Este foi um dos temas do “Verão quente” de 2015. Maxi Pereira, um dos indiscutíveis do Benfica e peça importante do vertiginoso esquema atacante que Jorge Jesus concebeu a pensar nas competições internas, não chegou a acordo para continuar de “águia” ao peito. Pior que isso, mudou-se para o grande rival FC Porto. Por outro lado, Rui Vitória não conseguia nem no mercado nem no plantel arranjar uma solução que convencesse para aquela posição.

Eis que chegamos ao jogo da Supertaça e surge a surpresa Nélson Semedo, jovem cabo-verdiano que chegou ao Benfica vindo do Sintrense, onde era médio-ofensivo, e tinha apenas duas épocas na equipa B adaptado por Hélder Cristóvão à nova posição.

Nove jogos depois já poucos duvidam do risco que Rui Vitória tomou, e até Fernando Santos resolveu dar-lhe a oportunidade de vestir a camisola da selecção portuguesa pela primeira vez. Mas será que o hype é justificado? Estará Nélson Semedo já ao nível do ex-dono do lugar no Benfica? Fomos comparar os números de Nelsinho com os da última época de Maxi, e perceber o que eles nos dizem.

O QUE VALE NO ATAQUE

Se queremos comparar os dois laterais, o lógico é que comecemos pelo momento do jogo onde Nélson se sente mais confortável e, já agora, também aquele em que Maxi dava mais nas vistas.

 Nélson Semedo 15/16Maxi Pereira 14/15
Remates p/ 90m0,80,5
% Remates enquadrados80%81%
Passes p/ ocasião p/ 90m0,71,0
Dribles eficazes p/ 90m1,70,3
% Dribles eficazes45%12%
% Cruzamentos certos p/ 90m0,80,9
% Cruzamentos eficazes19%30%
Faltas sofridas p/ 90m2,21,5

Neste particular, podemos dizer, assistimos a um empate técnico. Se é verdade que Maxi criava mais perigo a assistir os seus colegas do que Nélson, muito por culpa do seu maior acerto nos cruzamentos, certo é que Semedo tem pontos em que já se revela mais forte do que o seu antecessor. Um deles é o drible, onde não só em quantidade como em qualidade está muitos degraus acima do uruguaio, valor intrinsecamente ligado ao maior número de faltas que ganha. Ponto em que ambos são fortes é o remate. Os dois enquadram uma percentagem muito alta de remates (coisa rara em laterais), resultado da facilidade com que realizam diagonais para entrar dentro da área, e pode-se dizer que também aí Nelson Semedo não fica a perder.

FRÁGIL A DEFENDER?

Esta é a fase do jogo em que Nélson sente maiores dificuldades. Curioso então pereber quem fica a ganhar.

 Nélson Semedo 15/16Maxi Pereira 14/15
Desarmes ganhos p/ 90m2,72,2
% Desarmes ganhos84%78%
Intercepções p/ 90m1,32,2
Remates bloqueados p/ 90m0,30,2
Alívios p/ 90m1,51,4
Recuperações de posse p/ 90m3,23,4

Mais uma vez não é claro quem é o melhor neste aspecto, mas parece óbvio que também não foi por aqui que o Benfica ficou a perder. Naqueles que são os pontos mais importantes num defesa, o desarme e a capacidade de antecipação, Nélson leva vantagem no primeiro, mas Maxi teve melhrores números no segundo em 2014/15. Em tudo o resto as diferenças são marginais e pouco relevantes.

DISCIPLINA

É impossível dissociar esta alínea de qualquer análise que envolva Maxi Pereira, e se há factor objectivo que pode desempatar este duelo é a disciplina.

Gráfico 1: O desempenho disciplinar comparado de Semedo e Maxi

Nélson Semedo revela-se mais comedido nas suas acções faltosas e, naturalmente, acaba por ver menos cartões que Maxi Pereira. Recorde-se que os dados de Maxi que estamos a analisar são da época passada, portanto nem vale a pena trazer clubite para a análise.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: A EVOLUÇÃO DE NÉLSON E O COMPARATIVO FINAL (INFOGRAFIA)