O adeus de Jérémy Mathieu aos relvados era esperado, mas não da forma como acabou por suceder. Num momento em que se falava da possibilidade de ainda poder jogar mais um ano, quis o joelho do francês que chegasse mais cedo o adeus a uma carreira iniciada em 2002/03, ao serviço do Shochaux. Jérémy não mais disputará uma partida profissional de futebol, mas isso não significa que alguns amigos (Bruno Fernandes) não o incentivem a ainda recuperar a tempo de um merecido jogo de despedida.

A Liga portuguesa teve a sorte de contar com a qualidade de Mathieu a partir da época 2017/18, quando o defesa-central foi contratado ao Barcelona pelo Sporting, a custo-zero. Uma mudança que provou ser um excelente negócio para o emblema luso, que garantiu um elemento de nível raro no futebol português, ou não se tratasse de um vencedor da Champions e do Mundial de Clubes. Esta constatação não se dá apenas pelo mero conhecimento da carreira de Mathieu, quer em França, pelo Sochaux e Toulouse, quer em Espanha, onde brilhou no Valência, antes de chegar ao Barça – aí, as lesões não o deixaram mostrar a qualidade que se lhe reconhecia. As exibições, a inteligência, a capacidade de liderança de Jérémy em Alvalade são acompanhadas por números que mostram tratar-se de um central de excepção, como poucos que já jogaram em Portugal.

GoalPoint-Jeremy-Mathieu-Sporting-062020-infog
Clique para ampliar

Este é o legado estatístico acumulado que Mathieu nos deixa. Foram 106 os jogos em todas as competições, com nove golos marcados. Na Liga esteve em 72 partidas, nas quais marcou seis golos, alguns de belíssimo efeito. Não foi só na defesa que o francês deixou a sua marca, mostrando muita qualidade num detalhe: a cobrança de livres directos. Metade dos tentos que fez em Portugal na Liga surgiram destes lances, correspondendo a uma conversão de 12,5% dos 24 livres que cobrou. A época mais produtiva do jogador em termos ofensivos foi a segunda, a de 2018/19, na qual marcou por três vezes.

Mas foi na defesa que Mathieu brilhou. E com intensidade. Os números acumulados dizem muito das suas características, mas vamos destacar algumas variáveis nas quais foi “mestre”. A começar pela sua capacidade no futebol aéreo. Ao todo, Jérémy participou em 228 duelos aéreos, compreendendo ofensivos em defensivos, tendo ganho 145 deles, o que corresponde a 64% de sucesso. Um número bem elevado tendo em conta que inclui três épocas. Defensivos foram 122, dos quais ganhou 68%.

Classe e eficácia também no passe

Nos outros momentos defensivos, destaque para os desarmes e para as intercepções. Quanto aos primeiros, foram 88 no total, uma taxa de sucesso de 79,9% das tentativas, sendo que em 76,1% das situações garantiu a posse de bola efectiva para a sua equipa. As intercepções foram também 88, sendo que estes são dois momentos fundamentais nas acções defensivas de um jogador, pela sua dificuldade, mas pela garantia acrescida de posse de bola para a formação em causa.

Realce também para a qualidade de passe que o francês sempre demonstrou. Em média, nas três épocas, completou 88,7% dos passes realizados, chegando aos 92,9% nas entregas no próprio meio-campo, mas também apreciáveis 71,2% no último terço. Passes longos fez uma média de 6,22 por jogo, com 60,6% de precisão, um valor que mostra bem a qualidade na altura de colocar a bola a longa distância (média de 19 metros) para os seus companheiros de equipa. Não é para todos.

Três épocas para recordar

Difícil afirmar qual a melhor temporada de Mathieu de leão ao peito – nas quais venceu uma Taça de Portugal e duas Taças da Liga -, visto que a consistência sempre foi um dos seus predicados. Estamos perante um daqueles jogadores do qual podemos afirmar que não sabe jogar mal. Se 2018/19 foi a mais prolífica em termos de golos marcados (3), a de 2019/20 testemunhou a uma maior percentagem de duelos aéreos ganhos, ofensivos (66,7%) e defensivos (76,7%). Se em 2017/18 acertou mais passes longos (67,3%) do que nas outras duas épocas, foi na seguinte que registou uma média superior de intercepções (1,58) e foi na última que atingiu quase 94% de eficácia de passe no seu meio-campo.

O legado de Mathieu é o acumular de muitos minutos em campo na Liga NOS, nas Taças nacionais e nas provas europeias, um jogador que contribuiu como poucos para um carimbo de qualidade que faz falta ao campeonato português. Fica a recordação do futebol de Mathieu, presente por cinco vezes nos “onzes” GoalPoint Ratings da jornada ao longo destes três anos.

[Alguns dos melhores momentos de Mathieu em Portugal, cortesia VSports]