O Europeu terminou há mais de um mês, o mercado está a, sensivelmente, duas semanas de fechar e Rui Patrício continua no Sporting. Vamos ser justos: Rui Patrício não é o melhor guarda-redes da Europa mas está claramente entre os dez melhores na sua posição a nível mundial.

Portugal | Os números de Rui Patrício no Euro 2016
Rui Patrício foi uma das grandes figuras do Euro 2016

No último Europeu Patrício foi o guardião com melhor rendimento, o que foi mais vezes decisivo (basicamente, em todos os jogos de Portugal com especial ênfase na final), mas continua em Alvalade sem que se fale na sua mudança.

Rui Patrício tem uma situação cómoda no Sporting. Goza de estatuto, aufere um bom ordenado e é ele e mais dez para Jorge Jesus, no Sporting, e Fernando Santos, na Selecção nacional.  Mais… Rui Patrício é um futebolista no auge das suas capacidades. Quem se lembra do último golo em que foi mal batido? Percebe-se que exibe a sua melhor forma de sempre, sem qualquer dúvida, tendo-se tornado num garante do Sporting e da Selecção.

Posto isto, não se entende como Rui Patrício continua a merecer a indiferença dos principais clubes europeus. Quantos dos melhores emblemas têm guarda-redes superiores ao internacional português?

É este tipo de fenómenos que não se entende no mercado. Se o Sporting não lhe tem proporcionado uma grande montra – e isso não pode constituir desculpa para que os clubes de topo, no qual o scouting é uma pedra basilar, descurem as qualidades do guarda-redes – a selecção nacional mostrou, aos mais atentos e aos mais distraídos, que Rui Patrício tem uma qualidade ímpar.

Quando se diz que o mercado está louco, concordo em absoluto. Não se percebe como ignora praticantes de excepção como Rui Patrício. Isso choca-me mais, com sinceridade, do que a centena de milhões que o Manchester United gastou num médio que, sendo um futebolista que dá gozo ver jogar pela sua panóplia de recursos, esteve, no melhor dos palcos (Euro 2016), na sombra de alguns jogadores. Entre eles… Rui Patrício.