O FC Porto alcançou uma importante vitória por 1-0 na visita ao Krasnodar, em jogo da primeira mão da terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões. Os “azuis-e-brancos” controlaram quase sempre o seu adversário, não o deixando criar muito perigo, e acabaram por marcar perto do fim, por Sérgio Oliveira, na cobrança de um livre directo. O “play-off” está, assim, mais perto.

A ausência de golos no primeiro tempo não espelha o facto de o FC Porto ter sido melhor nos momentos de ataque, apesar de não ter realizado uma exibição brilhante. Os “dragões” dominaram em absoluto em termos de posse de bola, com 61%, e realizaram quatro remates (e o único enquadrado desta fase), contra dois dos russos. Moussa Marega foi o mais inconformado, construindo, aos 24 minutos, um lance que Jesús Corona concluiu com muito perigo. Do outro lado, o estreante Agustín Marchesín pouco ou nenhum trabalho tinha.

Apenas aos 80 minutos o Krasnodar ameaçou, com Rémy Cabella a rematar no coração da área para uma defesa de grande nível de Marchesín, a mostrar-se pela primeira vez e a provar que os muitos minutos sem trabalho não afectaram a sua concentração. Este foi um lance que surgiu na melhor fase dos anfitriões, com estes a dominarem e a crescerem na partida. Mas o golo surgiu na outra baliza.

Aos 89 minutos, na cobrança de um livre directo, Sérgio Oliveira assinalou o seu regresso aos jogos oficiais pelo FC Porto com um golo de belo efeito, que coloca os “dragões” numa promissora vantagem, sem golos sofridos, na terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões. Um resultado curto, mas justo para a formação mais perigosa em campo.

Nota: Esta partida não incluiu a cobertura habitual GoalPoint por não ter sido alvo do nível de recolha estatística Opta fundamental ao nosso trabalho analítico complementar.