O FC Porto escorregou na visita a Moreira de Cónegos e não foi além de um empate 2-2 que pode originar a perda do primeiro lugar da Liga NOS. A formação portista foi melhor em todos os sentidos, menos na eficácia de concretização: aqui o Moreirense deu cartas e uma grande lição.

Liga NOS 2015/16: Moreirense vs Porto, Jornada 6 - Onzes
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Com a Liga do Campeões e a recepção ao Chelsea no horizonte, Julen Lopetegui voltou a fazer alterações à equipa titular do FC Porto. Se a linha defensiva não sofreu alterações, no “miolo” e ataque houve surpresas. Hector Herrera e Danilo Pereira voltaram ao meio-campo, onde se manteve André André, e na frente Osvaldo ocupou o lugar de Vincent Aboubakar.

Em termos de filosofia de jogo, nada de novo. Um 4x3x3 totalmente dominador – muito por culpa, também, da inoperância do Moreirense na pressão e ocupação de espaços -, muitos passes e circulação e, como tem sido habitual, poucas oportunidades (12 passes para ocasião no total). Mas também como tem sido norma, não foram precisos muitos lances de perigo para os “dragões” chegarem ao golo.

MAICON À “LEI DA BOMBA”

A primeira parte teve três detalhes que marcaram até ao intervalo. Em primeiro lugar o golo e Maicon, aos 18 minutos, através da marcação irrepreensível de um livre directo, em arco, que levou a bola a embater no poste esquerdo da baliza do Moreirense. Depois a lesão de Yacine Brahimi em cima do intervalo, que poderá afastar o argelino do próximo jogo. Finalmente, a arrasadora posse de bola portista.

: Moreirense vs Porto, Jornada 6 - 1 Tempo
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

O FC Porto terminou o primeiro tempo com 78,6% de posse de bola – chegou a ter 80,2% aos 20 minutos -, 349 passes, sete remates, sendo quadro deles enquadrados. A completa ausência de futebol atacante do Moreirense viu-se reflectida no facto de Maicon, defesa-central, ter terminado o primeiro tempo com dois remates, ambos enquadrados, sendo o portista que mais vezes atirou à baliza – ainda fez um passe para ocasião. Destaque também para Maxi Pereira, muito em jogo com 62 toques só no primeiro tempo e 100% dos seus seis duelos ganhos; mas também para Danilo Pereira, um pêndulo que ganhou 87,5% dos duelos.

>>NA PRÓXIMA PÁGINA: GOLPE ANFITRIÃO