a terceira jornada fechou as contas dos grupos e definiu quem continua no Rússia 2018 e quem vai para casa mais cedo. Nesta ronda, como é normal, muitas das formações já apuradas (e algumas das eliminadas) aproveitaram para fazer rodar as suas equipas, lançando alguns jogadores menos utilizados. Por isso mesmo, o nosso “onze” da terceira jornada apresenta alguns nomes menos sonantes, salvo algumas excepções.

O que salta imediatamente à vista é o facto de não haver nenhuma selecção com mais do que um jogador neste nosso “onze”. E há algumas equipas aqui presentes que poucos esperariam, como Coreia do Sul, Tunísia ou Arábia Saudita. Mas os GoalPoint Ratings não olham a cor ou nacionalidades, apenas ao desempenho, e estas selecções aproveitaram a última jornada para deixar uma imagem mais positiva da sua passagem pela Rússia.

Confira os craques que mais brilharam:

GoalPoint-Onze-GoalPoint-Mundial-2018-Jornada-3-infog
Clique para ampliar
  • J. Hyeon-Woo (Coreia do Sul) 7.7 – O “De Gea coreano”, como é chamado, surgiu no Mundial como provável terceira escolha. Surpreendeu, ao ser titular, mas mostrou qualidade acima da média, agilidade, reflexos e uma energia rara. O guardião realizou três jogos de grande nível, especialmente o último contra a Alemanha, contra a qual realizou seis defesas, algumas espectaculares, segurando a “folha limpa” numa vitória histórica na despedida.
  • Djibril Sidibé (França) 6.7 O último jogo de França, com a Dinamarca, foi tudo menos interessante. O lateral-direito foi mesmo o melhor em campo, em especial pelos três passes para finalização, 112 acções com bola e três duelos aéreos defensivos ganhos.
  • Thiago Silva (Brasil) 7.9 – O Brasil vai, aos poucos, subindo de produção, com o triunfo por 2-0 sobre a Sérvia a demonstrá-lo inequivocamente. Thiago Silva foi fundamental nos dois extremos do terreno. Pouco antes de marcar o segundo da “canarinha”, evitou um golo quase feito de Mitrovic e terminou a partida com 11 acções defensivas e oito recuperações de posse.
  • Yerri Mina (Colômbia) 7.3 – Uma das surpresas deste Mundial, menos para nós, que o elegemos como aposta na selecção colombiana para o torneio. O possante defesa-central, que na época finda jogou (mas pouco) no Barcelona, já marcou dois golos neste Mundial, e ante o Senegal foi o melhor em campo. Para além dos 91% de eficácia de passe, Mina ganhou seis de sete duelos aéreos defensivos e registou sete alívios.

  • Oussama Haddadi (Tunísia) 6.8 – A Tunísia ganhou o seu jogo de despedida do Mundial, após ter estado a perder, e o lateral-esquerdo Haddadi esteve bem a atacar e a defender. Na frente registou uma assistência para golo e criou duas ocasiões flagrantes, em três passes para finalização, teve sucesso em dois de três cruzamentos e ainda registou oito acções defensivas.
  • Milan Badelj (Croácia) 7.7 – A Croácia continua a deslumbrar neste Mundial, passeando classe do Grupo D. Já apurada, a equipa não deu hipóteses à Islândia e voltou a ganhar, com Badelj a brilhar a grande altura. O médio fez um golo, uma assistência, acertou 91% dos seus passes, três de cinco dribles e realizou dois passes para finalização e somou 12 acções defensivas.
  • Al-Faraj (Arábia Saudita) 8.1 – A honra da Arábia Saudita foi salva na derradeira jornada do Grupo A, com a vitória por 2-1 sobre o Egipto. Al-Faraj foi o melhor da partida, registando um golo em três remates, seis passes para finalização, 126 acções com bola, três dribles eficazes em sete tentativas e 13 recuperações de posse.

  • Lionel Messi (Argentina) 7.9 – A Argentina teima em não mostrar um futebol consistente, mas Messi consegue estar, claramente, acima dos seus colegas de equipa. Na vitória sobre a Nigéria, o craque do Barcelona foi a cola de uma equipa à procura da sua identidade, com um golo marcado, uma bola nos ferros africanos, uma ocasião flagrante criada e sete dribles eficazes em nove tentativas.

  • Isco (Espanha) 9.9 – O espanhol esteve perto da nota perfeita. Muito perto. Frente a Marrocos, nuestros hermanos não foram além de um empate 2-2, mas Isco mostrou um manancial de recursos incrível: um golo, uma ocasião flagrante criada em seis passes para finalização, 90 passes certos em 98, 128 acções com bola e quatro dribles eficazes em quatro tentados. Quase que entregávamos uma PS4 Pro mas estamos certos que sairá e Isco é homem para a definir, mantendo este nível.
  • Joel Campbell (Costa Rica) 8.8 – O avançado que já passou pelo Sporting gosta de se mostrar em Mundiais, e voltou a fazê-lo na Rússia, apesar da eliminação na fase de grupos. No empate 2-2 ante a Suíça, Campbell registou uma assistência em quatro passes para finalização e completou seis de dez dribles.
  • Edinson Cavani (Uruguai) 7.4 – Portugal vai ter pela frente o melhor ponta-de-lança da terceira jornada. Edinson Cavani foi o melhor na vitória sul-americana por 3-0 sobre a anfitriã Rússia, com um golo em quatro remates, dois dribles completos e ainda recuperou quatro vezes a posse.

Fechamos com os jogadores que lideraram o nosso “barómetro” de variáveis nesta terceira jornada:

GoalPoint-Tops-Jornada-3-WC2018-infog
Os tops individuais da 3ª jornada do Mundial 2018 em algumas das principais variáveis de desempenho

Confira, jogo a jogo, os números que justificam a eleição dos melhores, na tabela de acompanhamento dos jogos GoalPoint, actualizada poucos minutos após o término de cada encontro do Mundial 2018! Pode também encontrar todo o histórico da prova neste “link”.

Mundial 2018 J3STATGPRMVP
3-0
2-1
2-2
1-1
0-0
0-2
1-2
1-2
0-3
2-0
0-2
2-2
0-1
0-1
0-1
1-2