Liga NOS | O Barómetro à 10ª jornada 📊

-

Com quase um terço de campeonato jogado e mais uma paragem para selecções, trazemos de volta o Barómetro GoalPoint para procurar entender as tendências de jogo actuais das equipas da Liga NOS. Com esse mesmo foco, e até tendo em conta que fizemos este exercício pela última vez após a quarta jornada, neste “PowerRanking” irão constar dados das últimas oito rondas, e assim será nas próximas actualizações.

GoalPoint-Barometro-Novembro-2018-J10-Liga-NOS-infog
Clique para ampliar

O foco, naturalmente, está na luta pelo título. O FC Porto lidera o campeonato e mantém-se em grande, com e sem bola. Os homens de Sérgio Conceição continuam a criar com qualidade, reflectida nos 1,82 expected goals (xG) por jogo nestas oito rondas, muito devido ao facto de serem ainda a segunda equipa com mais remates na área por 90 minutos (11). Os golos, 1,5 por jogo, têm surgido naturalmente. Os “dragões” mostram-se cada vez melhores no momento do passe, com 81,4% de eficácia, e mantêm o imenso poderio aéreo defensivo, com Filipe, Militão e Danilo a ajudá-los a ser a equipa com mais duelos aéreos defensivos ganhos (66,9%). Por fim, não só têm a melhor defesa da Liga (0,5 golos sofridos), como este facto parece ter pernas para continuar: é a que sofre menos remates (8,3) e a segunda que menos disparos concede na área (4,6).

Em segundo lugar está o Sporting, que tem vindo a crescer lentamente após um início de temporada em que demonstrava um tipo de jogo mais directo na sua construção. A equipa leonina tem vindo a procurar menos a bola longa e soma números um pouco acima da média no que toca a passes (409), passes no meio-campo adversário (226) e passes no último terço (131). Os “leões” são agora a segunda equipa com mais remates na Liga (17,1 por jogo) mas são também, de longe, a que mais remates realiza de fora de área (7,4). Defensivamente já somam 37,8% das suas acções defensivas fora do primeiro terço, sendo os segundos no campeonato nesta métrica, e são os que menos remates na área permitem (4,5) – sinais muito positivos para o novo treinador explorar.

Após a derrota no Dragão, o Sp. Braga caiu para terceiro no campeonato, mas a exibição mostrou “estofo” da equipa de Abel para acompanhar os “três grandes”. Defensivamente, os “arsenalistas” mantêm-se muito sólidos, com o segundo melhor registo defensivo do campeonato (0,63 golos sofridos por jogo) e outro muito razoável em expected goals (0,85) – aos quais se acrescentam as mãos seguras do jovem Tiago Sá, com 78,3% de remates enquadrados defendidos. Com bola são a terceira formação que mais oportunidades flagrantes cria (1,75) e a que mais cruza (17 de bola corrida por jogo), procurando o melhor marcador da Liga, Dyego Sousa.

[Gráfico da evolução da classificação até à 10ª Jornada da Liga NOS 18/19]

A completar o lote de candidatos está o Benfica, que continua a viver o paradoxo de ser a maior força ofensiva do campeonato e, ao mesmo tempo, ter de melhorar neste mesmo capítulo. É a formação que mais remata (18,1), a que mais dispara na área (11), de longe a que mais ocasiões flagrantes de golo cria (3,1, comparados com as 2,0 do FC Porto, logo a seguir) e, por tudo isto, lidera a tabela de expected goals, com o relevante valor de 2,2. No entanto, e apesar de ter o melhor ataque do campeonato, com (1,75 golos), os “encarnados” não têm marcado o suficiente para o seu volume de criação – algo notório nos resultados menos bons em jornadas recentes. Com bola, para acompanhar esse volume criativo, o Benfica é o conjunto com mais passes (503,6) e dos que pressiona mais alto – 41,2% das acções defensivas acima do primeiro terço. Tudo indica que os golos irão voltar em breve. Defensivamente mostram mais fragilidades, principalmente em transição, pois apesar de serem a segunda equipa que menos remates permite – apenas 9,0 comparado com 8,3 do Porto -, os poucos que sofrem são muito mais perigosos (1,15 xG sofridos, contra 0,55 do FCP).

