Não havia necessidade de… “marrar” no poste

Sofrer um golo logo aos três minutos é frustrante mas não há necessidade de cabecear a trave por causa disso, o gesto não deve clarificar as ideias para o resto do jogo. Aconteceu na Suécia e o “testa de ferro” chama-se Eidhur Sigurbjörnsson.