O Sporting foi à Madeira vencer o Marítimo por 1-0, demonstrando que, apesar das “baixas” (Slimani e Teo), o “leão” não pretende facilitar o acesso ao lugar cimeiro da Liga NOS. Uma vitória que, no entanto, não foi fácil e muito se fica a dever à eficácia leonina (um golo em três remates enquadrados e sete passes para ocasião) e à segurança de Rui Patrício. Eis os ratings do encontro:

Liga NOS 2015/16 - J12 - Marítimo vs Sporting CP - Ratings
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Apesar dos problemas internos decorrentes da crise de resultados, o Marítimo soube ser uma “presa” difícil para os “leões” e não fosse o acerto de Rui Patrício quando chamado a intervir (em duas ocasiões, uma terceira não contabilizada por fora-de-jogo) e o resultado poderia ter sido outro, num encontro que no total somou apenas cinco remates enquadrados com as balizas.

Apesar do atrevimento insular, o Sporting manteve quase sempre o controlo do jogo (a posse leonina manteve-se sempre entre os 63 e os 64%), com Adrien, João Mário e Ruiz a assumirem as despesas na hora de trabalhar para o resultado.

Adrien, o “patrão” discreto

A nação leonina acredita residir em William o seu principal activo do “miolo” mas os números vão demonstrando algo diferente. Este foi mais um jogo com valores impressionantes de Adrien, tanto a construir como a defender, coroados com o golo decisivo com mérito partilhado com João Mário (assistência).

Rui Patrício será, para muitos adeptos, outra figura decisiva, com os GoalPoint Ratings (exclusivamente estatísticos) a não premiarem a real dificuldade qualitativa das intervenções que protagonizou. Do lado maritimista os laterais e guardião foram figuras maiores, numa equipa que demonstrou mais futebol do que o que os resultados recentes poderiam indicar.

 

Nota: Os GoalPoint Ratings resultam de um algoritmo proprietário desenvolvido pela GoalPoint que pondera exclusivamente o desempenho estatístico dos jogadores ao longo da partida, sem intervenção humana. Clique para saber mais.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: O JOGO COMO O VIMOS