser um jogador absolutamente impressionante, sobretudo no que toca à criação de oportunidades para os colegas.

Benchmarks GoalPoint - Nicolás Gaitán - Agosto 2015
Clique na infografia para ampliar (foto: J. Trindade infografia: GoalPoint)

E se é verdade que Gaitán não prima pela frequência, eficácia ou felicidade do remate o argentino compensa com algo que provavelmente nos escapa muitas vezes na mera observação do seu jogo: ganha cerca de duas vezes mais desarmes que os homólogos de posição, no Benfica e rivais, uma produtividade defensiva atípica num extremo. E esta hein?