Mundial 2014: Um dos dois clubes mais representados terminou em sétimo

Uma época negativamente histórica do Manchester United não resultou numa menor presença de elementos do plantel no Mundial. São 14, mas podiam até ser mais.

Depois do pior campeonato da Premier League em muitos anos, de uma temporada verdadeiramente paupérrima, o Manchester United consegue ser a equipa com mais jogadores no Mundial do Brasil, a par do Bayern de Munique (14) e à frente de Barcelona (13), Real Madrid, Juventus e Chelsea (12).

No lote de 14 estão futebolistas que protagonizaram uma temporada muito abaixo das expectativas, com um papel secundário, longe do seu melhor nível.

O rendimento de Nani (Portugal), Fellaini (Bélgica) ou Smalling (Inglaterra) esteve a anos luz de outros, como os espanhóis De Gea e Mata, do sempre dedicado Rooney (Inglaterra) ou do emergente belga Januzaj. Por outro lado, as lesões afectaram a produtividade de outros, como Van Persie (Holanda) ou “Chicharito” (México), enquanto futebolistas como Valencia (Equador), Kagawa (Japão) ou Welbeck (Inglaterra) nunca encontraram a regularidade necessária para brilhar numa época particularmente negativa e muito sofrida, até para os defesas Evra (França) e Phil Jones (Inglaterra).

São 14, mas até podíamos estar a falar de mais um ou outro, caso a Sérvia de Vidic tivesse conseguido a qualificação, ou Ashley Young, Carrick, Cleverley e até Rafael apresentassem um rendimento condizente com o seu real valor.

Sétimo lugar na Premier League, fora das competições europeias da nova temporada e 14 jogadores no Mundial. E neste lote não está contabilizado o novo treinador, o holandês Louis Van Gaal, que orienta a selecção “laranja”.