O XI GoalPoint de Março 2022 da Liga Bwin ⭐

-

Março foi mês de confirmação da presença de Portugal no Mundial de 2022 no Qatar, pelo que a Liga Bwin teve só três jornadas – entre a 25ª e a 27ª – para contabilizar na elaboração do “onze” GoalPoint Ratings do mês. Este período confirmou a boa forma do Porto a nível interno, com os “dragões” a manterem a vantagem de seis pontos em relação ao segundo classificado Sporting, pelo que não espanta que os homens da Invicta dominem a equipa mensal, com quatro elementos.

O MVP de Março é, porém, do emblema seguinte em termos de representação. O Benfica coloca três elementos neste elenco, sendo que o segundo classificado Sporting apenas empresta um jogador. Destaque ainda para três repetentes em relação ao mês de Fevereiro, sendo que quatro elementos estreiam-se nos destaques do mês em 2021/22. Vamos aos detalhes dos melhores de Março – entre futebolistas que jogaram mais de 180 minutos.

GoalPoint-Onze-Mês-Março-Liga-Bwin-202122-1-infog

  • Paulo Victor (Marítimo) 7.16 – E começamos logo com um dos repetentes, um guarda-redes que está a realizar uma época estupenda e não dá mostras de abrandar. Nas três jornadas em análise, Paulo Victor somou o máximo absoluto de defesas (16), valor mais alto também em média por 90 minutos (5,3), a percentagem mais elevada de remates defendidos (88,9%, a par de Antonio Adán, do Sporting) e perto de dois golos evitados, em relação às Expected Saves (xS).
  • João Mário (Porto) 6.51 – Excelente mês do lateral portista, que está a crescer de forma a olhos vistos e estreia-se nos “onzes” mensais da época. João Mário registou 2,1 passes para finalização nesta fase, terceiro valor entre laterais, todos de bola corrida (segundo registo), foi o que mais ocasiões flagrantes criou (1,3), teve eficácia de 50% nos 1,7 cruzamentos de bola corrida, foi o jogador da posição com mais tentativas de drible (3,8), o terceiro em completas (2,1) e em recuperações de posse (8,0), e o segundo em conduções super aproximativas (2,5). Números muito interessantes.
  • João Basso (Arouca) 6.52 – Um dos três repetentes em relação a Fevereiro. O Arouca está longe de ser uma equipa sólida defensivamente, mas João Basso tem feito os possíveis para inverter a situação. Em Março foi o central com melhor rating, apesar de por curta margem, graças a alguns números muito bons, como o máximo de recuperações de posse (8,3) entre centrais, bem como o terceiro registo de alívios (5,4) e excelentes 83,3% de duelos aéreos defensivos ganhos, numa média de 2,2 por 90 minutos. Entre todas as posições fixou a melhor média de passes aproximativos (10,5) e o segundo de super aproximativos (2,5).
  • Dylan Batubinsika (Famalicão) 6.51 – O francês do “Fama” está num excelente momento de forma, acompanhando a subida de rendimento colectivo dos minhotos. Neste mês registou óptima média de desarmes (2,3), liderou entre centrais na média de intercepções (3,3) e registou a quarta mais alta de alívios (5,0), acumulou 6,7 recuperações de posse e esteve muito bem no capítulo do passe, com uma média de 91,7% de acerto, quinto registo entre centrais.
  • Álex Grimaldo (Benfica) 6.74 – O melhor lateral de Março, tal como foi em Fevereiro. Autor de um golo neste período, o espanhol do Benfica foi o terceiro da posição em remates (1,7), foi o que registou média mais alta de passes para finalização (4,0), de passes ofensivos valiosos (4,7) e fez em média três cruzamentos de bola corrida por 90 minutos, com 22,2% de eficácia. Vai sendo um dos benfiquistas em melhor forma nesta fase da temporada.
  • Manuel Ugarte (Sporting) 7.09 – Se é verdade que João Palhinha tem estado uns furos abaixo do que conseguiu na época passada, Manuel Ugarte tem compensado esse facto de forma competente, tendo terminado Março com o terceiro rating mais alto entre jogadores com mais de 180 minutos disputados. Entre centrocampistas foi o segundo com mais alta média de acções com bola (85,8), fixou a segunda melhor percentagem de passes certos (90,9%), a quarta mais alta média de tentativas de drible (4,4) e a mais elevada nas completas (3,9, ou 88,9% de sucesso) e arrasou nos desarmes (6,3, máximo entre todas as posições) e nas intercepções (2,9).
  • Matheus Uribe (Porto) 6.85 – O “patrão silencioso” dos portistas. A forma de Uribe é extraordinária, a sua disponibilidade física é assinalável e a entrega está a salvo de críticas. Quinto médio em acções com bola (79,7), o colombiano registou a mais alta média de recuperações de posse (10,3), e foi o terceiro centrocampista em desarmes (3,3) e intercepções (2,3).

