como é habitual quando há pausas no campeonato para jogos da selecção nacional, trazemos-lhe o “onze” ideal da Liga NOS composto apenas por jogadores lusos. Desta feita há quatro seleccionados por Fernando Santos no lote de “escolhidos” pelos GoalPoint Ratings, sendo que apenas dois dos efectivamente convocados a jogar em Portugal não cabem na nossa selecção.

Um “onze” bastante heterogéneo no que aos clubes diz respeito. São oito as equipas representadas, e apenas três delas (Benfica, Santa Clara e Moreirense) elegem mais do que um jogador.

Vamos então aos melhores, escolhidos entre jogadores que já alinharam mais do que 315 minutos no presente campeonato.

 

Marco Pereira (Santa Clara) 6.52 – Se recuarmos ao último “onze” luso da época passada, já tinha sido ele o titular. Aos 32 anos, Marco está a ser o melhor guarda-redes da Liga NOS 19/20, com mais de cinco décimas de vantagem sobre o segundo, e merece começar a ser olhado com outros olhos. Lidera em defesas por jogo (3,6) e percentagem de remates defendidos (86%), sendo que 64% dessas defesas foram aos ângulos superiores da baliza. Entre os postes é um autêntico “gato”.

João Aurélio (Moreirense) 6.23 – Com André Almeida – integrante do último “onze” – a falhar vários jogos por lesão, João Aurélio aproveitou para assumir o lugar na lateral-direita. Tem-se destacado sobretudo a nível defensivo, com a melhor média de intercepções (2,9 / 90m) e alívios dentro da área (3,0 / 90m) entre todos os laterais do campeonato, mas também brilha no drible (1,7 tentativas por jogo, com 75% de eficácia).

Pepe (Porto) 6.03 – Continua a merecer a confiança de Fernando Santos e a mostrar o porquê ao serviço do Porto. É um perigo nas bolas paradas, vencendo 75% dos seus duelos aéreos ofensivos, e tem bons números ao nível do passe (74% de eficácia nos passes verticais).

Fábio Cardoso (Santa Clara) 6.18 – Já é um hábito marcar presença nestes “onzes”, e desta feita fá-lo enquanto melhor central português do campeonato até ao momento. Fundamental na primeira fase de construção do Santa Clara, só falhou 4,7% dos passes que executou dentro do meio-campo mais recuado. Na retaguarda é dos melhores no jogo aéreo (75% de duelos aéreos defensivos ganhos) e atravessa-se no caminho de 1,7 remates a cada jogo.

Nuno Sequeira (Braga) 6.36 – Aos 29 anos está em ponto de rebuçado e em condições de lutar por um lugar na selecção. Nenhum lateral no campeonato – nem Alex Telles – oferece mais passes para finalização do que ele (3,0 / 90m) e é o segundo que mais cruza (6,3 / 90m). A capacidade de progressão com bola fica atestada pelos 1,7 dribles e 2,4 faltas sofridas a cada jogo (melhores médias entre jogadores da sua posição).

Fábio Pacheco (Moreirense) 6.51 – Ano após ano, jornada após jornada, continua a registar números de excelência. Desta vez até já tem duas assistências no “cardápio”, composto pelo habitual trabalho defensivo. Está entre os cinco melhores médios do campeonato em desarmes (3,3), intercepções (3,3), alívios (2,1) e percentagem de duelos aéreos defensivos ganhos (73%).

Bruno Fernandes (Sporting) 7.24 – Há quem diga que está em sub-rendimento, mas os números do jogador do ano na Liga NOS 18/19 não o mostram. Fez apenas seis jogos e já leva quatro golos e outras tantas assistências, uma contribuição directa para 80% dos golos do Sporting nos jogos em que esteve em campo. É ainda o homem que mais passes para finalização (3,5 / 90m) oferece em toda a Liga e o médio que mais dribla no último terço (1,5 / 90m). Sem bola é também o médio com mais acções defensivas nesse sector do terreno (1,7 / 90m).

Pizzi (Benfica) 6.94Melhor marcador do campeonato, a par de Zé Luís, com seis golos, Pizzi continua a mostrar-se fundamental no Benfica. Encostado à direita, é dos flanqueadores que mais cruza (3,7 / 90m, com eficácia de 22%) e aquele que mais passa (56,1 / 90m, com certeza de 77%). A eficácia de drible (35%) pode melhorar.

Fábio Martins (Famalicão) 7.16 – Trocou Braga por Famalicão e desde logo venceu o prémio de melhor do mês de Agosto, marcando ainda presença no “onze” de Setembro. Os quatro golos e três assistências que acumula em sete jogos são o melhor atestado da sua influência. À arte com bola junta ainda muito trabalho sem ela, e é dos flanqueadores que mais acções defensivas (4,8) regista a cada jogo.

Rafa Silva (Benfica) 7.21 – Foi dispensado da selecção devido a lesão, mas o seu lugar na convocatória era mais do que merecido. Rafa foi o melhor jogador no mês de Setembro e tem sido dos melhores da Liga NOS em vários parâmetros. Desde logo é o segundo maior driblador (3,8 / 90m), o décimo que mais faltas conquista (3,3 / 90m) e o sétimo que mais remates de bola corrida oferece (2,0 / 90m). Apesar de cruzar pouco, tem 50% de eficácia nessa acção e 57% naqueles que faz para lá da linha limite da grande área.

André Pereira (Vitória SC) 5.70 – A posição de ponta-de-lança é sempre das mais difíceis de preencher nestes “onzes” lusos, e com a saída de Dyego Sousa ficou ainda mais complicado. Felizmente, André Pereira tem tido minutos no Vitória e pode ser uma boa surpresa. Golos ainda só fez um e tem que afinar a pontaria, mas nenhum jogador dispara mais dentro da área (3,2 / jogo) do que ele. É ainda o segundo ponta-de-lança com melhor eficácia de passe (78%) e o quarto que mais dribla (1,6 / jogo).

Menções honrosas

Entre os melhores portugueses da Liga, mas que, por uma ou outra razão não couberam neste “onze”, estão ainda estes jogadores:

  • Paulinho (Braga) 6.39 – Tem tido poucos minutos no campeonato por causa da Liga Europa e ficou a 43 do limite, não fosse isso e a titularidade na frente do ataque era dele.
  • Nuno Santos (Rio Ave) 6.22 – Um dos extremos mais empolgantes do campeonato, que aos 24 anos parece ter voltado ainda melhor depois da lesão.
  • Nuno Coelho (Belenenses) 5.96 – Ficou perto do rating de Pepe e tem tido desempenhos muito interessantes como central.
  • Danilo Pereira (Porto) 5.89 – Um dos convocados que não aparece no “onze”. É o terceiro médio-defensivo entre portugueses, a seguir a Fábio Pacheco e Florentino Luís, com 6.13.
  • Rúben Dias (Benfica) 5.85 – Ainda não foi desta que constou entre os melhores, apesar de o seu rating estar melhor do que o habitual. Ficou em sexto entre os centrais lusos da Liga NOS.