Quatro jornadas e duas penosas pausas depois, estão de volta os “onze” mensais GoalPoint Ratings para a Liga NOS. De forma a não utilizarmos apenas duas jornadas para o cálculo do melhor “onze” de cada mês, juntámos Setembro e Outubro para que a amostra fosse significativa.

Este é um regresso com algumas curiosidades, a começar pela defesa, que mantém três dos quatro elementos que compuseram a linha defensiva em Agosto. Também “lá atrás” aparecem dois representantes do Aves, apesar de os comandados de José Mota terem vencido apenas um jogo (goleada por 3-0 ao Portimonense). Mas passemos aos factores que fizeram destes os melhores destas últimas quatro rondas.

GoalPoint-Onze-do-mes-Setembro-Outubro-2018-Liga-NOS-201819-infog
Clique para ampliar
  • Quentin Beunardeau (Aves) 6.03 – Não deixa de ser curioso que comecemos por um jogador que até perdeu a titularidade na última jornada. Beunardeau jogou os primeiros três jogos neste período, tendo sofrido três golos, mas evitou muitos mais, contabilizando um total de 12 defesas, ou seja, uma eficácia de 80%. Foi também o guarda-redes que mais vezes saiu da baliza, com uma eficácia de 100%.

  • Rodrigo Soares (Aves) 6.11 – Escasseiam os laterais-direitos de qualidade no nosso campeonato, mas Rodrigo tem sido uma boa surpresa, sobretudo ofensivamente. Não contabilizou nenhuma assistência, mas a culpa não foi dele, pois ofereceu 2,8 passes para finalização a cada jogo neste período, o melhor registo entre jogadores da sua posição. Foi ainda o segundo com mais dribles eficazes (1,5 / jogo).
  • Felipe (Porto) 6.69 – Já tinha marcado presença em Agosto e ainda melhorou o seu rendimento neste período. Felipe tem sido um pouco ofuscado pela “novidade” Éder Militão, mas algo injustamente. Como é hábito, facturou o “golinho da ordem” e ainda enquadrou outros dois remates de cabeça, dos cinco que tentou neste período. Defensivamente foi o central com a maior média de interceções (3,8 / jogo) e venceu 90% dos duelos aéreos que disputou.

  • Sebastián Coates (Sporting) 6.94 – Outro central com rendimento elevadíssimo na Liga NOS neste início de época. É certo que comprometeu num golo em Portimão, mas também marcou nesse jogo, e terminou o mês entre os 30 jogadores que mais remataram em todo o campeonato (2 por jogo). Foi ainda o segundo central com mais desarmes (2,5 / jogo) e venceu 81% dos seus duelos aéreos defensivos.
  • Alex Telles (Porto) 6.07 – Nada de novo por aqui. Alex Telles parece ter lugar cativo e faz sempre por merecê-lo. Uma média de três passes para finalização a cada jogo e uma eficácia de 31% nos cruzamentos fizeram dele o lateral-esquerdo mais perigoso neste período.
  • Fabrício Baiano (Marítimo) 6.34 – Uma grande surpresa neste “onze” tendo em conta que o Marítimo não venceu qualquer jogo. No entanto, Fabrício foi, de longe, o melhor dos insulares nos últimos jogos, com grande vantagem para Jean Cléber 5.43. Foi o jogador com maior eficácia de passe (92%) na Liga NOS e defensivamente registou 4,0 desarmes a cada 90 minutos, só atrás de Fejsa (4,9).
  • Pizzi (Benfica) 6.69 – O melhor no mês de Agosto baixou o seu rendimento, mas, ainda assim, foi o suficiente para ser o único representante do Benfica neste “onze”. Fez duas assistências, mas podiam ter sido bem mais, tendo em conta que registou 4,4 passes para finalização a cada 90 minutos. Manteve ainda uma soberba eficácia no passe longo (77% e 72% para o último terço) e nenhum jogador recuperou mais posses no terço intermédio (5,0 / 90m) que ele.
  • Shoya Nakajima (Portimonense) 7.20 – Não é habitual um jogador fora dos “três grandes” ser eleito o melhor do mês, mas a “jóia” dos algarvios fez por merecer, e de que maneira, a distinção. Mais sobre o seu rendimento, aqui (link).

  • Ricardo Horta (Braga) 7.19 – Ficou a apenas uma singela centésima de Shoya Nakajima. Ricardo Horta está em excelente forma e neste período anotou dois golos e uma assistência. Foi o jogador com mais passes para finalização se considerarmos apenas lances de bola corrida (2,9 / 90m), e ainda mostrou-se essencial em algo muito importante no processo da sua equipa, as acções defensivas em zonas altas (3,4 / 90m).
  • Wilson Eduardo (Braga) 5.98 – Este não foi um período em que tivesse havido pontas-de-lança em grande destaque, mas Wilson Eduardo foi o melhor entre todos. A sua capacidade para aparecer em zonas de finalização fica bem demonstrada por ter sido o jogador com mais expected goals (xG) neste período (2,6), e foi eficiente na maioria dos remates, tendo enquadrado 67% dos mesmos e colocado nos ângulos da baliza 71% dos que enquadrou.

Menções honrosas

Entre os melhores neste período, mas que, por uma ou outra razão não couberam neste “onze”, estão estes craques:

  • Rafa Silva (Benfica) 8.04 – Ficou a escassos 16 minutos de utilização de ser o melhor. Rafa está na melhor forma desde que chegou à Luz, marcou dois golos e registou 2,8 dribles eficazes a cada 90 minutos.
  • Wilson Manafá (Portimonense) 6.40 – Um golo e duas assistências em apenas dois jogos. Nada mau para um lateral-esquerdo adaptado, mas que ficou de fora por falta de minutos.
  • André André (Vitória Guimarães) 6.33 – O Vitória está a subir de forma e André André é um dos pêndulos. Os 88% de passes certos e sete acções defensivas por jogo foram alguns dos seus bons registos.
  • Vítor Gomes (Aves) 6.30 – O homem que anotou um “hat-trick” perfeito frente ao Portimonense ficou a apenas quatro centésimas de ser titular deste “onze”, no lugar de Fabrício Baiano.

GoalPoint-Banner-Passatempo-10-1819Parabéns aos eleitos!

Nota metodológica: O “onze” é elaborado de acordo com o GoalPoint Rating médio dos jogadores que cumpriram um mínimo de 240 minutos na Liga NOS, no período em questão.