A pesada derrota do FC Porto em Munique foi apenas mais um episódio numa longa história de desaires “lusos” nas visitas à cidade germânica para embates com o Bayern de Munique. Uma história em que a goleada é a regra e não a excepção e que se iniciou em 1967.

11 JOGOS, 0 VITÓRIAS E… 37 GOLOS NA BAGAGEM

Tudo começou em 1967 com a visita do Vitória de Setúbal ao Bayern, para disputar os oitavos-de-final da extinta Taça dos Vencedores das Taças. Os sadinos regressariam a Lisboa com uma derrota por 6 golos a 2. Começava assim um calvário luso na Baviera com 48 anos de História, distribuída por 11 partidas (contando já com a disputada esta terça-feira pelo FC Porto).

Em seis dessas partidas os clubes português regressaram de Munique com derrotas por pelo menos três golos de diferença, sendo as mais expressivas precisamente as mais recentes: a visita do Sporting em 2009 (7-1) e a incursão do Porto na noite de terça-feira (6-1).

SEM SAUDADES DA BAVIERA

O Benfica não visita Munique há 20 anos. Os “encarnados” deslocaram-se pela última vez a esta cidade em 1995, regressando vergados a uma derrota por 4-1 nos oitavos-de-final da Taça UEFA. Apesar do prolongado “divórcio” bávaro os “encarnados” partilham ainda com os “dragões o número de deslocações portuguesas mais elevado (três), todas elas concluídas com derrota pesada, fazendo com que o Benfica mantenha ainda hoje o histórico combinado mais pesado: 13 golos sofridos e 3 marcados na “cidade maldita”.

FC Porto e Sporting somam os únicos dois empates arrancados em casa do Bayern (1991 e 2006), mas contribuem de forma clara para o pecúlio humilhante, com os “dragões” a registarem três golos marcados contra nove sofridos e os “leões” a contabilizarem um golo marcado e sete sofridos fruto da maior derrota portuguesa em casa do campeão germânico.

O Belenenses e o Boavista acabam por ser os clubes que trouxeram a imagem menos “chamuscada” das incursões bávaras, embora só tenham visitado o colosso germânico por uma vez: perderam ambos por um golo solitário, um resultado que, comparado com as últimas duas deslocações nacionais à Baviera quase parece positivo.

O balanço final é confrangedor: 11 partidas, zero vitórias e apenas dois empates, 37 golos sofridos dos quais 29 encaixados pelos “três grandes” e apenas nove golos marcados em Munique.

Eis o histórico das visitas “lusas” a Munique:

[vc_table vc_table_theme=”simple”][align-center]Ano,[align-center]Competi%C3%A7%C3%A3o,[align-center]Fase,[align-center]Jogo,[align-center]Resultado|[align-center]1967,[align-center]TVT,[align-center]1%2F8%20Final,[align-center]Bayern%20-%20V.%20Set%C3%BAbal,[align-center]6-2|[align-center]1976,[align-center]TC%20(UCL),[align-center]1%2F4%20Final,[align-center]Bayern%20-%20Benfica,[align-center]5-1|[align-center]1981,[align-center]TC%20(UCL),[align-center]1%2F8%20Final,[align-center]Bayern%20-%20Benfica,[align-center]4-1|[align-center]1991,[align-center]TC%20(UCL),[align-center]1%2F4%20Final,[align-center]Bayern%20-%20Porto,[align-center]1-1|[align-center]1995,[align-center]UEFA%20(UEL),[align-center]1%2F8%20Final,[align-center]Bayern%20-%20Benfica,[align-center]4-1|[align-center]2000,[align-center]UCL,[align-center]1%2F4%20Final,[align-center]Bayern%20Porto,[align-center]2-1|[align-center]2002,[align-center]UCL,[align-center]Grupos,[align-center]Bayern%20-%20Boavista,[align-center]1-0|[align-center]2006,[align-center]UCL,[align-center]Grupos,[align-center]Bayern%20-%20Sporting,[align-center]0-0|[align-center]2007,[align-center]UEFA%20(UEL),[align-center]1%C2%AA%20Eliminat%C3%B3ria,[align-center]Bayern%20-%20Belenenses,[align-center]1-0|[align-center]2009,[align-center]UCL,[align-center]1%2F8%20Final,[align-center]Bayern%20-%20Sporting,[align-center]7-1|[align-center]2015,[align-center]UCL,[align-center]1%2F4%20Final,[align-center]Bayern%20-%20Porto,[align-center]6-1[/vc_table]

Legenda: TVT – Taça dos Vencedores das Taças; TC – Taça dos Campeões (posteriormente Liga dos Campeões, referido como UCL); UEL – Liga Europa

 

Conclusão? Se possível, o melhor é evitarmos a capital da Baviera. Ninguém tem saudades.