Donos da bola e problemas ofensivos

Na zona europeia, o Rio Ave continua a ter números muito interessantes. Os vilacondenses lideram na eficácia de passe (83,9%) com o seu jogo muito controlador, de cariz curto, pois realizam apenas 3,9% de passes longos para o último terço, e com pouco recurso ao cruzamento. A equipa vai criando com facilidade (1,5 golos), pois os seus avançados vão  aproveitando mais as suas oportunidades do que os restantes da Liga (13,5% remates convertidos). Defensivamente mostram solidez pelo ar (63% duelos aéreos defensivos ganhos), mas são a equipa com menos acções defensivas acima do primeiro terço do terreno (20,8%) – uma característica estranha para uma equipa com uma tendência de jogo de posse e algo que mostra problemas ao nível da transição defensiva.

Já o Moreirense, com números dentro da média da Liga com e sem bola, vai mostrando-se pela sua interacção com a regra do fora-de-jogo: os “cónegos” são a formação com menos offsides assinalados (0,9) e são, de longe, os que mais foras-de-jogo provocam (4,8 por jogo, com o Chaves em segundo, com apenas 2,6), através da sua linha defensiva muito subida e bem trabalhada neste sentido. De seguida temos ambos os Vitórias, que se vão destacando defensivamente: com 0,8 xG (Vitória SC) e 0,85 (Vitória FC) sofridos, vão mostrando uma enorme capacidade de restringir a capacidade dos adversários criarem oportunidades. O Vitória de Luís Castro fá-lo através de um jogo de maior posse e controlo, enquanto o de Lito Vidigal tira partido de uma grande densidade de jogadores nas suas zonas recuadas, contra-atacando depois com bolas longas (8,7% passes longos para o último terço).

Seguem-se o Santa Clara e o Belenenses SAD, que muito diferem em termos de estilo, mas mantêm uma diferença de dois pontos entre eles. Os açorianos são a equipa que menos passes tenta (243,6) e acerta (68,7%) nas últimas oito jornadas. O seu jogo directo tem vindo a dar frutos, mas com indícios de sobre-produção: os 13,2% de remates convertidos são um número elevado, que ajuda a explicar o porquê de terem bem mais golos marcados (1,25) do que esperados (0,97). No reverso da medalha está o Belenenses, que é a segunda equipa com mais tentativas de passe (444,3) e que tem usado esta habilidade de ter bola mais numa perspectiva de não deixar jogar o adversário (0,63 golos sofridos) do que de criar para si mesmo (0,25 golos marcados). Os expected goals apontam para que esta tendência dos homens de Silas vá equilibrando durante a época, aproximando-se da média em ambos os lados.

No fim da tabela temos um Chaves com imensos problemas ofensivos – apenas 4,0 remates na área de bola corrida por partida, o pior registo da Liga NOS – e um Nacional da Madeira que, sem contar com os “três grandes”, é a segunda formação que menos remates permite no campeonato (11,1), mas que é, de longe, aquela com uma menor percentagem de remates enquadrados defendidos (51,9%).

Um pouco mais acima, o Feirense continua com um registo defensivo muito problemático (1,62 golos sofridos) e – como já tínhamos previsto no último barómetro – começou a perder pontos assim que Caio Secco deixou de estar em sobre-produção na baliza. Tendo em conta também o registo ofensivo, com o número mais baixo de expected goals a favor (0,68) e o mais baixo de remates (8,4) no campeonato, o Feirense é, neste momento, o grande candidato aos lugares mais baixos da Liga num futuro próximo, se não mudar de abordagem.

Muitos são os dados a analisar, e a partir de diversas abordagens diferentes, mas com mais uma paragem, e analisando estas estatísticas, ficámos a saber um pouco mais sobre o nosso campeonato para além dos pontos na tabela classificativa, com números que mostram o “ADN” de cada formação até ao momento.

GoalPoint
GoalPoint
O GoalPoint.pt é um site produzido pela GoalPoint Partners, uma start-up especializada em análise estatística de futebol, que oferece serviços dirigidos a profissionais, media, patrocinadores/anunciantes e adeptos.
GoalPoint

GRÁTIS
BAIXAR