Quando estão decorridas 11 jornadas da Liga NOS, um dos jogadores em maior destaque até ao momento é Rafa Silva. Se nas duas últimas épocas o atleta chegou a ser olhado com alguma desconfiança por uma franja de adeptos do Benfica, não pela qualidade e potencial, mas pelo que vinha a render ao serviço das “águias”, o final de 2017/18 começou a mostrar um Rafa diferente. Mais confiante e sereno nos momentos de decisão, no passe, drible e finalização, esta temporada tem vindo a confirmar uma evolução assinalável, ao ponto de ser, por esta altura, uma das apostas firmes de Rui Vitória e de figurar no “onze” GoalPoint do mês de Novembro.

Quem nos acompanha sabe que uma das formas de avaliarmos o desempenho global de um jogador, numa determinada partida ou no acumular de um conjunto de jogos, é através dos nossos GoalPoint Ratings, que pesa perto de 200 variáveis. Este rating mostra, por si só, o quão diferente está Rafa em relação às duas épocas anteriores, como pode conferir pelo gráfico abaixo. Apenas estão cumpridas 11 jornadas do campeonato 18/19, mas já dá para observar claramente o crescimento de Rafa em relação ao passado, sendo um dos futebolistas em melhor forma na competição, com um acumulado de 7.25, em contraste com o 5.79 de 2016/17 e o 5.59 da época passada.

GoalPoint-Rafa-Silva-Grafico-J11-Liga-NOS-201819-infog
Os GoalPoint Ratings de Rafa Silva nas três últimas épocas (clique para ampliar)

Cinco golos (o dobro do registado nas duas últimas épocas juntas) são já um pecúlio relevante para Rafa, que não só melhorou na finalização, como não deixa de servir os seus colegas em qualidade. Porém, a evolução do internacional luso não se cinge aos números mais óbvios. O seu crescimento tem sido consistente em variadas vertentes do seu jogo ofensivo.

A infografia abaixo não deixa dúvidas sobre a melhoria global de Rafa nos detalhes que caracterizam um extremo/avançado. No fundo, tudo aquilo que reflecte não só as capacidades individuais do jogador, mas que, em última instância, contribuem para uma conclusão: Rafa melhorou sobremaneira nas decisões que toma e essa transformação faz toda a diferença. Em alguns pormenores do seu jogo duplicou os números em relação ao passado.

GoalPoint-Rafa-Silva-Benfica-Liga-NOS-201718-J11-infog
Clique para ampliar

O remate

Já falámos dos golos, mas outros detalhes merecem atenção. Uma das críticas que mais recaíam sobre Rafa nas últimas épocas era a forma como, em ocasiões flagrantes de golo, o português desperdiçava muito. Esta época o cenário mudou (pelo menos até ao momento), com o extremo a concretizar 63% destes lances, quando nas últimas temporadas nunca passou, no máximo, dos 25%.

Não que apresente números claramente superiores em termos de remates realizados (2,7 por 90 minutos) e enquadrados (47%), mas toda a sua eficácia melhorou, sendo que neste momento apresenta uma taxa de conversão de remates de 26%, mais do dobro das épocas anteriores. Rafa enquadra agora ligeiramente melhor os disparos que faz dentro da área adversária (54% em 18/19; 47% em 16/17; 50% em 17/18) e até tem a confiança necessária para tentar mais o remate de fora da área (0,9 por 90 minutos, contra 0,2 e 0,3), enquadrando 33% desses lances esta temporada (0% e 25% nas anteriores).

O passe

No que toca às entregas de bola para os seus colegas, a principal diferença que se nota em Rafa é o momento em que o jogador decide passar o esférico para criar lances de perigo. Se é verdade que a eficácia de passe não apresenta grandes diferenças (75% esta temporada, 73% nas anteriores), o que muda tudo é a consequência dos mesmos. O extremo apresenta, esta época, cerca de 2,6 passes para finalização, todos de bola corrida, contra 1,6 nas anteriores, criando 1,0 ocasiões flagrantes, o dobro do que conseguiu anteriormente.

Sendo um extremo, o cruzamento é, igualmente, uma das suas armas, e também aqui há uma melhoria significativa. Nestas 11 jornadas, o português realizou 2,3 cruzamentos de bola corrida a cada 90 minutos, contra um máximo anterior de 1,6 em 2017/18, sendo que apresenta uma eficácia muito assinalável de 38%, quando anteriormente não passava dos 14%.

O drible

Este foi outro dos aspectos em que Rafa melhorou. O extremo completou sete dribles no jogo com o Feirense, que o Benfica venceu, em casa, por 4-0, fixando o segundo registo mais alto destes lances entre jogadores da Liga NOS esta temporada. Mas este não foi um caso isolado.

Ao nível das tentativas os seus números estão em ordem com os de épocas anteriores, mas neste momento apresenta uma eficácia de 60% nestes lances, um valor elevado e bem diferente do da época anterior (47%). Para além disso, vem reduzindo ligeiramente o número de maus controlos de bola, registando 1,8 nesta altura, contra 1,9 e 2,6 nas temporadas anteriores.

Em suma, Rafa é, nesta altura, um jogador transfigurado. Mais confiante nas acções individuais, mais consistente e alerta no momento do passe, nas decisões que toma num contexto colectivo, e mais frio nos momentos de finalização. Ele até pode dizer que está igual, mas as boas notícias para ele são que não está. Veremos daqui em diante se é para continuar.