Maribor 1 – Sporting 1: Defesa “kamikaze” oferece empate

Pouca mobilidade e combinações ofensivas, defesa de pouca qualidade impossibilitaram ao Sporting a conquista dos três pontos.

A falta de pontaria (já conhecida) na frente e o desacerto defensivo ditaram um empate amargo (foto: J. Trindade infografia: GoalPoint)
A falta de pontaria (já conhecida) na frente e o desacerto defensivo ditaram um empate amargo (foto: J. Trindade infografia: GoalPoint)

Na estreia na Liga dos Campeões, após várias épocas de ausência, o Sporting CP deixou fugir a vitória mercê de um erro infantil da defesa. Um jogo bem disputado a nível ofensivo pelas duas equipas, ao qual faltou eficácia e acerto com a baliza para os dois lados.

Marco Silva apostou na equipa habitual, assente num 1-4-3-3 que privilegia bastante os corredores laterais, sobretudo com os extremos a terem um papel preponderante. Contudo, estes perderam demasiadas vezes a bola, com Nani e Carrillo a ficarem sem a posse por 20 e 16 ocasiões, respectivamente.

No momento ofensivo, sendo as alas as zonas alvo para conduzir o jogo dos “leões”, os laterais Jefferson e Cedric incorporaram-se bastantes vezes nestas acções, ambos com um total de 16 cruzamentos e com um aproveitamento total de apenas sete a nível de sucesso na chegada aos colegas. Carrillo desiludiu, fazendo apenas algumas incursões perigosas durante o tempo que teve em jogo, mostrando-se demasiado displicente e pouco intenso a jogar, sendo que a nível defensivo não teve qualquer contributo digno de ficar registado estatisticamente.

No momento defensivo do Sporting, William Carvalho é um jogador que não chega para as encomendas e que raramente nas transições adversárias consegue dar cobertura aos seus colegas da linha defensiva. Sarr e Maurício demonstraram uma total falta de coordenação e uma qualidade de jogo defensivo abaixo do que seria de esperar para uma equipa a este nível. Maus alívios, erros de posicionamento, maus timings de entrada na bola e marcações individuais baralhadas… Tudo isto aconteceu.

As constantes diagonais dos dois avançados do Maribor desmontaram a defensiva “verde-e-branca”, que revelou extremas dificuldades para defender contra um sistema táctico de 1-4-4-2 clássico. Com Cedric a revelar não estar em condições físicas para ser titular, perdeu a bola cerca de 20 vezes durante o jogo e sentiu muitas dificuldades nas recuperações defensivas, movimento onde até costuma revelar enorme pulmão.

Clique na infografia para ler em detalhe (infografia: GoalPoint)
Clique na infografia para ler em detalhe (infografia: GoalPoint)

Nani a remar contra a maré

Marco Silva tentava que o Sporting defendesse num bloco mais baixo assim que o Maribor passava o meio-campo, e desta forma conseguiu fazer contra-ataques bastante perigosos e de processos rápidos. Porém quando em posse e a usar um método de ataque posicional os portugueses revelaram uma grande falta de mobilidade dos seus médios e também um uso nulo de combinações entre lateral, médio-centro e extremo.

André Martins pareceu nem pisar o relvado esta quarta-feira, perdendo muitos duelos físicos e sem emprestar qualquer criatividade ao ataque. Fez apenas um passe para ocasião de golo e não efectuou qualquer remate à baliza. A nível defensivo não fez também qualquer intercepção ou recuperação de bola, perdendo mesmo a mesma ofensivamente por dez vezes.

Nani foi o homem do ataque que mais quis sacudir o jogo com arrancadas decididas, que procuravam ou o golo, ou a assistência para um colega. Nani demonstra uma forma bastante superior aos colegas de equipa e uma atitude em campo onde se esforça até aos seus limites físicos. Fez um total de 44 passes no meio-campo ofensivo leonino e oito cruzamentos para a área adversária. É de referir ainda que foi o elemento mais rematador com um total de seis tiros à baliza eslovena, e criou ainda seis oportunidades para golos.

Uma substituição acertada foi a troca de André Martins por João Mário. O jovem atleta, que regressou do empréstimo proveitoso ao V. Setúbal, fez um total de 39 passes, sendo que André Martins fez apenas 15. João Mário, que entrou para médio-ofensivo, organizou o jogo de forma perfeita, conseguindo temporizar as jogadas e aparecendo também nas entre linhas e corredores laterais.

Do lado esloveno o destaque vai para Ibraimi, avançado canhoto que fez uma partida electrizante. Foi o mais rematador do Maribor com um total de quatro disparos, fez ainda quatro passes para golo, o melhor da sua equipa também nesse aspecto. A nível do passe foi o atleta com melhor eficácia na equipa da casa, com um acerto de 81%.

Os números finais indicam que o Sporting efectuou um total de 27 remates contra 14 do Maribor, sendo que apenas oito atingiram a baliza. Teve uma posse de bola de 63,2 % resultado também da enorme insistência leonina, que contudo revelou pouca fluidez e verticalidade. A nível de passes os comandos de Marco Silva fizeram 477 contra 290 dos eslovenos.