  • Otávio Monteiro (Porto) 6.87 – O portista está nas bocas do mundo devido ao contributo decisivo para o apuramento de Portugal para o Mundial do Qatar. Contudo, a sua presença na Selecção Nacional deve-se, em grande medida, à excelente forma recente. Em Março, Otávio voltou a ser um dos melhores dos “dragões”, apresentando mesmo o melhor rating do plantel. Otávio registou uma assistência, a média mais alta de passes de ruptura (1,4) entre todas as posições, foi o segundo melhor da Liga em desarmes (4,5) e em recuperações de posse (9,6). Incrível.
  • Gonçalo Ramos (Benfica) 6.77 – O atacante benfiquista está, finalmente, a afirmar-se na equipa principal dos “encarnados” e tem sido escolha sólida de Nélson Veríssimo, numa posição de segundo ponta-de-lança. Só mesmo Islam Slimani (3), do Sporting, marcou mais golos que Gonçalo Ramos, que fez dois tentos em Março, ou seja, 40% dos tentos que o Benfica marcou consigo em campo. O jovem somou 16 acções com bola nas área contrárias, segundo valor absoluto mais elevando, o mesmo acontecendo com os remates, num total de dez, tendo ainda criado duas ocasiões flagrantes em quatro passes para finalização.

  • Evanilson (Porto) 6.84 – O ponta-de-lança do Porto continua a marcar pontos e em Março foi o jogador que mais acções para golo contabilizou entre jogadores com mais de 180 minutos, nada menos que quatro, divididas em dois golos e duas assistências. E tal como Gonçalo Ramos, criou duas ocasiões flagrantes, mas no caso em apenas três passes para finalização. Está em grande forma.

Menções honrosas

Entre os melhores neste período, mas que, por uma ou outra razão, não couberam neste “onze”, estão estes craques:

  • Mehdi Taremi (Porto) 7.38 – O iraniano teria entrado de caras – e mesmo lutado até à última pela distinção de MVP do mês – se tivesse cumprido os minutos mínimos (registou 145). Neste período marcou dois golos e fez duas assistências.
  • Nico Gaitán (Paços de Ferreira) 7.25 – Chegou, viu e venceu. O criativo argentino foi reforço de Inverno e, em somente 155 minutos em campo, fez dois golos. Não fossem os minutos…
  • Pêpê Rodrigues (Famalicão) 6.78 – Um dos elementos presentes na equipa de Março, desta vez Pêpê foi ultrapassado por Ugarte e Uribe. Fez um golo em Março.
  • Yan Couto (Braga) 6.49 – O ala direito viu João Mário impedir a sua entrada no “onze”, tendo no mês findo feito um golo.
  • Zainadine Júnior (Marítimo) 6.43 – O central moçambicano já integrou três vezes as equipas da jornada, mas ainda não o fez nas do mês. Esteve perto de o conseguir em Março, mas Basso e Batubinsika estiveram mais fortes.

Parabéns aos eleitos!
Descobre os anteriores “onzes” do mês GoalPoint neste link.

Nota metodológica: O “onze” foi elaborado de acordo com o GoalPoint Rating médio dos jogadores que cumpriram mais de 180 minutos na Liga bwin, no período em questão.

GoalPoint
GoalPoint
O GoalPoint.pt é um site produzido pela GoalPoint Partners, uma start-up especializada em análise estatística de futebol, que oferece serviços dirigidos a profissionais, media, patrocinadores/anunciantes e adeptos.